Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

"Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo"

Nossa Senhora em La Salette

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus tibi.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

segunda-feira, 31 de março de 2014

SALVE A REDENTORA! VIVA 31 DE MARÇO DE 1964!!!

G.K. Chesterton - O Ressurgimento da Filosofia – Por quê?

O melhor motivo para o ressurgimento da filosofia é que a menos que um homem tenha uma filosofia, certas coisas horríveis acontecerão a ele. Ele será prático; ele será progressista; ele cultivará a eficiência; ele acreditará na evolução; ele realizará o trabalho dele mais próximo e imediato; ele se devotará a feitos, não a palavras. Assim, atingido por rajadas e mais rajadas de estupidez cega e destino aleatório, ele caminhará trôpego para uma morte miserável, sem nenhum conforto, exceto uma série de slogans; tais como esses que cataloguei acima.

Essas coisas são simples substitutos dos pensamentos. Em alguns casos, eles são pedaços esparsos do pensamento de alguém. Isso significa que um homem que se recusa a ter sua

quarta-feira, 26 de março de 2014

A morte do «último Papa» e a pompa funérea que seguiu

O título «Pio XII o último Papa», atraiu logo a atenção de muitos católicos. Parecia profético diante das espantosas demolições a que foi submetida a Santa Madre Igreja.
Na verdade o seu autor, Antonio Spinosa, uma espécie de biógrafo profissional de sucesso das grandes casas editoriais italianas (Mondadori), tinha outra intenção, a saber:
Pio XII comportou-se como o último papa inteiramente romano que aspirava a uma Igreja forte e unida como um império que, com sua autoridade moral e pregação universal, fosse capaz de dominar os povos seja na esfera civil, seja religiosa. Mas o mundo mudava e a idéia que deixou foi de ser o último papa… desse cesarista solitário e hierático se passou ao generoso Roncalli!!!
Pio XII nasceu três anos antes de Stalim, sete antes de Mussolini e treze antes de Hitler. Todos juntos foram os últimos.

terça-feira, 25 de março de 2014

segunda-feira, 24 de março de 2014

quarta-feira, 19 de março de 2014

São Pedro de Arbués - Mártir vitimado pelos que odiavam a Inquisição

Inquisidor, defensor da fé no reino de Aragão, foi morto a mando de judeus pretensamente convertidos ao cristianismo, quando rezava na catedral de Saragoça
Plinio Maria Solimeo
A maior glória da Espanha era sua catolicidade destemida, ufana, realista. O espírito racionalista do século XIX detestava particularmente esse admirável espírito espanhol. Daí organizar uma campanha de difamação contra esse país e contra suas mais legítimas instituições, cobrindo-os com uma legenda negra, que nosso tempo herdou sem espírito de crítica. O objeto de maior difamação dessa “legenda” foi o Santo Tribunal da Inquisição contra a Perfídia dos Hereges.

segunda-feira, 17 de março de 2014

São Fidelis de Sigmaringa, Mártir da ortodoxia católica.


Modelo de leigo e advogado católico, de religioso e mártir, São Fidelis de Sigmaringa foi suscitado por Deus no início do século XVII para pregar uma autêntica reforma católica na Suíça alemã, e reconduzir à verdadeira Igreja os que haviam-se deixado seduzir pela heresia de Calvino (1).
Afonso de Souza
À sombra do castelo de Sigmaringa, às margens do Danúbio, no Principado de Hohenzollern, Alemanha, João Rey encontrou refúgio, quando perseguido pelos protestantes de seu país. Natural de Ambers, na Holanda, este descendente de espanhóis, de fé sólida e honestidade comprovada, por suas qualidades morais e administrativa chegou a ser escolhido para conselheiro da Corte e prefeito de sua cidade adotiva. De seu matrimônio com a virtuosa Genoveva de Rosemberg nasceu Marcos, o futuro São Fidelis de Sigmaringa.

sábado, 15 de março de 2014

Arai Daniele - A FILOSOFIA DE DONOSO CORTÉS, DUGIN, OLAVO… e SEU INVERSO CONCILIAR

O interesse de quem segue este sito, espero, é de seguir uma visão católica dos eventos atuais, que é radicalmente contracorrente. Visão esclarecida pelo conceito pelo qual quem não orienta a vida segundo o reto pensar que deriva do íntegro crer, acaba por crer como pensa e pensar como vive. Será o modo de vida casual a reger o seu pensar e crer; uma opção cômoda, subjetiva, mas falsa de sua realidade e fim como ser humano.
Isto se aplica para todos e para todas as atividades do homem, hoje, ontem e sempre, e pode-se dizer que é essencialmente a visão religiosa da vida do ser humano criado com um corpo material e uma alma espiritual imortal, cujo fim, não podemos deduzir por

sexta-feira, 14 de março de 2014

CINZAS – «Memento homo, quia pulvis es, et in pulverem reverteris!» E não avilte o homem o que é sagrado!

Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral
·       A grande miséria da civilização ocidental, uma das suas chagas mais profundas, foi precisamente ter tornado a morte uma realidade obscena…
·       “Ao pretender eliminar a morte, é a vida, rectamente concebida, e operativamente ordenada, que estamos subvertendo, pois que na presente condição de natureza elevada, caída e remida, é de alguma maneira a morte que deve facultar sentido à vida, e por outro lado, é a vida, moralmente edificada, que deve outorgar sentido à morte; tudo no quadro da Revelação Sobrenatural e da sã filosofia.”
*   *   *
COMO O SAGRADO SE TORNOU OBSCENO
Escutemos a Palavra Divina no seguinte excerto do Livro do Eclesiástico:
« Uma grande preocupação foi imposta a todos os homens e um pesado jugo carrega sobre os filhos de Adão, desde o dia em que eles saem do ventre da sua mãe, até ao dia da sua sepultura, em que eles entram no seio da mãe comum de todos. Os seus cuidados, os sobressaltos do coração, a apreensão do que esperam, e o dia em que tudo acaba, perturbam-nos a todos, desde o que está sentado sobre um trono de glória, até aquele que jaz abatido na terra e na cinza: desde aquele que está vestido

quarta-feira, 12 de março de 2014

O segredo de La Salette

Assim começa o segredo[1]:
Mélanie, o que vou dizer-vos agora não ficará sempre segredo, podereis publicá-lo em 1858.

Os sacerdotes, ministros de meu Filho, pela sua má vida, sua irreverência e impiedade na celebração dos santos mistérios, pelo amor do dinheiro, das honrarias e dos prazeres, tornam-se cloacas de impureza. Sim, os sacerdotes atraem a vingança e a vingança paira sobre suas cabeças. Ai dos sacerdotes e das pessoas consagradas a Deus, que pela sua infidelidade e má vida crucificam de novo meu Filho! Os pecados das pessoas consagradas a Deus bradam ao Céu e clamam por vingança. E eis que a vingança está às suas portas, pois não se encontra mais uma pessoa a implorar misericórdia e perdão para o povo. Não há mais almas generosas, não há mais ninguém digno de oferecer a vítima imaculada ao [Pai] Eterno em favor do mundo.

terça-feira, 11 de março de 2014

Santo Agostinho - O CUIDADO DEVIDO AOS MORTOS – PARTE V

O tratado "De Cura pro Mortuis Gerenda" (O Cuidado Devido aos Mortos) foi escrito por Santo Agostinho em 421, como resposta a uma consulta feita pelo bispo Paulino de Nola, a respeito da vantagem de se sepultar um cristão junto ao túmulo de um santo.
Embora a pergunta fosse, de certa forma, simples, Santo Agostinho aborda uma série de fatos importantes e interessantes a respeito dos mortos, que até hoje são conservados e respeitados pela Igreja. Entre outras coisas, fala da utilidade da oração pelos mortos (antiquíssimo testemunho do Purgatório, ainda que tal palavra não apareça), a possibilidade da aparição dos mortos aos vivos (através do ministério dos anjos ou por permissão direta de Deus), a oração dos santos falecidos a nosso favor, o dia que a Igreja dedica a todos os falecidos (Dia de Finados), etc.
PARTE V
CAPÍTULO XVIII
Conforme o que expomos anteriormente, eis o que devemos pensar a respeito dos benefícios prestados aos mortos a quem dedicamos os nossos cuidados: nossas súplicas só lhes serão proveitosas se forem oferecidas de modo conveniente, no

segunda-feira, 10 de março de 2014

Santo Agostinho - O CUIDADO DEVIDO AOS MORTOS – PARTE IV

O tratado "De Cura pro Mortuis Gerenda" (O Cuidado Devido aos Mortos) foi escrito por Santo Agostinho em 421, como resposta a uma consulta feita pelo bispo Paulino de Nola, a respeito da vantagem de se sepultar um cristão junto ao túmulo de um santo.
Embora a pergunta fosse, de certa forma, simples, Santo Agostinho aborda uma série de fatos importantes e interessantes a respeito dos mortos, que até hoje são conservados e respeitados pela Igreja. Entre outras coisas, fala da utilidade da oração pelos mortos (antiquíssimo testemunho do Purgatório, ainda que tal palavra não apareça), a possibilidade da aparição dos mortos aos vivos (através do ministério dos anjos ou por permissão direta de Deus), a oração dos santos falecidos a nosso favor, o dia que a Igreja dedica a todos os falecidos (Dia de Finados), etc.
PARTE IV
CAPÍTULO XIII
Por que não podemos atribuir a anjos essas operações permitidas pela Providência Divina, que sabe se servir sabiamente dos bons e dos maus, conforme a inescrutável profundidade de seus julgamentos? Essas visões podem servir tanto para instruir

sábado, 8 de março de 2014

Santo Agostinho - O CUIDADO DEVIDO AOS MORTOS – PARTE III

O tratado "De Cura pro Mortuis Gerenda" (O Cuidado Devido aos Mortos) foi escrito por Santo Agostinho em 421, como resposta a uma consulta feita pelo bispo Paulino de Nola, a respeito da vantagem de se sepultar um cristão junto ao túmulo de um santo.
Embora a pergunta fosse, de certa forma, simples, Santo Agostinho aborda uma série de fatos importantes e interessantes a respeito dos mortos, que até hoje são conservados e respeitados pela Igreja. Entre outras coisas, fala da utilidade da oração pelos mortos (antiquíssimo testemunho do Purgatório, ainda que tal palavra não apareça), a possibilidade da aparição dos mortos aos vivos (através do ministério dos anjos ou por permissão direta de Deus), a oração dos santos falecidos a nosso favor, o dia que a Igreja dedica a todos os falecidos (Dia de Finados), etc.

PARTE III
CAPÍTULO X
Também nos são relatadas várias aparições, que não podemos negligenciar de abordar na presente dissertação.

sexta-feira, 7 de março de 2014

Santo Agostinho - O CUIDADO DEVIDO AOS MORTOS – PARTE II

O tratado "De Cura pro Mortuis Gerenda" (O Cuidado Devido aos Mortos) foi escrito por Santo Agostinho em 421, como resposta a uma consulta feita pelo bispo Paulino de Nola, a respeito da vantagem de se sepultar um cristão junto ao túmulo de um santo.
Embora a pergunta fosse, de certa forma, simples, Santo Agostinho aborda uma série de fatos importantes e interessantes a respeito dos mortos, que até hoje são conservados e respeitados pela Igreja. Entre outras coisas, fala da utilidade da oração pelos mortos (antiquíssimo testemunho do Purgatório, ainda que tal palavra não apareça), a possibilidade da aparição dos mortos aos vivos (através do ministério dos anjos ou por permissão direta de Deus), a oração dos santos falecidos a nosso favor, o dia que a Igreja dedica a todos os falecidos (Dia de Finados), etc.

PARTE II
CAPÍTULO VII
Existe no coração humano um sentimento natural que não permite ninguém detestar sua própria carne21. Assim, se alguém vem a saber que, após sua morte, seu corpo não receberá as honras de sepultura, conforme o costume da cada raça e nação, sente-se perturbado como homem. Teme que seu corpo, antes da morte, não atinja o destino pretendido após a morte.

terça-feira, 4 de março de 2014

Santo Agostinho - O CUIDADO DEVIDO AOS MORTOS - PARTE I

O tratado "De Cura pro Mortuis Gerenda" (O Cuidado Devido aos Mortos) foi escrito por Santo Agostinho em 421, como resposta a uma consulta feita pelo bispo Paulino de Nola, a respeito da vantagem de se sepultar um cristão junto ao túmulo de um santo.
Embora a pergunta fosse, de certa forma, simples, Santo Agostinho aborda uma série de fatos importantes e interessantes a respeito dos mortos, que até hoje são conservados e respeitados pela Igreja. Entre outras coisas, fala da utilidade da oração pelos mortos (antiquíssimo testemunho do Purgatório, ainda que tal palavra não apareça), a possibilidade da aparição dos mortos aos vivos (através do ministério dos anjos ou por permissão direta de Deus), a oração dos santos falecidos a nosso favor, o dia que a Igreja dedica a todos os falecidos (Dia de Finados), etc.

segunda-feira, 3 de março de 2014

Atenção: a devoção a Nossa Senhora não é opcional!

Nota do blog ― Isto é o que nos avisa Pe. Frederico Faber (oratoriano, originalmente anglicano, nasceu e viveu na Inglaterra de 1814 a 1863)num texto belíssimo e terrível. Ele o inicia dizendo: “Concluo que os nossos obstáculos (à vida espiritual) secretos se baseiam em cinco erros”. Um deles é o relacionado à devoção a Santíssima Virgem. Vejamos então o que nos ensina Pe. Faber no capítulo 5 do seu livro “Progresso na Vida Espiritual”, Editora Vozez, trad. Mariana Nabuco, 1954.

É bem possível que o empecilho (à vida espiritual) seja a falta de devoção a nossa Senhora. Sem esta devoção a vida interior é impossível, porque não é conforme a vontade de Deus. E esta reside sobretudo em nossa Senhora. 

sábado, 1 de março de 2014

Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral - A ESSÊNCIA TRANSCENDENTAL DA FÉ CATÓLICA

videntes_3o_segredo2

·            O termo “Religião”, etimològicamente, significa “religar,”isto é: consubstancia a RELAÇÃO TRANSCENDENTAL que necessàriamente une toda a criatura a Deus Criador; por outro lado, a relação de Deus com a sua criatura humana é denominada por São Tomás como relação de razão, visto que todo o ser criado reside, VIRTUALMENTE, na Causa Primeira.
·            Isto faz entender como a Religião verdadeira é e só pode ser única e sem religações ecumenistas de marca humana. E tudo o que se contrapõe a esta unicidade é detestável a Deus. http://www.youtube.com/watch?annotation_id=annotation_4131355267&feature=iv&src_vid=DO42aGvyEZk&v=C7UDB9C1A8A.
·            “Coisas espantosas e estranhas ocorreram na terra: os profetas profetavam mentiras e os sacerdotes os aplaudiam com as mãos; e o meu povo amou estas coisas. Que castigo não virà depois de tudo isto?” (Jr 5, 30-31).