Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

"Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo"

Nossa Senhora em La Salette

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus tibi.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Padres católicos tradicionais em crise


"Em todo o mundo, o Espírito Santo está abrindo corações e mentes dos padres para abraçar os grandes e antigos tesouros da nossa fé católica que foram enterrados e descartados durante os últimos 50 ou 60 anos"
Tradução Sensus fidei
Este blog é para todos os padres católicos tradicionais, ou para aqueles de vocês que estão apenas começando a descobrir o grande tesouro do Catolicismo Tradicional. Em todo o mundo, o Espírito Santo está abrindo corações e mentes dos padres para abraçar os grandes e antigos tesouros da nossa fé católica que foram enterrados e descartados durante os últimos 50 ou 60 anos.
Para muitos de nós, foi o ‘Summorum Pontificum’ do Papa Bento XVI, que abriu nossos olhos e mente para coisas que mal ouvimos falar ou nunca sabíamos que antes existiam. Daquele dia em diante, nós fomos conduzidos em uma muito emocionante, mas, também, muito difícil jornada.
Primeiro nós descobrimos a Santa Missa Tradicional de blogs e fotos. Mas, então, também descobrimos todos os outros Sacramentos Latinos; como batismo, confirmação e matrimônio. Muitas vezes, tem sido santos leigos os que têm nos mostrado e ensinado todas essas coisas sagradas que nunca conhecêramos antes.
Então, descobrimos a enorme diferença entre tudo o que sabemos; A Missa Nova, Novos Sacramentos e Novas Orações, que com estes antigos Ritos Latinos começamos a estudar e a praticar. Isso pode desencadear uma crise terrível em nosso sacerdócio. Não podemos negar o que nós estamos fazendo todos os dias, como Sacerdotes Novus Ordo, e a enorme diferença que experimentamos oficiando os antigos ritos como sacerdotes tradicionais.
Antes, quando todos nós oferecíamos e sabíamos o que era a Missa Novus Ordo, Sacramentos e orações, estávamos satisfeitos, fazendo o nosso melhor para oferecê-la de maneira sagrada e de acordo com as regras ou rubricas. Mas, então, e especialmente depois que começamos a oferecer estes Ritos Tridentinos, a diferença entre as rubricas e as orações, olham-nos diretamente em nossos rostos.
A maioria de nós somos obrigados a oferecer os Novas Sacramentos Novus Ordo. E aqui está onde a crise começa a afetar a nossa consciência e o nosso sacerdócio. Um exemplo são as rubricas que ditam a maneira em que a Hóstia e o Precioso Sangue são tratados na Missa em latim em comparação com as rubricas mínimas contidas na Missa Nova para a manipulação do Corpo e do Sangue de Jesus. O mesmo pode-se dizer sobre a purificação dos vasos sagrados.
Então, quando as rubricas da Missa Latina exigem explicitamente que Jesus só deve ser administrado ajoelhando-se e na língua, ainda, na Missa Nova, somos obrigados a dar a comunhão nas mãos e em pé. Os bispos obrigam os padres a usar Ministros Extraordinários da Eucaristia para dar a Sagrada Comunhão, e para abençoar todos os que se aproximam em pecado ou mesmo quem não é católico. Para nós, sacerdotes, tentando viver nesses dois mundos, pode tornar-nos esquizofrênicos.
Uma vez que começamos a batizar no rito latino, com seus muitos exorcismos, você vê claramente a diferença gritante no novo rito de batismo, que só traz uma leve menção de exorcismo, mas sem quaisquer palavras claras exorcizando o demônio da criança.
A lista prossegue e prossegue. Os magníficos paramentos versus os simples paramentos modernistas. As longas orações para abençoar Água Benta e objetos. A cerimônia de casamento. A Missa de Requiem para os mortos. O uso de banhar a ouro cálices e patenas de prata. O Cálice, o corporal e as bursas. O tradicional Calendário dos Santos.
Um único e enorme altar. Nas novas igrejas e no rito, uma mesa é usada e chamada de ‘altar’. No rito antigo, um altar-mor é usado com um altar de pedra e uma relíquia de algum mártir. Esta “mesa”[na Missa Nova] fala da Última Ceia. O altar de pedra [na Missa Tridentina] fala do sacrifício de Jesus na Cruz por nós, pecadores.
Nas orações da Missa Nova, muito raramente é usada a palavra “sacrifício”. Na Missa Tridentina, é usada muitas vezes e é o foco de toda a Missa. É chamado o Santo Sacrifício da Missa. Na Missa Nova, isso é chamado de celebração da Santa Eucaristia.
Escreverei mais sobre esta crise gradual, que quaisquer sacerdotes católicos sinceramente santos irão passar, quando eles descobrem e oferecem os dois ritos, o novo e o velho Rito Romano, juntos. Eu também quero escrever mais sobre a perseguição que nós, sacerdotes, encontramos quando ousamos dizer a verdade, “QUE A MISSA TRADICIONAL TEM MAIS REVERÊNCIA E PROTEÇÃO PARA COM DEUS/JESUS NA EUCARISTIA DO QUE A MISSA NOVA”.
O que faremos nesta crise do nosso sacerdócio católico? Vamos rezar, vamos continuar aprendendo e tomando decisões que exigem muita fé. Devemos permitir que nossos pastores e bispos saibam o que está se passando em nossa consciência. Talvez, tenhamos que mudar de paróquias ou de dioceses onde seremos capazes de oferecer a Missa tradicional. Talvez, tenhamos de oferecer os novos ritos com grande dor, enquanto continuamos a oferecer os ritos antigos.
Nós não queremos a abandonar o barco, embora isto seja muito tentador a fazer. Queremos ficar na Igreja canonicamente. Precisamos ter fé que Deus cuidará de nós, mesmo que isso signifique ser terrivelmente perseguidos pelos nossos bispos, colegas padres e paroquianos.
A todos vocês padres maravilhosos que estão passando por essa crise, Deus e Maria os sustentarão. Rezemos uns pelos outros e sigamos adiante firmes e serenos. A verdade católica que descobrimos é VERDADE. Não há como voltar atrás. Deus precisa de nós agora em Sua Igreja para ajudar a reforma, para renovar e lembrar as pessoas de seus tesouros católicos que quase foram destruídos, mas, que agora, estão sendo trazidos de volta à vida a preço de grande perseguição e ostracismo.
Somos muito abençoados em sermos católicos tradicionais e sacerdotes, e podermos ajudar a Deus quando Ele mais precisa de nós nesse momento da história de Sua Igreja Católica.
Artigo postado em 11 de maio de 2015, por Pe. Peter Carota, in memoriam.

Fonte:  http://www.sensusfidei.com.br/2016/08/08/padres-catolicos-tradicionais-em-crise/#.V8F7ACgrK00

Nenhum comentário:

Postar um comentário