Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

"Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo"

Nossa Senhora em La Salette

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus tibi.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

quinta-feira, 28 de maio de 2015

As raízes do mundo



"Os evolucionistas destroçam o mundo, porém não as flores. Os Titans jamais escalaram o céu, porém arrasaram a terra".


Gilbert Keith Chesterton (1874-1936)
The Roots of the World, publicado no The Daily News (August 17, 1907) 
Tradução de Agnon Fabiano

Era uma vez um garoto que vivia em um jardim no qual se permitia colher flores, porém era proibido arrancá-las pela raiz. Havia, no entanto, uma planta em particular, insignificante, meio espinhenta, com uma flor pequena semelhante a uma estrela, que ele desejava ardentemente arrancar pela raiz. Seus tutores e guardiões, que viviam na casa com ele, eram pessoas sérias e de valores, e davam razões pelas quais o garoto não deveria arrancar a flor. Em geral eram razões tolas. Porém, nenhuma das razões contra o seu desejo eram tão tolas quanto a que o garotinho tinha para querer executá-la, pois sua razão era que a Verdade lhe exigia que arrancasse a planta para ver como crescia. No entanto, a casa era de gente insensível e despreocupada, e ninguém lhe deu a verdadeira resposta a seu argumento, que era o de que mataria a planta, e que não há mais verdade em uma planta morta do que em uma planta viva. Assim, em uma noite escura, quando as nuvens escondiam a lua, como um segredo demasiadamente bom ou demasiadamente mal para ser revelado, o garotinho desceu os velhos degraus de sua casa de campo e foi até o jardim vestido com seu pijama. Já se disse e já se repetiu que não havia mais razões contra seu desejo de arrancar a planta do jardim, do que contra o de golpear um cardo, por distração, numa vereda. Entretanto, a escuridão que o envolvia o contradizia, bem como seu próprio pulso agitado, porque dizia a si mesmo que na manhã seguinte poderia ser crucificado como a um blasfemos que havia destroçado a árvore sagrada.

Talvez o houvessem crucificado, caso tivesse conseguido arrancar. Isso eu não posso afirmar com certeza. Porém não conseguiu, e não porque não tivesse se empenhado. Todavia, quando chegou à planta, puxou e puxou, e descobriu que se agarrava, como se estivesse cravada na terra com ferros. E quando fez força pela terceira vez, sentiu por trás de seus ombros um barulho aterrador e, fosse por impulso – o que ele negaria – ou pela intranquilidade da consciência, saltou para trás tremulante e olhou ao seu redor. A casa em que vivia era um simples vulto sombrio contra um céu igualmente obscuro. No entanto, depois de olhar com mais cuidado ao seu redor, viu que o contorno de sua casa havia deixado de ser familiar, pois a grande chaminé da cozinha havia caído, torcida e calamitosa. Desesperadamente deu outro puxão na planta e viu como, ali mais distante, o estábulo caía e os cavalos relinchavam e davam coices. Rapidamente ele correu para casa e se meteu debaixo do lençol. No dia seguinte a cozinha amanheceu em ruínas, os alimentos estavam estragados, dois cavalos mortos e três haviam fugido. Porém o garoto continuava com uma furiosa curiosidade e um pouco depois, quando a névoa do mar cobriu a casa e o jardim, ele foi novamente até as raízes da planta indestrutível. Agarrou-se a ela com todas as forças, mas a planta não cedeu. Mas por trás da densa neblina cinza do mar, ouviram-se gritos desesperados de pânico: gritava-se que o castelo do rei havia caído, que não se via as torres que guardavam a costa, que a metade da cidade havia se partido e sumido no mar. Então o garoto se assustou por um momento, e não disse nada mais sobre a planta, porém, quando chegou a sua forte e despreocupada maturidade e a destruição de sua cidade já havia sido reparada lentamente, disse: “Vamos por fim ao enigma deste mal irracional. Em nome da Verdade, arranquemo-la”. E reuniu um enorme grupo de homens fortes, como um exército que fosse enfrentar algum invasor. E todos eles se agarraram à planta e puxaram-na dia e noite. E a Grande Muralha da China veio abaixo em um trecho de sessenta quilômetros. E as Pirâmides fenderam- se e caíram e ficaram reduzidas a entulho. E a Torre Eiffel, em Paris, veio abaixo como uma haste, matando metade dos parisienses. E em Nova Iorque, a estátua da Liberdade tombou para frente e destruiu a frota norte-americana. E a Catedral de São Paulo matou a todos os jornalistas de Fleet Street. E no Japão se registrou tremores de terra nunca antes vistos, até que o país inteiro desapareceu no mar. Alguns dizem que esses dois últimos incidentes não merecem propriamente o nome de calamidades, porém não entraremos nessa matéria. A questão é que em um intervalo de vinte e quatro horas, os homens fortes desse país haviam destroçado metade do mundo civilizado, porém não haviam arrancado a planta. Não cansarei o leitor com todos os detalhes dessa história realista… como usaram primeiramente elefantes e máquinas a vapor, por exemplo, com o único resultado de que a planta permanecia agarrada, ainda quando a lua começou a balançar e até o sou ficou um pouco inquieto. Por fim, a raça humana interveio, como sempre faz, através de uma revolução. Porém muito antes disso, o garoto, o homem, que é o herói dessa história, havia abandonado essa empreitada, dizendo simplesmente aos seus pastores e mestres:
– Vocês me deram várias razões complicadas e inúteis do porquê eu não deveria arrancar esse arbusto. Por que não me deram as verdadeiras razões: primeiro, que não posso, e segundo, que destruiria tudo o mais se chegasse a tentar?
Todos que têm tratado, em nome da ciência, de desarraigar a religião me parecem muito semelhantes ao garoto do jardim. Os céticos não conseguem arrancar as raízes do cristianismo, porém, sim, conseguem arrancar as raízes das parreiras e figueiras de todos os homens, do jardim de todos os homens e dos cercados de todos os homens. Os laicista não têm conseguido destruir as coisas divinas, porém, têm conseguido destruir as coisas humanas.
Não é possível demonstrar que, no fim das contas, uma religião é monstruosa: uma religião é monstruosa desde o principio. Anuncia-se como algo extraordinário. É oferecida como algo extravagante. Os céticos, além disso, podem nos pedir que rechacemos nosso credo como algo estranho. E o temos aceitado justamente assim, como algo estranho. Até aqui, alguém pode imaginar que há um simples impasse, um bloqueio que se interpõe entre nós e aqueles que não conseguem sentir como nós sentimos. Porém, então, vem a curiosa experiência prática que tem ratificado a religião para sempre em nossa razão. Porque os inimigos da religião não podem deixá-la continuar. Laboriosamente, tentam esmagá-la. Não conseguem destruí-la, porém destroem tudo o mais. Com suas interrogações e dilemas não provocam nenhum transtorno na fé; desde o começo ela é uma convicção transcendental; não se pode fazê-la mais transcendental do que já é. Porém, se isto de alguma forma conforta, conseguiram provocar um redemoinho na moral comum e no senso- comum.
Os opositores de nossa religião não nos obrigam a aceitar seus axiomas; nossos axiomas continuam sendo o que sempre foram. Porém, eles sim, aderem-se a toda doutrina de insensatez e desespero. Não nos golpeam, mas passam distante e se afundam no pântano e no abismo. O senhor Blatchford não pode nos forçar a aceitarmos a afirmação de que o homen não é a imagem de Deus, porque essa afirmação é tão dogmática como sua negação. Porém, isso sim, ele se obriga a aceitar a afirmação – humanamente ridícula e intolerável – de que não devo acusar um valentão, nem louvar ao que o vence. Os evolucionistas não nos pode, devido a inefável graduação da natureza, hipnotizar para negar a persoalidade de Deus, pois um Deus pessoal poderia fazer igualmente bem de forma gradual ou de qualquer outra forma. Porém os evolucionistas, isso sim, ficam, através dessas graduações, hipnotizados para negar a existência concreta do senhor Perez, porque ele está dentro do alcance da evolução, e seus contornos estão desaparecendo. Os evolucionistas destroçam o mundo, porém não as flores. Os Titans jamais escalaram o céu, porém arrasaram a terra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário