Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

"Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo"

Nossa Senhora em La Salette

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus tibi.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

quinta-feira, 17 de julho de 2014

NÃO ao relativismo! O Bem deve ser distinguido do Mal

Leo Daniele
Se existe — dizem alguns — um “Bem nem tão bom” e um “Mal nem tão mau”, por que não fundi-los em uma média? Não ficaríamos todos mais felizes?
Outros dizem que o conveniente é “fazer aquilo de que se gosta”. Se alguém está fazendo aquilo de que gosta, seja ele um drogado, um depravado ou um pequeno estelionatário, não há por que condenar sua conduta, desde que ele não chegue ao extremo de prejudicar o próximo, matando, assaltando bancos ou fazendo coisas do gênero.
O Bem e o Mal, dizem, são ideias superadas que em breve poderão ir para um museu de conceitos ultrapassados, pois são algo que não se sustenta mais, que não combina com o nosso tempo, ao sopro da moderníssima e “salutar” indefinição de tudo. O Bem e o Mal seriam dois preconceitos de antigamente...
O importante é, como se diz de maneira horrível, cada um “na sua”.
Cópia da imagem de São Miguel Arcanjo,
 que se encontra na ponta da flecha
do Mont Saint Michel, França 
Entretanto, o pressuposto da moralidade é o senso da oposição entre o Bem e o Mal. Ou seja, as coisas ou são boas ou são más, e não podem ser uma e outra coisa ao mesmo tempo. Mas, na ânsia de integrar todas as coisas umas nas outras, depois de termos assistido à tentativa de integração do Belo com o Feio, da Verdade com o Erro, não causa mais espanto a constatação de que se deseja juntar o Bem e o Mal em um só magma, um só pirão.
Na realidade, vai ficando cada vez mais difícil distinguir, por exemplo, uma esposa legítima de uma concubina, por sua aparência. E, por outro lado, avança a chamada “teoria do gênero”, tornando superada a antiga figura do homossexual ou da lésbica.
Tudo aponta para um fato insofismável: os limites entre o Bem e o Mal se borraram, minando a fundo toda a instância moral. Dentro da mentalidade pós-moderna, o mal não existe; é apenas uma “disfunção”.
Não podemos ser preconceituosos em relação ao Mal e aos maus”,dizem os que têm, conscientemente ou não, essa maneira de pensar. Assim como não se pode, segundo eles, ser homofóbico, dentro em breve haverá o malofóbico (o inimigo do Mal), o desordofóbico (quem não gosta da desordem), e o malandrofóbico (quem considera “com preconceito” a malandragem, e, portanto, não a aceita).
Integrar o Bem e o Mal em um só pirão é visto hoje como uma manifestação de sabedoria. Procurar manter a distinção entre o Bem e o Mal tornou-se uma doidice reprovável.
Por exemplo, há sobre o assunto uma nova corrente que “transcende noções antigas”. A ela pertence David K. Marcus, psicólogo da Universidade Estadual de Washington. Segundo essa corrente, “o vício e a virtude, como os dois lados da letra V, podem estar inseparavelmente ligados”.A matéria foi publicada no jornal “The New York Times” de8-4-14 sob o título Cientistas estudam o lado bom da maldade.
Existe até uma espécie de execração daquele que chama de Bem ao Bem e de Mal ao Mal.“Isso é maniqueísmo”, ou “você é maniqueísta”, afirmam. Supremo horror! Com isso se paralisam instantaneamente os “infratores”.
Entretanto, o maniqueísmo — uma péssima heresia do século III — nada tem a ver com a prática de estabelecer a verdadeira e salutar distinção entre o Bem e o Mal.
O maniqueísmo foi uma seita herética fundada por Maniqueu, segundo a qual o demônio não teria sido criado por Deus, mas seria ele mesmo o princípio e a substância do mal.(1)
A distinção entre o Bem e o Mal, como dito acima, é a base do senso moral. Portanto, parte integrante da formação católica. Negar a oposição entre um e outro constitui o auge da imoralidade. E estamos nisso! É o fundamento de um erro chamado relativismo. Este, sim, um perigo real.
Detalhe do portal da catedral de Notre Dame de Paris.
 O Bem e o Mal representados e um demônio, cada um
 separando os que Deus salvou e os que condenou. 
Distinguir entre o Bem o Mal sempre foi considerado uma necessidade, desde o fundo da noite dos tempos. Muitíssimo antes, portanto, de Maniqueu. É preceito da Lei natural, foi consignado por Deus no Decálogo, percorreu todo o Antigo Testamento, foi objeto da divina pregação de Nosso Senhor e faz parte do patrimônio doutrinário e moral da Santa Igreja.
A Sagrada Escritura a todo momento fala dessa necessidade. Lê-se, por exemplo, nas páginas sagradas: “Contra o Mal está o Bem, e contra a morte a vida; assim também contra o homem justo está o pecador. Considera assim todas as obras do Altíssimo. Serão encontradas duas a duas, e uma oposta à outra” (Ecl. 33, 15).
Outro não é o ensinamento dos Papas. Eles dissertaram largamente, em termos claros, sobre a luta entre o Reino de Deus e o de Satanás, e em particular sobre a intensificação dessa luta nos dias atuais.(2)
Seria um não acabar mais analisar os desregramentos decorrentes do orgulho — mais graves, mais refinados e menos aparentes que os da sensualidade, mas intimamente a eles ligados. Os ditames da moral tradicional, expressos nos Dez Mandamentos, estão sendo substituídos pelo socialismo, pelo ambientalismo, por outros itens de sabor hedonista e individualista: “farás apenas aquilo de que gostas, procurarás sempre uma melhor ‘qualidade de vida’”...
Mas desce dos Céus um brado tonitruante: Ai dos que atenuam a oposição que deve haver entre o Bem e o Mal! Os homens serão separados dois a dois: “A uns [Deus]abençoou e exaltou; a outros santificou e tomou para si; e a outros amaldiçoou e humilhou, e expulsou-os, depois de os ter separado” (Ecl. 33, 13).
Devo ser malofóbico, sim! Odeio e devo odiar o mal o quanto possa, com muita paz e alegria, e para isso a Religião católica nos convida, sem ambiguidade, com amizade, mas com severidade. Que assim Deus nos conserve, pois isto é amar o Bem!
E-mail para o autor: catolicismo@terra.com.br
___________
Notas:
1. Denzinger, nº 237.
2. Insegnamenti di Giovanni Paolo II, Libreria Editrice Vaticana, Basílica Vaticana, 26 de março de 1981.


Nenhum comentário:

Postar um comentário