Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

"Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo"

Nossa Senhora em La Salette

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus tibi.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

terça-feira, 23 de julho de 2013

Os demônios agem sob a permissão de Deus

Todavia, o demônio não está desprovido de toda utilidade. Se, em relação à Providência, os anjos e os demônios são regidos ao mesmo tempo em que os homens, se, de outro modo, os espíritos celestes vêm em socorro aos homens exilados sobre a terra, nos resta buscar as relações do diabo com os peregrinos deste mundo; nela descobriremos a utilidade dos espíritos malignos.

Sobre os seres terrestres, o diabo possui certo poder; este espírito de iniquidade o usa para tentar as almas, seja atormentando-as pela tribulação temporal, seja ofuscando-as com ilusões miríficas.

Ora, este poder é recebido, e ele é recebido de Deus. Ele está, por conseguinte, de acordo com o beneplácito divino, que permitiu ao demônio agir. Os males que ele opera, Deus os reconduz em seu fim a si mesmo.

Em verdade, mesmo quando o mal acontece pela intervenção diabólica, seu efeito é bem diferente entre os justos e os ímpios. Vimos quanto vigorosamente a alma piedosa se forma na tentação. A alma depravada, em punição de sua depravação, rola, por vezes, de pecado em pecado. Comentando o sexto pedido do Pai Nosso, Agostinho conclui: "Satanás é, portanto, o autor das tentações, não em virtude de seu poder natural, mas pela permissão divina. Deus quer assim, ou punir os homens por seus pecados, ou prová-los e exercitá-los em sua misericórdia."[1]

Os justos não têm nada a temer das sugestões do demônio. "O diabo só tem permissão para vos tentar em uma certa medida... o tanto que vos seja útil para exercitá-los, prová-los, desvendá-los a vós mesmos, vós que não vos conheceis"[2]. Além do mais, é preciso ter em vista este outro princípio: "O demônio pode, sem dúvida, vos sugerir um pensamento mau, mas somente vosso consentimento pode torná-lo mestre de vossa alma; ele não pode entrar, apesar de tudo, em vós"[3].

Não devemos julgar diferente em relação à tribulação: por ela, o demônio não pode prejudicar além dos limites fixados pelo Senhor, pois ele não poderia, mesmo por sua vontade, prejudicar os animais dos rebanhos[4]. Além do mais, pelos abusos do espírito maligno, o ímpio é punido, o santo provado. É por isso que sabemos que os demônios estão agrilhoados, como o santo Doutor notou, comentando o livro de Jó: "É manifesto que sem a permissão de Cristo eles não poderiam entrar nos corpos dos porcos; é preciso compreender da mesma forma que eles não podem nada contra qualquer homem sem esta permissão. Ora, esta é dada pela Justiça que governa todas as coisas, seja para provar os homens, seja por um efeito da vingança de Deus que quer ou puni-los ou reconduzi-los ao bem"[5].

Esse efeito bom não é menos obtido quando os demônios realizam seus prodígios; sem o poder e a permissão dadas por Deus, eles não podem produzir nada, porque da mesma forma que a malícia não vem do Senhor, não há, assim, nenhum poder que não provenha de Deus. Desta forma, os magos do Faraó, com a intervenção do demônio, puderam realizar prodígios admiráveis, mas eles não puderam fazer tudo o que eles queriam[6]; Deus não concede a permissão de nenhuma obra sem ter em vista a punição dos perversos e a instrução dos infiéis.

"Pode-se compreender, por isso, que mesmo os anjos transgressores e as potestades dos ares,... que dão aos magos o poder de produzirem todos seus efeitos, não têm outro poder senão aquele que lhes é comunicado do alto. Ora, este poder é-lhes dado, seja para enganar os enganadores - é por isso que ele foi concedido aos egípcios e aos próprios magos - seja para advertir os fiéis a não desejarem, como algo grandioso, operar semelhantes maravilhas, seja, enfim, para exercitar, provar e manifestar a paciência dos justos."[7]

________________

Gérard Philips. La raison d'être du mal, d'après saint Augustin. Louvain, Éditions du Museum Lessianum, 1927.

[1] Fiunt igitur tentationes per Satanam, non potestate eius, sed permissu Domini, ad homines aut pro suis peccatis puniendos, aut pro Domini misericordia probandos et exercendos (Serm. Dom. em Monte. II, 9, 34; P. L. 34, 1284).
[2] Ad mensuram enim permittitur tentare diabolus... Tantum permittitur ille tentare, quantum tibi prodest ut exercearis, ut proberis, ut qui te nesciebas a te ipso inveniaris. (Enarr. Ps. 61, 20; P.L. 36, 743, s). 
[3] Et si diabolus aliquando aliquid suggerit, consentientem tenet, no cogit invitum. (Serm. 32, II; P.L.38, 200).
[4] Mc 5, 11-13.
[5] et quemadmodum de porcis manifestum est, quod in eos non issent, nisi permissi essent, sic intelligendum est nihil eos in quemquam posse, nisi permissos: permitti autem justitia qua reguntur omnia, sive probationis causa, sive vindictae, vel ad damnationem vel ad correctionem irrogatae. (Job 38,40; P.L. 34, 880). - Cf. C. Adv. Leg. II, 12, 39; P.L. 42, 663 - Enarr. Ps. 26, II, 5; P.L. 36, 201. - ib. 90, 2; P.L. 37, 1150 - ib. 96, 12; col. 1246, etc.)
[6] Ex 8, 18.
[7] Unde intelligi datur ne ipsos quidem transgressores angelos et aereas potestates,... per quas magicae artes possunt quidquid possunt, valere aliquid, nisi data desuper potestate. Datur autem vel ad fallendos fallaces, sicut in Aegyptios et in ipsos etiam Magos data est;.. vel ad admonendos fideles, ne tale aliquid facere pro magno desiderent;... vel ad exercendam, probandam, manifestandamque justoru patientiam. (Trin. III, 7, 12; P.L. 42, 875).


Nenhum comentário:

Postar um comentário