Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

"Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo"

Nossa Senhora em La Salette

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus tibi.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

terça-feira, 3 de março de 2015

A História de Nossa Senhora do Bom Conselho de Genazzano

Nossa Senhora do Bom Conselho de Genazzano
A poucos quilômetros da cidade de Roma, fica Genazzano – uma cidade rica em história e abençoada com a presença de uma pintura milagrosa da Virgem Santíssima que tem uma história extraordinária.
As origens de Genazzano remontam aos tempos dos imperadores romanos. Por causa da sua proximidade com Roma, a cidade foi escolhida por muitos patrícios e cortesãos imperiais como um local para suas casas de campo. Os vastos jardins que circundam essas moradias frequentemente serviram como palco de festas perversas, jogos e rituais pagãos em honra dos deuses a quem os romanos atribuíam a fertilidade de seus campos.
Uma dessas celebrações era realizada todo dia 25 de abril em honra da deusa Flora ou Vênus. Para esse evento, pessoas de todas as classes – homens livres e escravos, patrícios e plebeus – se reuniam para uma grande festa. Essa prática gradualmente se dissolveu e os templos caíram em ruinas enquanto o sopro vivificador do Cristianismo regenerava os povos da Europa.
No século III, foi dada uma ordem para construir um santuário dedicado à Mãe de Deus sob a terna invocação de Mãe do Bom Conselho, sobre as ruínas dos templos romanos.
A cidade de Genazzano
Com o passar dos anos, a cidade se tornou mais populosa e o santuário cresceu em fama. Durante a Idade Média, os franciscanos e os agostinianos fundaram mosteiros nas proximidades. Com o tempo, a igreja primitiva erigida em honra da Mãe do Bom Conselho começou a mostrar sinais de degradação. Além disso, como o santuário era pequeno, os fiéis construíram igrejas maiores e mais ricas para suas solenes funções.
Em 1356, por volta de um século antes da aparição da pintura milagrosa que introduziria Genazzano nos anais das maravilhas da Igreja, o príncipe Pietro Giordan Colonna, cuja família adquiriu senhorio na cidade, atribuiu a Igreja mais antiga da cidade e sua paróquia aos cuidados dos Eremitas de Santo Agostinho. Os fiéis teriam, assim, a assistência pastoral necessária, e reparos poderiam ser feitos na Igreja antiga.
Apesar das orações dos fiéis terem se intensificado, as dificuldades financeiras impediram a restauração urgente e necessária do antigo templo. Mas a Mãe que dá sábios conselhos em todas as circunstâncias e atentamente provê as necessidades dos homens, escolheu uma terceira-agostiniana, Petruccia de Nocera, para realizar um prodígio sobrenatural que traria a tão desejada restauração.
Petruccia tinha recebido uma modesta fortuna depois da morte do seu marido em 1436. Vivendo sozinha, ela dedicou a maior parte do seu tempo às orações e aos serviços na igreja da Mãe do Bom Conselho. Entristeceu-a ver o estado deplorável das instalações sagradas e ela rezou fervorosamente para sua restauração. Finalmente, ela resolveu tomar a iniciativa. Depois de obter permissão dos frades, ela doou seus bens para iniciar a restauração na esperança de que outros a ajudariam a concluí-la uma vez que havia começado.
Um plano foi traçado para a construção de uma magnífica igreja. No entanto, uma vez que a ardorosa tarefa havia começado, Petruccia, que já tinha 80 anos de idade, notou que sua generosa oferta foi escassamente suficiente para completar a primeira fase da nova construção. Para piorar a situação, ninguém veio ajudá-la.
Beata Petruccia e o santuário de Genazzano
Para seu espanto, a construção mal havia subido 1 metro, quando a construção parou devido à falta de recursos. Seus amigos e vizinhos começaram a ridicularizá-la. Detratores a acusaram de imprudência. Outros severamente repreenderam-na em público. Para todos eles ela dizia: “Meus queridos filhos, não dêem tanta importância para essa aparente desgraça. Eu lhes asseguro que antes da minha morte a Santíssima Virgem e nosso santo pai Agostinho finalizarão a igreja começada por mim”.
Em 25 de abril de 1467, o dia da festa do patrono da cidade, São Marcos, uma solene celebração foi iniciada com a missa. Era sábado, a multidão começou a se reunir em frente à Igreja da Mãe do Bom Conselho. A única nota discrepante na celebração foi o trabalho inacabado de Petruccia.
A pintura de Nossa Senhora do Bom Conselho
descendo sobre Genazzano
Por volta das quatro da tarde, todos ouviram os acordes de uma bela melodia que parecia vir do céu. As pessoas olharam para as torres da igreja e viram uma nuvem branca que brilhava com milhares de raios luminosos e que, gradualmente, se aproximava da multidão estupefata ao som de uma melodia excepcionalmente bela. A nuvem desceu na Igreja da Mãe do Bom Conselho e pousou sobre a parede da capela inacabada de São Biagio, que Petruccia havia começado.
De repente, os sinos da antiga torre começaram a tocar por si. Os outros sinos da torre também tocaram milagrosamente em uníssono. Os raios que emanavam da nuvenzinha se apagaram e a própria nuvem gradualmente desapareceu, revelando um belo objeto, sob o olhar encantado dos espectadores. Era uma pintura que representava Nossa Senhora ternamente segurando seu Divino Filho nos seus braços. Quase imediatamente, a Virgem Maria começou a curar os doentes e conceder consolações incontáveis, cujas memórias foram gravadas para a posteridade pelas autoridades eclesiásticas locais.
As noticias da pintura e seus milagres se espalharam pela província e além, atraindo as multidões. Algumas cidades formaram procissões entusiásticas para ver a imagem que o povo chamou de Madonna do Paraíso por causa da sua celestial entrada na cidade. Numerosas esmolas foram doadas como resposta à confiança inabalável que Nossa Senhora inspirou em Petruccia.
Em meio ao entusiasmo geral causado pela pintura, Nossa Senhora quis divulgar a verdadeira origem do maravilhoso afresco para seus devotos. Dois estrangeiros, cujos nomes eram Giorgio e De Sclavis, entraram na cidade no meio de um grupo de peregrinos que vinham de Roma. Eles vestiam roupas estranhas e falaram uma língua estrangeira, dizendo que eles haviam chegado em Roma no início daquele ano a partir da Albânia. Enquanto a maioria das pessoas se recusava a acreditar nos dois estrangeiros, a história deles teve um significado especial para os habitantes de Genazzano.
 *   *   *
Jorge Castriota, melhor conhecido como Skanderberg
Jorge Castriota, melhor conhecido
como Skanderberg
Em Janeiro de 1467 morreu o último grande líder albanês, Jorge Castriota, melhor conhecido como Skanderbeg. Elevado por um chefe albanês, ele se colocou à frente do seu próprio povo.
Posteriormente, Skanderbeg infligiu impressionantes derrotas ao exército turco e ocupou fortalezas por toda a Albânia.
Com a morte de Skanderbeg, o exército turco, finalmente livre deste Fulminante Leão da Guerra, voltou para Albânia, ocupando todas as fortalezas, cidades e províncias com exceção de Scutari, no norte do país.
No entanto, a capacidade de resistir da cidade era limitada e sua captura era esperada a qualquer momento. Com sua queda, a Albânia cristã seria derrotada. Diante desta perspectiva, aqueles que queriam praticar sua fé em terras cristãs começaram um triste êxodo. Giorgio e De Sclavis também estudaram a possibilidade de fugir, mas algo os manteve em Scutari, onde havia uma pequena igreja, considerada o santuário de todo o Reino Albanês. Nessa igreja os fiéis veneravam uma imagem de Nossa Senhora que tinha misteriosamente descido dos céus duzentos anos antes.
De acordo com a tradição, ela veio do leste. Tendo derramado inumeráveis graças sobre toda a população, sua igreja se tornou o principal centro de peregrinação na Albânia. O próprio Skanderbeg tinha visitado esse santuário mais de uma vez para ardentemente pedir a vitória nas batalhas. Agora o santuário estava ameaçado por uma iminente profanação e destruição.
Os dois albaneses ficaram aflitos com a idéia de deixar o grande tesouro da Albânia nas mãos do inimigo para fugirem do terror turco. Na sua perplexidade, eles foram para a antiga igreja pedir à Santíssima Virgem o bom conselho que eles precisavam.
Naquela noite, a Consoladora dos Aflitos os inspirou a ambos em seu sono. Ela os ordenou que se preparassem para deixar seu país, que jamais veriam novamente. Ela acrescentou que o milagroso afresco também estava deixando Scutari para outro país para escapar da profanação dos turcos. Finalmente, ela os ordenou a seguir a pintura onde ela fosse.
Na manhã seguinte, os dois amigos foram ao santuário. Em certo momento eles viram a imagem se destacar da parede onde esteve pendurada por dois séculos. Deixando seu nicho, ela pairou no ar por um momento e foi, de repente, envolta numa nuvem branca na qual a imagem continuava ainda visível.
A pintura peregrina deixou a igreja e os arredores de Scutari. Viajou lentamente pelo ar numa altitude considerável e avançou em direção ao mar Adriático numa velocidade que permitia os dois albaneses acompanhá-la. Depois de percorrer uns 38 quilômetros, eles chegaram à costa.
Nossa Senhora Bom Conselho
 e os albaneses atravessando o Adriático
Sem parar, a imagem deixou a terra e avançou sobre as águas, enquanto Giorgio e De Sclavis, mantendo a confiança, continuaram a segui-la, caminhando sobre as ondas assim como seu Divino Mestre fez no Lago de Genesaré.  Quando a noite caía, a nuvem misteriosa, que os havia protegido com sua sombra do calor do sol, guiava-os à noite com luz, como a coluna de fogo no deserto guiou os Judeus em seu êxodo do Egito.
Eles viajaram dia e noite até chegarem à costa italiana. Lá, continuaram a seguir a imagem milagrosa, escalando montanhas, vadeando rios e passando através de vales. Finalmente, chegaram à vasta planície de Lazio, de onde podiam ver as torres e cúpulas de Roma. Ao chegar às portas da cidade, a nuvem desapareceu de repente diante de seus olhos decepcionados.
Giorgio e De Sclavis começaram a procurar na cidade, indo de igreja em igreja, perguntando se a pintura havia descido lá. Todas suas tentativas para encontrar a pintura falharam e os romanos receberam os dois estrangeiros e seu estranho conto com incredulidade.
Pouco tempo depois, notícias surpreendentes chegaram a Roma: uma imagem de Nossa Senhora apareceu nos céus de Genazzano ao som de uma bela música e tinha vindo para ficar na parede de uma igreja que estava sendo reconstruída. Os dois albaneses correram para encontrar o tesouro amado de seu país milagrosamente suspenso no ar próximo à parede da capela onde permanece até hoje.
Embora alguns habitantes acharam a história dos estrangeiros difícil de acreditar, investigações cuidadosas mais tarde provaram que os dois estavam contando a verdade e que a imagem era mesmo a mesma que agraciava o santuário em Scutari.
*   *   *
Quadro de Nossa Senhora do Bom Conselho
em Genazzano

Assim Maria Santíssima, com a humilde participação de uma piedosa terceira-agostiniana de um lado do Adriático e dois fiéis albaneses do outro, transportou seu misterioso afresco da infeliz e desventurada Albânia para uma pequena cidade muito perto do coração da Cristandade. Começando sua histórica jornada do pequeno santuário albanês, que ela havia escolhido não por acaso, ela viajou sobre o mar para derramar sobre o mundo uma nova torrente de graças sob a invocação de Mãe do Bom Conselho.
Esse artigo foi originalmente publicado em:
Tradução livre por Paulo Américo e Gabriel Ferreira.


Visto em: Lepanto - http://www.lepanto.com.br/catolicismo/devocoes-catolicas/a-historia-de-nossa-senhora-do-bom-conselho-de-genazzano/








Nenhum comentário:

Postar um comentário