Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

"Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo"

Nossa Senhora em La Salette

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus tibi.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

terça-feira, 24 de março de 2015

O ESPÍRITO MISSIONÁRIO E A SALVAÇÃO DAS ALMAS

Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral
Escutemos o Papa Bento XV, em excertos da encíclica“Maximum Illud”, promulgada em 30 de Novembro de 1919:
«Antes de tudo, dirigimos a palavra aos que, na qualidade de bispos, ou então na de vigários e prefeitos apostólicos, presidem às sagradas Missões; deles afinal depende a propagação da Fé, neles a Igreja deposita a esperança da sua maior expansão. Não ignoramos quanto seja vivo neles o espírito do Apostolado.
Estamos cientes das imensas dificuldades que eles tiveram de superar, e as árduas provas pelas quais passaram, especialmente nestes últimos anos, não apenas para não perder as posições já conquistadas, mas também para dilatar sempre mais o Reino de Deus. Todavia, sabendo da sua união, e filial piedade para com esta Sé Apostólica, abrimos a eles com plena confiança o nosso coração, como faria um pai com os seus filhos. Pensem portanto, antes de tudo, que eles devem ser a alma da vossa missão. Por isso sejam, especialmente com o vosso zelo, de exemplar edificação aos vossos sacerdotes e cooperadores, exortando-os e encorajando-os sempre a maior bem. Pois todos os que, de algum modo, trabalham nesta vinha do Senhor devem compreender, experimentar e sentir, que têm no superior um verdadeiro pai vigilante, diligente, repleto de cuidado e caridade, que abraça afectuosamente a todos, condividindo com eles alegrias e dores, que apoia e promove as boas iniciativas, que, numa palavra, considera como coisa sua tudo o que a eles diz respeito. A sorte de uma Missão depende do modo como ela é dirigida. Por isso, pode resultar danosa a incapacidade de quem a governa. Afinal, quem se consagra ao apostolado das missões, abandona a Pátria, a família, os parentes; aventura-se frequentemente numa longa e perigosa viagem, disposto e pronto a tolerar qualquer fadiga, contanto que ganhe muitas almas para Jesus Cristo.(…)   
Todavia, antes de tudo, para aquele que assume este apostolado é indispensável, como dissemos, a santidade de vida. Afinal, é necessário que quem anuncia Deus, SEJA HOMEM DE DEUS, e quem ensina a odiar o pecado, ODEIE O PECADO. Especialmente entre os infiéis, que são guiados mais pelo instinto do que pela razão, o exemplo é mais útil do que as palavras. Seja também o missionário dotado dos mais belos valores da mente e do coração, repleto de Doutrina e cultura. Se essas qaualidades não forem conjugadas com vida pura e santa, bem pouca ou nenhuma eficácia terão para a salvação dos povos; antes, na maior parte das vezes, serão danosas, a ele próprio, e aos outros.(…)
Pensai que o encargo a vós confiado é Divino, e que está muito acima dos pequenos interesses humanos; porque vós levais a luz a quem jaz nas sombras da morte, ENCAMINHAIS PARA O CÉU A QUEM CORRE PARA A RUÍNA ETERNA. Considerando, portanto, que a cada um de vós foi dito pelo Senhor: “Esquece o teu povo e a casa do teu pai”(Sl 44,11), recordai QUE NÃO DEVEIS PROPAGAR O REINO DOS HOMENS, MAS O REINO DE JESUS CRISTO, NÃO CONGREGANDO CIDADÃOS À PÁTRIA TERRENA, MAS À CELESTE. DAÍ SE COMPREENDE QUANTO SERIA DEPLORÁVEL SE EXISTISSEM MISSIONÁRIOS QUE, ESQUECIDOS DA PRÓPRIA DIGNIDADE,PENSASSEM MAIS NA PÁTRIA TERRESTRE DO QUE NA SUPREMA, E ESTIVESSEM PREOCUPADOS EM DILATAR A INFLUÊNCIA, E DE VER SEMPRE E  EM TUDO, CELEBRADO O SEU NOME E A SUA GLÓRIA. Essa seria UMA DAS MAIS TRISTES CHAGAS DO APOSTOLADO, QUE PARALISARIA NO MISSIONÁRIO O ZELO PELAS ALMAS E RETIRARIA TODA A SUA AUTORIDADE JUNTO DOS INDÍGENAS. Afinal, também os selvagens e os bárbaros entendem muito bem o que quer e busca o missionário, e conhecem por meio da intuição se ele tem outros objectivos além do seu Bem Espiritual.»

Os objectivos supremos da Santa Madre Igreja são, constitutivamente, a Glória extrínseca de Deus e a salvação das almas; se acaso forem outros, já se não trata da Santa Madre Igreja, mas de outra instituição que lhe é estranha. Mesmo o Estado, verdadeiramente, e não nominalmente, Católico, tem que possuir esses mesmos objectivos, com a notável diferença que a Santa Madre Igreja os possui, como se referiu, CONSTITUTIVAMENTE, ao passo que o Estado Católico os recebe da Santa Igreja, tal como recebe, ordinàriamente, o poder temporal, cuja força coactiva deverá providenciar plena cobertura ao Dogma e à Moral Católica. E a razão profunda para esta realidade, é que QUEM PODE, POR DIREITO PRÓPRIO, O SOBRENATURAL, PODE TAMBÉM O NATURAL, SEMPRE EM ORDEM AO SOBRENATURAL. Ao contrário do que afirmaram Francisco Suarez (1548-1617) e Francisco de Vitória (1492-1546), em virtude da elevação à Ordem Sobrenatural, a legítima autonomia da Ordem Natural SUBORDINA-SE ESSENCIALMENTE À ORDEM SOBRENATURAL. Vitória afirmava, quase herèticamente, que as civilizações pré-colombianas conservavam toda a sua independência política face ao Império Espanhol, o qual lhes não poderia impor a Fé Católica, em Nome da Santa Igreja. Não se nega que esses povos possuíssem uma determinada independência política, ATÉ À CHEGADA DOS CRISTÃOS, simplesmente, essa independência, na Ordem Natural, tinha necessàriamente que recuar perante a Ordem Sobrenatural encarnada pelos missionários cristãos apoiados no braço secular do Império Espanhol.
A obra de Vitória foi condenada pelo Papa Sisto V (1585-1590), e estava prestes a ser incluída no Index, quando este Pontífice faleceu; o seu sucessor, Urbano VII, acedeu aos pedidos de Filipe II, retirando a condenação. Seja como for, a doutrina de Vitória, para o qual o poder temporal do Papa seria sòmente extrínseco e acidental, opõe-se frontalmente à definição da Bula “Unam Sanctam” (1302) do Papa Bonifácio VIII, onde é solenemente afirmado que a Santa Igreja possui, por Direito Divino, dois gládios – o temporal e o espiritual – confiando a Santa Igreja, ordinàriamente, o primeiro, à autonomia legítima do Príncipe temporal, que o deverá utilizar, essencialmente, para o Bem da Santa Madre Igreja.
Os referidos objectivos supremos da Santa Igreja – a Glória extrínseca de Deus, e a salvação das almas – FORAM RENEGADOS PELO CONCÍLIO VATICANO 2; MAS NÃO FOI A SANTA IGREJA QUE OS RENEGOU, FOI A MAÇONARIA INTERNACIONAL DISFARÇADA DE IGREJA.
Qualquer modalidade de modernismo nega necessàriamente a Deus, como realidade transcendente, objectiva e Pessoal; consequentemente dilui o conceito de salvação da alma num sentimentalismo cego, fácil, e completamente estéril.
Já Teilhard de Chardin (1881-1955), coveiro qualificado da Fé Católica, havia propugnado a dicotomia – o “deus” para a frente e o Deus para cima – sendo o segundo a concepção tradicional, e o primeiro o “deus” que se faz, que se realiza, no incessante progresso vital e cultural da humanidade, o “deus” do futuro, no qual Teilhard, diabòlicamente, pretendia projectar a Santa Igreja.
Ao liquidar o conceito de salvação das almas, evidentemente que todo o espírito missionário, não só se revelava inútil, como também absurdo. As próprias declarações conciliares em favor  das ditas religiões não-cristãs; o apelo criminoso à liberdade religiosa, sem qualquer salvaguarda, sem qualquer referência formal, mesmo teórica, mesmo puramente cultural, ao conceito filosófico e teológico de Verdade Objectiva, Eterna e Imutável; a recusa formal da condenação do cumunismo; tudo concorria para os missionários apostatarem, e abandonarem as almas que lhes estavam confiadas, ou então entregarem-se a uma actividade social puramente naturalista, educacional e assistencial, como acontece presentemente na totalidade dos casos.
A Santa Madre Igreja sempre afirmou, que embora seja possível a salvação sem o conhecimento ACTUAL de Nosso Senhor Jesus Cristo e da Sua Igreja, TAL É MUITO DIFÍCIL. Efectivamente, se durante tantos séculos, a grande massa das almas, embora baptizadas, embora sujeitas ao Magistério da Santa Mãe Igreja, nominal e socialmente praticantes, em plena luz da Verdade Católica, mesmo assim pensavam e viviam como pagãos – QUE DIZER DE POVOS INTEIRAMENTE PRIVADOS DO LUME CRISTÃO E SUBMETIDOS ÀS MAIS IMPLACÁVEIS SUPERSTIÇÕES? As falsas religiões, não apenas não constituem elementos salvíficos, como se erguem como OBSTÁCULOS POSITIVOS à Graça e à Salvação. Uma alma, excepcionalmente, pode salvar-se, vivendo MATERIALMENTE numa falsa religião, mas essa vivência constituirá sempre uma força que a impele para o Inferno, e que essa alma deve anular, FORMALMENTE, com a Graça Divina e com as Virtudes Teologais e Morais Sobrenaturais e com os Dons do Espírito Santo, que lhe conferem um conhecimento Habitual, VIRTUAL MAS FORMAL, de Nosso Senhor Jesus Cristo e da Sua Igreja – NA REALIDADE SÃO FORMALMENTE CATÓLICOS, EMBORA PRIVADOS DO CARÁCTER BAPTISMAL. Todavia, insiste-se, tais casos são excepcionais.
O Papa Bento XV, na encíclica acima referida, condena expressamente os Estados Modernos, democráticos ou não, que utilizam e promovem as missões, fundamentalmente, como instrumento nacionalizador; que também são, sem dúvida, mas são infinitamente mais do que isso, tanto quanto a Pátria Eterna supera infinitamente a Pátria terrena.
Exemplo qualificado do que se afirma, é o Estado Novo Português, que na Metrópole utilizava e arregimentava a religião católica como meio de coesão político-social, e no Ultramar servia-se das Missões como instrumento nacionalizador, mas sem excluir, bem pelo contrário, a utilização do Islão como elemento análogo de coesão político-social. Em 1910, o regime republicano instituiu as denominadas “Missões laicas” com finalidade civilizadora e nacionalizadora; mas depressa descobriu que só o amor Sobrenatural a Deus sobre todas as coisas e ao próximo por amor de Deus, pode conduzir os homens a sacrificarem-se em terras insalubérrimas e inóspitas – e as ditas “missões laicas” foram progressivamente abandonadas. A grande hipocrisia do defunto Estado Novo, residia precisamente em subsidiar com salário e direito à reforma os membros das corporações missionárias ultramarinas, enquanto sonegava tais benefícios ao clero metropolitano; acaso não se tratava da mesma sacrossanta Religião Católica? A diferença era o elemento nacionalizador, O ÚNICO QUE INTERESSAVA AO ESTADO NOVO, DE CUJA IMPIEDADE AINDA HOJE SOFREMOS, E DE QUE MANEIRA, AS CONSEQUÊNCIAS.
Quase todos os soberanos católicos, antes e depois da revolução de 1789, sucumbiram à tentação da utilização da religião católica, para objectivos primordialmente políticos.
Insiste-se, esses fins de coesão política e social são legítimos, desde que essencialmente subordinados aos fins religiosos – A GLÓRIA DE DEUS, E A SALVAÇÃO DAS ALMAS.
LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO
Lisboa, 15 de Março de 2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário