Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

"Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo"

Nossa Senhora em La Salette

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus tibi.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

sexta-feira, 5 de junho de 2015

PODERÁ O VERDADEIRO CATÓLICO DEIXAR-SE MODERAR PELA SOCIEDADE ATEIA?



"NO MUNDO SOFREREIS PERSEGUIÇÕES, MAS TENDE CONFIANÇA – EU VENCI O MUNDO (Jo 16,33)"

Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral
Escutemos o Papa São Pio X, em excertos da alocução ao Consistório de 14 Novembro de 1904:
«Falamos de factos que ninguém ignora. No início do século anterior, quando a horrível tempestade revolucionária que havia massacrado a França, após ter derrubado o antigo regime, afligiu também a Religião, tantas vezes secular. Nosso Predecessor de ilustre memória, Pio VII, com o único pensamento na Glória de Deus e na salvação das almas, e os chefes da República, com a preocupação de solicitar à Religião a estabilidade do seu governo, estabeleceram negociações e fizeram um Pacto, tendo em vista a raparação dos danos da Igreja de França, colocando tal reparação sob a salvaguarda das leis. Ao Pacto constituído, veio acrescentar-se, pela única iniciativa da potência civil, aquilo que se denomina “Artigos Orgânicos”. Não sómente Pio VII se opôs a esta adição, desde que ela viu a luz do dia, mas os Soberanos Pontífices, seus sucessores, aproveitaram todas as ocasiões favoráveis para protestar, muito enèrgicamente, contra estes artigos, então sobretudo onde se insistia sobre o seu valor.(…)
Estes artigos estatuem sobre a Doutrina e a própria disciplina da Igreja; eles sancionam muitas coisas em contradição com a convenção concordatária,  revogam uma grande parte das vantagens consentidas em favor dos interesses católicos, e reivindicam para o poder civil os direitos do poder eclesiástico. NÃO E MAIS UMA PROTECÇÃO QUE A IGREJA PODE ESPERAR DO PODER CIVIL – MAS UMA SERVIDÃO! (…)
Nós não podemos esperar que o curso dos ataques contra a Igreja tenha um fim em breve. Certos acontecimentos muito recentes facultam-nos provas certíssimas que aqueles que detêm o leme da República estão de tal forma determinados contra o catolicismo, que os derradeiros excessos são de temer para breve. Enquanto que os documentos emanados da Sé Apostólica, afirmam sem ambiguidade que a profissão do cristianismo se pode perfeitamente harnonizar com a forma republicana de governo, estes homens (os republicanos franceses) parecem querer afirmar que a República, tal como existe em França, nada pode possuir de comum com a Religião Cristã. DUPLA CALÚNIA, QUE FERE OS FRANCESES, SIMULTÂNEAMENTE COMO CATÓLICOS E COMO CIDADÃOS. E aí vêm os acontecimentos mais duros; eles encontrar-nos-ão preparados e sem medo. Nós somos fortificados pelas Palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo:”SE A MIM ME PERSEGUIRAM TAMBÉM VOS PERSEGUIRÃO A VÓS (Jo 15,20); NO MUNDO SOFREREIS PERSEGUIÇÕES, MAS TENDE CONFIANÇA – EU VENCI O MUNDO (Jo 16,33). Entretanto, veneráveis irmãos, unidos a nós nas instâncias de uma humilde oração, solicitai a Deus, O Qual Sòzinho, pode auferir de onde quiser, e impulsionar, segundo a Sua Vontade, a vontade dos homens, que Ele Se digne, sob os auspícios da Virgem Maria, apressar, na Sua Bondade, os dias de Paz e de Tranquilidade para s Sua Igreja.»
A Santa Madre Igreja sempre condenou, severamente, o individualismo, mesmo quando tal realidade era desconhecida como doutrina político-social sistematizada. Efectivamente, Pôncio Pilatos, quando referendou o destino de Nosso Senhor Jesus Cristo, sujeitando-o à multidão, EXACTAMENTE PORQUE NÃO SABIA O QUE ERA A VERDADE – ESTAVA SENDO DEMOCRATA, INDIVIDUALISTA E LIBERAL; democrata, na medida em que desconhecendo a Verdade, Objectiva, Eterna e Imutável, lògicamente, não possuía outro recurso senão socorrer-se da expressão aritmética das opiniões da multidão; individualista, exactamente porque se não existe uma Verdade, objectiva, Eterna e Imutável, ou não se sabe se existe, então só permanece o reino das subjectividades alarvemente auto-deificadas, constitutivas então do ÚNICO ESPAÇO DE VERDADE, do qual, RELATIVÌSTICAMENTE, tudo provém, e nele, CONTIGENTEMENTE, tudo se resolve; liberal, porque se não existe nenhuma Verdade, Objectiva, Eterna e Imutável, então, tal como constava da Declaração dos Direitos de Homem de 26 de Agosto de 1789: “Cada homem é livre de proceder como entender, desde que não prejudique ninguém, e desde que não interfira no Direito anàlogo do seu semelhante, tais limites só podem ser declarados pela lei.” Assim se proscrevia formalmente Deus Nosso Senhor de toda e qualquer instituição humana, na Ordem Sobrenatural, e mesmo na Ordem Natural. Era o resultado de três séculos de naturalismo e protestantismo. As Sagradas Escrituras em nenhuma das suas páginas omitem o estritíssimo dever que Anjos e homens têm de amar, honrar, adorar e glorificar a Deus Criador, Sobrenaturalmente, e sobre todas as coisas, e sob pena de condenação Eterna.
Mas a Santa Madre Igreja igualmente sempre ensinou que a forma político-coactiva das sociedades se destina a moderar o comportamento individual em ordem ao cumprimento de finalidades político-sociais de ordem superior, que embora sejam prosseguidas pelo Estado como decorrentes da sua legítima autonomia, são em última análise, tais finalidades, recebidas formalmente da Santa Madre Igreja, sociedade perfeita, em sentido eminente; ORA TAIS FINALIDADES SÃO A GLÓRIA DE DEUS E A SALVAÇÃO DAS ALMAS.
Neste quadro conceptual, se os membros de uma sociedade, qualquer que ela seja, são de uma forma ou de outra, quase sem excepção, necessàriamente moderados por esta; então quando todos os Estados são ateus, e a própria Santa Madre Igreja, desapareceu totalmente, COMO REALIDADE SOCIAL E CULTURAL, como podem as pouquíssimas almas ainda católicas sobreviver, como podem deixar de ser eivadas pelo corpo social ateu? Trata-se aqui da dignidade social e da sobrevivência material, e não só da sobrevivência espiritual. Porque um verdadeiro católico nunca pode calar-se, nem proceder segundo a norma padrão da sociedade em que vive, sem se tornar, ele mesmo, ateu. A pressão social é quase o equivalente da lei da gravidade física, no que concerne à esfera humana. A maçonaria, quando planeou a destruição da Santa Madre Igreja, inspirada por satanás, há perto de dois séculos, teve plena noção da função da pressão social no processo de apostasia universal.
A resposta para este paradoxo que acabei de formular nunca pode ser uniforme, a não ser no plano do Princípio fundamental: A Teologia da Providência e da Predestinação. Jamais Anjo ou Homem algum foi criado por acaso. Cada ente espiritual foi, enquanto tal, efectivamente querido por Deus, inclusive, evidentemente, os condenados. Existe uma analogia providencial, EXTRÍNSECA, entre as vicissitudes da Ordem Natural e a Ordem da Graça Sobrenatural. Consequentemente, se uma alma é sobrenaturalmente predestinada, é absolutamente certo que Deus Nosso Senhor providenciará um caminho na Ordem Natural, EXTRÌNSECAMENTE, homogéneo e comensurável, com a referida predestinação. São Bento José Labre (1748-1783) foi, NA TERRA, um vagabundo coberto de piolhos, rejeitado por Cartuxos e Cistercienses, mas que afirmava – que a sua consolação não residia na Terra; é o santo padroeiro dos mendigos e dos inadaptados à sociedade POR MOTIVOS ESTRITAMENTE SOBRENATURAIS. Existem santos nas mais variadas condições terrenas, desde monarcas e papas a vagabundos, porque assim se demonstra que DESTE MUNDO SÓ LEVAREMOS, E SÓ PODEMOS LEVAR, BENS SOBRENATURAIS. O que nunca podemos permitir é que a seita anti-Cristo, e a civilização que ela tão bem representa, nos contamine com o seu ateísmo apodrecido. Porque ao contrário dos tempos do paganismo anterior a Constantino, a Humanidade actual já exauriu històricamente o desígnio Providencial, Sobrenatural, no qual, Eternamente, fora Divinamente pensada.
Certamente que os Estados ateus, na medida em que asseguram uma segurança pública puramente material, participam também materialmente da Lei Eterna; e os cidadãos verdadeiramente católicos não podem ferir, directa ou indirectamente, esse padrão de segurança; mas podem e devem combater, por outros meios socialmente agressivos, conquanto não violentos, a escala de anti-valores que rege a civilização em que também, como cidadãos, materialmente se inserem.
Quando uma pessoa, neste caso um verdadeiro católico, possui um padrão de reacção diametralmente oposto ao da sociedade em que se insere, é quase impossível participar funcionalmente nessa mesma sociedade; e isto é tanto mais verdade quando já nem sequer possui o maternal refúgio da Santa Igreja. Portanto, se quer ser coerente, o verdadeiro católico terá de enfrentar corajosamente a marginalização social com todas as consequências económicas inerentes. Pode mesmo ter de enfrentar uma intervenção psiquiátrica, à boa maneira soviética, que o anule como homem e cidadão. Há casos desses.
São Bento Labre, curiosamente, não é apenas o padroeiro dos mendigos e inadaptados, mas igualmente o padroeiro dos loucos; e o próprio Nosso Senhor Jesus Cristo nos anunciou o quanto haveriam de padecer aqueles que O amassem sobrenaturalmente sobre todas as coisas; São Paulo disse claramente que quem é LOUCO SEGUNDO O MUNDO, FOI AQUELE MESMO QUE DEUS ESCOLHEU PARA CONFUNDIR OS SÁBIOS DESTE MESMO MUNDO.
A resposta portanto à questão que serve de título a este artigo é um rotundo – NÃO. Salvaguardado o já mencionado respeito pela segurança pública materialmente sustentada pelo Estado ateu.
Porque o vínculo de sociabilidade, formalmente concebido, só pode promanar da Lei Eterna, princípio de Ordem, Incriado, de toda a natureza, criada ou possível. A cidade do demónio não possui assim verdadeira e formal cidadania, nem verdadeiras leis, porque a sua finalidade é o Inferno e não o Céu, sofrendo assim de uma privação qualificada de Ser. Assim como os santos quanto mais se aproximam sobrenaturalmente de Deus, mais necessidade têm de buscar, ainda com mais intensidade, a Divina Caridade; assim também, a cidade do demónio, quanto mais sólida e bem organizada se apresenta – MAIS PERTO ESTÁ DA RUÍNA TEMPORAL; nìtidamente o verificámos com as duas guerras mundiais, justo castigo de Deus à orgulhosa e prepotente apostasia dos homens.
Quanto mais uma alma ascende nos Bens Sobrenaturais, mais compreende que sòmente neles reside toda a verdadeira felicidade e todo o Bem, mesmo cá neste pobre mundo.
São Bento Labre, ainda que escorraçado por todos, coberto de piolhos, foi mais sobrenaturalmente feliz que todos, ou quase todos, os seus contemporâneos, porque bebia de uma fonte Incriada, da qual, neste mundo, quanto mais se bebe, mais sede se tem; e no além túmulo, no Céu, a saciedade será Eterna e absolutamente perfeita – mas nunca, nunca, farta.
LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO
Lisboa, 29 de Maio de 2015   (61 anos após a canonização de São Pio X)

FONTE: PRO ROMA MARIANA - https://promariana.wordpress.com/2015/05/31/podera-o-verdadeiro-catolico-deixar-se-moderar-pela-sociedade-ateia/

Nenhum comentário:

Postar um comentário