Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

"Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo"

Nossa Senhora em La Salette

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus tibi.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Aquela sinistra raiva sentida em Amatrice.


Após a recente visita do Papa Francisco a Amatrice, e a passagem do furacão Matthew pelo Haiti, com 300 vítimas fatais, e sua chegada à Flórida, vale a pena ler o artigo abaixo, de 30 de agosto de 2016.
Tradução: FratresInUnum.com



“Não, não é o momento de se falar com eles sobre Deus…” Assim, mais ou menos (cito de memória), eu ouvi na rádio, padres, frades e um bispo que “davam conforto” às vítimas do terremoto, ou seja, aqueles que em Amatrice perderam membros da família, ou apenas a casa, os pertences e o carro. O tom, entre temeroso e deprimido, deixava claro o porquê: os sobreviventes haviam se voltado contra eles. Os bravos religiosos haviam estendido a mão e aqueles filhos reagiram mordendo-as irritados; cheios de raiva contra Deus, obviamente.

Infelizmente, é compreensível. Durante cinqüenta anos, a Igreja não fez outra coisa senão proclamar um Deus otimista que é todo bondade; um Deus que não castiga jamais, de forma que até mesmo o inferno, se existir, está vazio, e ai daquele que ousar dizer que doenças, guerras, desastres podem ser “punições e advertências”! Um Deus progressista e benéfico; a Missa não é mais “o sacrifício da cruz”, mas “um banquete pascal “, não evoca a morte judicial no suplício da Cruz, mas a Ressurreição. No Concílio Vaticano II, a Igreja assegurou que não é o homem que nasceu para servir a Deus, mas o contrário: Deus está a serviço do homem: “A única criatura que Deus amou por si mesma”, canta a Gaudium et Spes, “todos os bens da terra devem ser ordenados em função do homem, o centro e ápice de todos esses”, que “foi constituído senhor de toda a criação visível para governá-la e usá-la, glorificando a Deus”.

Então veio o terremoto, morreram quase trezentos familiares e amigos, crianças e avós, e você descobre, pobre monge ou padre, que os sobreviventes não querem “o consolo da fé” (mas que fé, afinal?), e sim uma coisa bem precisa: saber por que Deus, que é todo misericórdia e onipotência, não salvou seus amigos e parentes, ou o Fiat Punto esmagado pelos escombros, ou as pessoas que morreram sob as lajes de concreto utilizadas como telhados. Caso contrário, vá para o inferno vocês e seu “deus”, pois isso não lhe perdoamos! Não queremos saber de tais orações!

Espero que vocês tenham se dado por conta, caros frades e freiras ou qualquer bispo que teve a mão mordida por seus chamados fiéis, dessa triste realidade: que aquilo que vocês experimentaram pregar depois do Concílio em diante, aquele Deus a serviço do homem que é o topo e centro governador da criação, é um falso deus que pode até funcionar mais ou menos nas Jornadas Mundiais da Juventude, nos eventos festivos e nos domingos na Praça de São Pedro, mas que não tem nada a dizer para aqueles que perderam filhos sob os escombros; não tem uma palavra certa para “explicar” o que aconteceu e acontece com o homem há milhares de anos, o mistério do sofrimento infligido pela natureza àquele que seria “a coroação” e o senhor da natureza. O Senhor é bem outro, e se vê aqui.

“Por que sofrer, se é inútil?”
Terrível a condição de uma igreja sem palavras, mordida pelos ‘fiéis’. Terrível a condição dos fiéis, dos homens de hoje perante a tragédia: sofrer um sofrimento irreparável sem motivo, dos quais não sabemos a razão, que, antes, recusa-se a aceitá-la, que não produz nenhuma expiação. Tudo isso já é uma condição muito semelhante ao inferno. Se somarmos aí as blasfêmias, a raiva e as maldições proferidas, a semelhança com a condenação eterna se torna quase identidade.

Digo isso depois de ler o blog de Constanza Miriano, uma grande fiel Católica. Ela havia lançado uma campanha de oração entre irmãos orantes, para que recomendassem ao Pai Celeste as almas de todos aqueles que, tendo morrido em seu sono e sem o tempo necessário para recomendar suas almas a Deus, certamente precisavam dessa ajuda.

No entanto, contra o seu blog se investiram milhares de “blasfêmias” e “insultos surreais”; pessoas que “espumando de raiva e vomitando insultos” lançavam ,ao invés, acusações irracionais, verdadeiros delírios esquizofrênicos. Tudo isso no tom do politicamente correto: rezar pelos mortos “violava a privacidade” de tais mortos; ofendia a sua autonomia e liberdade (“Como você se atreve, e se eles não acreditavam?”), sem refletirem por um momento que um cadáver já não tem qualquer autonomia ou liberdade. Alguns ameaçaram denunciá-la, assumindo (não completamente sem razão) que algum procurador poderia abrir um processo contra essa prática de injustiça intolerável que é recomendar a Jesus as almas dos estranhos, aproveitando-se do fato de que eles “não podem recusar ou se defender (de que? da salvação eterna?). Constanza  disse que “entre os mais espumantes e raivosos estavam vários que se diziam Católicos.” Suponho que são aqueles que “acolheram plenamente a novidade do Concílio”; ou seja, que o homem não deve esperar de Deus outra coisa senão alegria; por que, afinal, para que sofrer, se é inútil? É a pergunta que ressoa no inferno.

Mas essa raiva é bem conhecida por mim: eu não posso abordar a questão da religião e da sua necessidade sem despertar (não no meu site, mas em outros que me reproduzem) a mesma matilha de raivosos, irritados e cheios de escárnio e ódio – tudo em medida excessiva, patentemente sem motivo.

São intervenções que lamento não tê-las arquivado para mostrar a loucura espumante; são exorcismos de pobres almas perdidas que, com insulto e escárnio, exorcizam um medo que têm na alma: e se tudo for verdade? E se eu tivesse que mudar de vida? Almas que não querem ser salvas, que não querem que se ore por elas – o que já é outro ingrediente do inferno.

O ponto é que esse fervor de raiva, ódio e terror, este pandemônio que os monges e padres têm experimentado ao lidar com “pessoas comuns” atingidas por catástrofes, tem pouco pra se traduzir em ação. Digo, ação coletiva, de praça pública ou legislativa. Entre esses meus leitores espumando de ódio há aqueles que se perguntam: como é que na minha cidade a igreja é maior do que a prefeitura (porque ela existe há séculos antes da prefeitura… mas ele, o ignorante, como um sapato surrado, sente isso como uma injustiça – uma injustiça contra o laicismo secular, a modernidade na qual  vive como um inseto no queijo).  Já um outro, a propósito dos recentes ataques terroristas islâmicos, aproveita para gritar: “precisamos banir todas as religiões! Eles são a causa da intolerância e das guerras! Milhões de vítimas da Inquisição”.

Mais cedo ou mais tarde, creio que mais cedo do que mais tarde, esse uivo e latido se tornará um ato legislativo; o parlamento vai aprová-lo; talvez sob a pressão “popular” que pedirá a matança de freiras e padres e a destruição de igrejas.

Eu não quero evocar aqui o terceiro segredo de Fátima, ou as visões de Cornacchiola. Mas, parece-me que aqueles padres em Amatrice e arredores começaram a sentir um perigo desconhecido, extremo.

“Vós sois o sal da terra. Mas se o sal perder o seu sabor, com o que se há de temperar? Para nada mais presta, senão para se lançar fora e ser pisado pelos homens”.

Eu sempre me perguntei por que será que não bastava que o sal insípido fosse apenas jogado fora, mas tinha que ser ainda “pisado pelos homens.” Receio que a resposta não poderia ser mais clara.



Nenhum comentário:

Postar um comentário