Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

"Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo"

Nossa Senhora em La Salette

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus tibi.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

sábado, 24 de maio de 2014

Gustavo Corção - A voz dos Papas canonizados

A Igreja — diz Santo Agostinho — peregrina no mundo entre as aflições dos homens e as consolações de Deus. Nos dias que correm tornaram-se tão graves e cruéis as aflições trazidas pelos homens que mais imperiosa do que nunca se tornou a procura das consolações de Deus.
São várias as fontes onde podemos receber o alívio e o conforto para a nossa Fé. O principal é sem dúvida o Santíssimo Sacramento do Altar onde Jesus está conosco, como prometeu, até a consumação dos séculos. Aí de nós se, em torno deste calvário de cada dia, deste Sacrifício incruento, os homens da Igreja trouxerem a atoarda do mundo que impede nas almas o contato do grande e decisivo mistério de nossa salvação.


Outra fonte de grandes consolações, sem as quais a alma católica não pode viver, não consegue perseverar é a do exemplo dos Santos, que são elevados pela Igreja à glória do altar, não para acrescentar alguma coisa à glória que já tem no Céu, mas para nos trazerem o esplendor de esperança irradiado por seu exemplo. A Igreja Católica é a Igreja de Cristo, e, por conseguinte a Igreja dos Santos.

Mais salutar e vivificante se tornará a fonte de consolação procurada quando nela se encontram cruzados esses valores excelsos: o mistério da Santa Eucaristia e o mistério da santidade. Quando, por exemplo, pensamos num São Tarcísio, nossa meditação encontra um doce exemplo de conúbio dos dois mistérios. Mais forte ainda será o exemplo trazido por um São Pio V que nos é apresentado como exemplo de santidade pela obra principal que nos legou, e que precisamente consiste no resguardo que a codificação litúrgica o seu santo pontificado ergueu em torno da Santa Missa. Neste caso o exemplo de santidade nos é oferecido na figura de um Papa. De certo modo seria razoável esperar em tal cargo tal perfeição já que a boa doutrina nos diz que Deus assiste com especial abundância de graças aqueles que sobrecarrega com excepcional peso de cuidados.

Seria de esperar —  se os homens respondessem a Deus como Ele deve ser sempre ouvido — que todos os papas fossem santos ou deixassem sinais de ardente busca de perfeição. Mas a Igreja de Cristo, neste mundo, milita asperamente contra três cruéis inimigos: o Demônio, o Mundo-mundo e o Amor próprio. E é por isto que se vê uma assustadora diminuição de papas canonizadas, isto é, apontados pela própria Igreja como exemplo de seguidor de Jesus, na proporção em que, ao longo da história, o humanismo obscurece o cristianismo, o amor próprio é tido por dignidade humana, e o mundo-inimigo (Jo XV) é recebido como se coubesse à Igreja a função de se adaptar a ele, contrariando o que tão energicamente disse o Apóstolo. “Nolite conformari huic sæculo” (Rom 12, 2). Corramos os olhos pela história da Igreja.

Até o ano 530 todos os papas são santos; até o fim do século XIII contam-se mais 19 papas canonizados. A partir deste século grandioso, século de São Tomás e São Luís de França, século que nos aparece hoje envolto numa névoa como se fora mais sonho do que realidade, em toda a enorme distância que nos separa somente dois são os papas elevados aos altares: Pio V († 1572) e Pio X († 1914).

Impõe-se desde já uma conclusão evidente, sobretudo quando contraposta à sombria realidade dos espetáculos de impiedade que a tantos arrastam para perdição eterna: a criteriosa atenção que merecem as vozes desses dois papas na atoarda que ultimamente se inculca como magistério católico. Se alguém, com fino escrúpulo, quer atender à virtude da santa obediência em matéria sagrada, aproxime-se desses exemplos que, embora afastados na cronologia do mundo, estão mais perto de nós do que a hierarquia atual. Estando colocados no altar, pela autoridade infalível da própria Igreja, estão perto de Cristo que no sacrário está perto de nós.

Este número de PERMANÊNCIA, motivado pelo que acabamos de dizer, oferece ao leitor matéria de estudo, meditação e devoção, principalmente em torno de questões que concernem ao Papado, e especialmente de questões que se referem ao Mistério do Santíssimo Sacramento do Altar.

Veementemente exortamos: leitor, procure compreender bem em que consiste o drama de nosso tempo, procure aguçar a inteligência da Fé, sem a qual corremos o risco de não ver as mais monumentais pedras de tropeço. Abra os olhos da Fé, alargue o coração para amar a Deus com a verdadeira Caridade que Ele mesmo nos entregou como um “talento” de inestimável valor.

Para a melhor compreensão de teu “Credo”; para maior amor de tua Cruz, aproxima-te daqueles exemplos magníficos que a Igreja nos oferece. Para isso trabalhamos com fervor escrevendo, traduzindo e rezando neste número especial que colocamos aos pés da Virgem Santíssima, pedindo para nossos leitores a graça da lucidez sobrenatural.

(Editorial da Revista PERMANÊNCIA, Nov/Dez de 1975, n° 84/85 Ano VIII)

 

Fonte: Permanência (A voz dos Papas canonizados)


Nenhum comentário:

Postar um comentário