Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

"Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo"

Nossa Senhora em La Salette

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus tibi.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Um poema a Batina

(Catorze) moços, no ermo, abandonando o mundo
- sublimações da vida, em ímpeto fecundo-
Vestiram a BATINA – a farda preta, que ora
se diz negror da noite, e que ora é dita aurora…
Aurora contra a qual a sanha grita: apague!
- Objeto vil de vaia, erguido pouso de águia.
Batina longa: o manto autêntico de Cristo,
Mortalha funeral dos bens de quem é isto:
Cadáver para tudo o que de grande irrompa:
Sepulcro de esplendor e túmulo da pompa;
Ou pele de João, rugosa, hirsuta, agreste.
- O luto pelo mal, da penitência a veste,
Não hábito burguês de estofo suntuário,
Que na rua a seu fascínio de cenário.
É negra, mas proteja o cintilar dos mágicos
Na grei dos bons e sobre os panoramas trágicos.
É cova da ilusões, Moloc de idolatria,
Perante a qual o mundo a espinha acumplicia.
Condena o mal, aplaude o bem, vigia, zela,
Abasta de clarões as noites de procela.
Tecido do real é simples traje forte,
Que aponta o azul e diz que a vida sai da morte.
Na terra reina o caos, porém a fé com tino,
Traz o equilíbrio nesse invólucro divino.
Semeia a inquietação nas almas em pecado,
E já que Deus fecunda até deserto inçado,
Esse casulo escuro e mago da quietude
Donde se evola altiva a borboleta rude
Da rígida verdade, é concha, é ninho ardente,
Em que se faz gigante a mínima semente.
- BATINA! Em nossa pátria há foscos e outonais
Pedaços teus na garra adunca de espinhais.
Varou-te a bala, mas em teu vulto sempre igreja,
Feito bandeira além, dos torreões da igreja.
Molambo heróico, sempre em marcha execratória,
Fulguras triunfal no píncaro da história! …
Pe. Pedro Luiz
(publicado pela “Folha do Norte” em Belém do Pará em 16.07.1967)




Nenhum comentário:

Postar um comentário