Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

"Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo"

Nossa Senhora em La Salette

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus tibi.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

quarta-feira, 1 de abril de 2015

A LEI DE DEUS NOSSO SENHOR E A FELICIDADE DAS CRIATURAS

Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral
Escutemos o Papa São Pio X, na sua encíclica Notre Charge Apostolique promulgada em 25 de Agosto de 1910:
«Queremos chamar vossa atenção, veneráveis irmãos, sobre esta deformação do Evangelho, e do carácter sagrado de Nosso Senhor Jesus Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro Homem, praticada no “Sillon” e algures. Desde que se aborda a questão social, está na moda, em
certos meios, afastar primeiro a Divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo, e depois só falar da Sua Soberana mansidão, da Sua compaixão por todas as misérias humanas, das Suas instantes exortações ao amor do próximo e da fraternidade. Certamente, Jesus nos amou com um amor imenso, infinito, e veio à Terra sofrer e morrer, a fim de que reunidos em redor d’Ele, na justiça e no amor, animados dos mesmos sentimentos de mútua caridade, todos os homens vivam na Paz e na Felicidade. MAS PARA A REALIZAÇÃO DESTA FELICIDADE TEMPORAL E ETERNA, ELE IMPÔS; COM AUTORIDADE SOBERANA, A CONDIÇÃO DE SE FAZER PARTE DO SEU REBANHO; DE SE ACEITAR A SUA DOUTRINA, DE SE PRATICAR A VIRTUDE; E DE SE DEIXAR ENSINAR E GUIAR POR PEDRO E SEUS SUCESSORES. Ademais, se Jesus foi bom para os transviados e pecadores, NÃO RESPEITOU AS SUAS CONVICÇÕES ERRÓNEAS, por sinceras que parecessem; amou-os a todos para os instruir, converter e salvar. Se chamou junto de Si, para os consolar, os aflitos e os sofredores, NÃO FOI PARA LHES PREGAR O ANSEIO DE UMA IGUALDADE QUIMÉRICA. Se levantou os humildes, não foi para lhes inspirar o sentimento de uma dignidade independente e rebelde à obediência; se o Seu Coração transbordava de mansidão pelas almas de boa vontade, soube igualmente armar-Se de UMA SANTA INDIGNAÇÃO contra os PROFANADORES da Casa de Deus; contra OS MISERÁVEIS QUE ESCANDALIZAM OS PEQUENOS, CONTRA AS AUTORIDADES QUE ACABRUNHAM O POVO COM A CARGA DE PESADOS FARDOS, SEM ALIVIÁ-LA SEQUER COM O DEDO. FOI TÃO FORTE COMO DOCE; repreendeu, ameaçou, castigou, sabendo, e nos ensinando, que muitas vezes o temor constitui o começo da Sabedoria, e que às vezes CONVÉM CORTAR UM MEMBRO PARA SALVAR O CORPO. Enfim, não anunciou para a sociedade futura o reinado de uma felicidade ideal, de onde o sofrimento fosse banido; mas por lições e exemplos, traçou o caminho da felicidade possível na Terra e da FELICIDADE PERFEITA NO CÉU: A ESTRADA REAL DA CRUZ. Estes são ensinamentos que seria errado aplicar sòmente à vida individual, em vista da Salvação Eterna; são ensinamentos eminentemente sociais, e nos mostram em Nosso Senhor Jesus Cristo, uma realidade completamente diferente de um humanitarismo sem consistência e sem autoridade.»
O total desconhecimento de Deus Nosso Senhor constitui o maior mal da Humanidade, em todas as épocas, todos os lugares, e atravessando todas as classes sociais.
Deus é Infinito, e absolutamente transcendente ao mundo; mesmo depois da Revelação Sobrenatural, mesmo com o auxílio da Graça, o homem mortal, em virtude do pecado original, sentirá sempre, em maior ou menor grau, uma opacidade, que proveniente do mundo, do corpo, e até do demónio, lhe procurará afastá-lo de Deus, projectando-o para a Terra e para a vida dos sentidos, e das vaidades do mundo. Sòmente Maria Santíssima viveu sempre livre desse vínculo terreno, por Graça especialíssima de seu Divino Filho. Mesmo os maiores santos, ao menos enquanto principiantes nos caminhos de Deus, tiveram de empregar toda a sua energia (que lhes vinha de Deus) para vencer esse vínculo terreno, embora posteriormente conquistassem (não por esforço natural, mas por obra da Graça) aquela Paz Sobrenatural, na qual o cumprimento da Lei Divina constitui fonte de uma inefável felicidade.
Mas o que é a felicidade?
Trata-se de uma questão assaz ventilada pelo mundo, quase sempre pelas piores razões. Poder-se-ia responder, em termos rigorosamente filosóficos, que a felicidade constitui como que uma plenitude dos entes, quando encontram realizados – na sua finitude, na sua dispersão, e aparente fragmentação – os objectivos a que legìtimamente aspiram – NÃO EXISTE VERDADEIRA FELICIDADE NO ERRO E NO MAL, APENAS UMA APARÊNCIA. Logo, segundo o liberalismo, haveria tantas “felicidades” quantas as aspirações radicadas nos entes racionais, quaisquer que elas fossem; visto que a “felicidade animal” resulta apenas da implementação sensitiva dos instintos, os quais constituem, em si mesmos, um princípio de Ordem.
O liberalismo utilitarista assimila a felicidade a uma satisfação individualista de valores próprios, sem referência alguma a um Padrão Objectivo e Transcendente. John Stuart Mill (1806-1873), patriarca do liberalismo de tradição inglesa, afirmou na sua obra “On Liberty”: “Se toda a humanidade, menos um indivíduo, professasse uma determinada opinião, e esse indivíduo professasse a opinião oposta; a humanidade não teria mais direito a impor a sua opinião ao indivíduo, do que este, se acaso pudesse, teria de impor a sua opinião à humanidade.”
Lamentàvelmente, quando se trata da Fé Católica, NÃO EXISTE O CONCEITO DE OPINIÃO – SÒMENTE EXISTE A VERDADE OBJECTIVA E O ERRO. O problema é precisamente este – AS OPINIÕES PERTENCEM AO MUNDO, EXPRIMEM O MUNDO NA SUA RELATIVIDADE; E NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, QUE É O CAMINHO A VERDADE E A VIDA – VENCEU O MUNDO.
A Criação, por necessidade metafísica, exprime numa pluralidade contingente  de Géneros, Espécies e Indivíduos, tanto quanto é possível, as riquezas infinitas de Deus Uno e Trino. Não foi por um acto de vontade, puramente arbitrário, de Deus, que na Criação existe tão grande variedade de entes; certamente Deus poderia criar, ou não criar, poderia criar um tipo de mundo de preferência a outro; todavia a essência mesma do Acto Criador, exige, metafìsicamente, que as maravilhas Incriadas sejam expressas por uma harmoniosa diversidade. É precisamente aqui que surge o problema do mal moral, que Deus não quer, em si mesmo considerado, porque é privação qualificada de ser, mas que permite na unidade do Todo, na exacta medida em que, no conjunto, o Bem ressalta mais ostensivamente por contraste com o mal.
Precisamente porque os entes possuem Metafìsica e Teològicamente uma origem comum – pois que todos foram criados por Deus Nosso Senhor, e devem-n’O glorificar, fundamentalmente, pelo Conhecimento e pelo Amor – então a felicidade, em sentido ontológico, desses entes espirituais, só pode consubstanciar-se no acordo mútuo, numa sã e plurifacetada socialização, igualmente pela qualificação no conhecimento e no amor, MAS SEMPRE SEGUNDO A LEI ETERNA, FONTE COMUM DE TODA A ORDEM, CRIADA OU POSSÍVEL. Assinala-se deste modo, a VIRTUDE SOBRENATURAL, COMO FUNDAMENTO DA VERDADEIRA FELICIDADE, DAQUELES ENTES QUE SE REGULAM PELA FÉ, ESPERANÇA E CARIDADE. E NESTE ENQUADRAMENTO, LÓGICAMENTE, A FELICIDADE TERRENA DOS ENTES VIRTUOSOS SERÁ PERFEITAMENTE HOMOGÉNEA COM A FELICIDADE CELESTE OU BEATITUDE, PORQUE A RAIZ DE AMBAS RESIDE NO AMOR SOBRENATURAL A DEUS SOBRE TODAS AS COISAS, E AO PRÓXIMO POR AMOR DE DEUS.
Já o filósofo Aristóteles consignara a suprema beatitude terrena como sendo constitutiva da actividade superior da razão.
A felicidade não pode ser concebida como um objectivo EXTRÍNSECO à operação moral, objectivo a ser atingido por meios que LHE NÃO SÃO HOMOGÉNEOS. Não. A felicidade deve constituir a sanção transcendental, natural ou Sobrenatural, para o resultado ontológico de uma actividade segundo as Leis de Deus Nosso Senhor, nosso Criador e Possuidor da Chave das Essências.
O erro fatal, mortal, de todo o liberalismo, como de todo o modernismo, é constitutivo desta PERDA EMINENTE DE SER – CONSIDERAR A OPERAÇÃO DO INDIVÍDUO COMPLETAMENTE DESLIGADA DA SUA PRÓPRIA CONDIÇÃO DE CRIATURA SUBMETIDA ÀS NECESSIDADES TEOLÓGICAS E METAFÍSICAS.
Além disso, a Lei Eterna, segundo o intelectualismo Tomista, é intrínseca e metafìsicamente a própria Essência Divina, Infinitamente Simples, e não resultante de um decreto arbitrário de Deus Criador; daqui decorre que a verdadeira felicidade das criaturas constitui, e só pode constituir, uma função Metafísica do Ser. O próprio Deus Uno e Trino, É INFINITAMENTE FELIZ NA SUA ASSEIDADE, NA SUA ETERNIDADE; PORQUE POSSUI O SER POR SI MESMO, SEM O TER RECEBIDO DE OUTREM. POR ISSO NÃO EXISTE – É.
Nesta perspectiva se configura o quão fundamental é uma recta concepção, natural e Sobrenatural, de Deus Nosso Senhor; o menor erro transtorna e aniquila todo o Dogma, toda a Moral, e toda a sã filosofia.
Quando os modernistas “marcham” contra o aborto – É TUDO CARNAVAL, TUDO APARÊNCIAS, TUDO ENGANO, TUDO HIPOCRISIA SOCIAL. Exactamente, porque uma vez destruído o princípio da Fé Católica, OS DIREITOS E O BEM ESTAR DAS PESSOAS CONCRETAMENTE EXISTENTES, PASSAM LÒGICAMENTE À FRENTE DAQUILO QUE NÃO PODERÁ DEIXAR DE SER CONSIDERADO COMO CONSTITUINDO UM DIREITO HIPOTÉTICO DE UM ENTE EM PROJECTO. TUDO O MAIS É PURA HIPOCRISIA.
A “felicidade” modernista é bem sintetizada pelo ateu Bergoglio no aforismo satânico: VIVE E DEIXA VIVER. Giordano Bruno foi muito sàbiamente executado pela Inquisição Romana (1600) por menos blasfémias do que as proferidas por Bergoglio.
Assim como para a seita conciliar a “fé” cria o seu próprio objecto; assim o indivíduo cria a sua própria “felicidade,”instituindo imanentemente a moldura de valores que a encerra e proporciona. Só que, por infelicidade, tais valores só poderão subsistir como condição da própria aniquilação. Tal como afirmava Monsenhor Lefebvre – NÃO FICA NADA.
A FELICIDADE É SER, TUDO O QUE TRANSPÕE OS LIMITES DO SER ILUDE A VERDADEIRA FELICIDADE, NAUFRAGANDO NO INFERNO.
NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, COM O EXEMPLO DA SUA VIDA MORTAL, DA SUA PAIXÃO E MORTE, EDIFICOU ETERNAMENTE A MURALHA QUE SEPARA TODO O BEM DE TODO O MAL, INDICANDO SOLENEMENTE O SEU AMOR E A SUA GLÓRIA COMO O PRINCÍPIO E O FIM DA FELICIDADE DAS CRIATURAS ESPIRITUAIS, E QUE CONSTITUI PARTICIPAÇÃO FORMAL, SOBRENATURAL, NA PRÓPRIA FELICIDADE DIVINA.
LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO
Lisboa, 25 de Março de 2015

Um comentário: