Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

"Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo"

Nossa Senhora em La Salette

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus tibi.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

sexta-feira, 8 de maio de 2015

Ateus, mas adoram o demônio

Jacinto Flecha
Georges Charles Huysmans (1848-1907)

Na transição do século XIX para XX, um conhecido escritor francês estava curioso para ver uma cerimônia satânica de missa negra, e conseguiu que um amigo o levasse ocultamente para presenciar o que se passava em um desses antros secretos. Durante a cerimônia sacrílega, chamou-lhe a atenção o empenho, a fúria, a obstinação dos participantes competindo entre si para ofender e espezinhar a hóstia consagrada. O raciocínio dele foi simples e perfeito:
— Não é racionalmente possível tanto ódio contra um pedacinho de pão. Se eles fazem isso, é porque sabem e acreditam que ali está muito mais do
que pão. Eles o ofendem, desafiam, pois sabem que não reagirá. Demonstram assim um poder ilusório, prometido por quem eles julgam detentor de poder maior.
Em viagem pouco depois disso, a graça divina conduziu o escritor a encontrar Mugnier, sacerdote à moda antiga, zeloso pela salvação das almas. Ele esclareceu pacientemente todas as dúvidas e lhe deu atenção diligente durante o processo de conversão. Em 1907, pôde apresentar a Deus a alma de Georges Charles Huysmans [foto], que falecera com 59 anos como oblato de um mosteiro. Todo o seu processo de conversão está relatado por ele mesmo em suas últimas obras:Là-basEn routeLa cathédraleL’oblatLes foules de Lourdes.
Outro fato semelhante se deu com uma dama da corte, que não só assistiu mas também participou ativamente de uma missa negra. Madame Montespan desejava tornar-se a concubina favorita de Luís XIV, e para isso expôs o próprio corpo no altar de uma missa negra. Conseguiu o que queria, mas depois se arrependeu e passou os últimos anos de vida como penitente em um convento.
Se lhe interessam exemplos de quem escolhe essa via para obter fama, dinheiro, leia sobre a vida de ídolos do rock, onde missas negras e outros cultos satânicos comparecem aos montes. Também não faltam entre as sumidades do Vale do Silício, entre os magnatas endinheirados, entre políticos famosos ou famigerados. A propósito destes, foi anunciado o lançamento de um livro de Rosane Malta, ex-mulher de Collor, relatando rituais de magia negra na casa da Dinda. Pesquise um pouco na vida dos engalanados colegas e parceiros desses, e não lhe faltarão surpresas espantosas. Em nível mundial, está em pleno curso uma propaganda de cultos satânicos como a missa negra, e gente “esclarecida” dentro de universidades dedica-se a isso.
Para quem, como eu, nasceu em família católica e passou toda a vida em meios católicos, é difícil compreender que pessoas mentalmente sadias não acreditem na existência de Deus. Mais ainda, que muitos desses disponham-se a praticar cultos satânicos onde explicitamente se adora o demônio. São ateus porque não querem prestar culto a Deus, mas aderem às piores abominações para cultuar esse outro “deus”. É possível imaginar posição mais contraditória?
Qual motivo os leva a isso? Melhor seria perguntar quais motivos. São muitos e de características as mais diversas, movendo as pessoas por meio de inúmeras atrações ou repulsas. Uns podem ter como objetivo tornar-se ricos ou famosos, por exemplo; outros podem julgar dura demais a sentença deganhar o pão com o suor do próprio rosto. E assim por diante, quase ao infinito.
Variam os motivos, mas os caminhos confluem para dois objetivos situados nos pontos extremos de uma estrada: de um lado Deus, do outro o demônio; no ponto mais alto o bem, no mais baixo o mal; o convite suave de Deus na extremidade sadia, na outra a insistência agressiva do demônio. Nenhum dos dois se manifesta diretamente, e sim por meio de pessoas, coisas, sensações, atrações, punições e prazeres diversos.
O processo de descida ao abismo satânico pode começar pelo consentimento a um desejo veemente proibido por um Mandamento, portanto vedado aos amigos de Deus. A tentação pode ser vencida, devolvendo a tranquilidade à alma, e sucessivas vitórias consolidam a fidelidade a Deus e a felicidade de situação. Uma transgressão ao Mandamento pode ser seguida de arrependimento e retorno ao caminho do bem. Mas o mais provável é essa transgressão tornar-se o primeiro passo para outras, reforçando a adesão aos inimigos de Deus e tornando cada vez mais difícil o retorno. O demônio exige cada vez mais, oferecendo cada vez menos.
De degrau em degrau até o extremo do processo, qualquer tipo de culto satânico se torna possível e até provável. Chega-se ao fundo do abismo, e là-bas (lá longe, bem no fundo) completa-se o “caminho fácil” de adoração ao demônio. Este nem se dá a conhecer, mas poucos resistem às suas ofertas. Não voltam ao caminho de Deus na condição de penitentes, ao contrário de Huysmans e Montespan. A grande maioria aceita parcial ou totalmente as exigências do demônio, podendo incluir ou não os cultos satânicos. Ele conhece o caminho mais adequado a cada vítima.
As primeiras derrapadas geralmente conduzem a pessoa a ficar descrente, porque Deus não ajuda, só proíbe. Em seguida começa a procurar facilidades, com a ajuda de quem parece amigo de outro “todo-poderoso”. Daí a fazer pacto com ele e ceder em tudo o que ele quer, inclusive a adoração explícita, é só questão de tempo. Muitos percorrem o caminho de volta, mas infelizmente a maioria não retorna.
De pecador a inimigo de Deus, depois amigo e adorador do demônio, o caminho do ateu pode ser curto ou longo, rápido ou demorado, mas está aberto a qualquer um que nele entre e aí permaneça voluntariamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário