Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

"Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo"

Nossa Senhora em La Salette

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus tibi.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Papai Noel ou São Nicolau?


"O Papai Noel comercializado não tem nada de cristão. Pelo contrário, é inteiramente pagão, tendo por isso se tornado tão popular numa época cada vez mais paganizada como a nossa."


Plinio Maria Solimeo
Aproxima-se o Natal. Desde os mais sofisticados Shoppings Centers até as lojas mais humildes esmeram-se na decoração natalina. Em praticamente todas elas ocupam lugar de realce o obeso Papai Noel, que nesta nossa época tão materializada se tornou o símbolo do Natal.
Como surgiu esse personagem, que tomou o lugar do próprio Menino Jesus nas comemorações natalinas? Segundo fontes autorizadas, em 1821 foi publicado em Nova York um livro de litografias para o público infantil intitulado Santa Claus, o amigo das crianças, o qual alcançou muita popularidade. Pelo que tudo indica, “Santa Claus” é uma deturpação fonética do “Sankt Niklaus” alemão, ou seja, de São Nicolau de Bari.
Vindo do Norte, esse personagem chegava num trenó puxado por uma rena voadora, e aparecia não mais no dia 6 de dezembro, festa do Santo, mas na véspera de Natal.
“Segundo peritos do St. Nicholas Center, foi uma elite de Nova York que conseguiu nacionalizar a Natividade [de Jesus] através de Santa Claus, com o apoio de artistas e literatos como Washington Irving, John Pintard e Clement Clarke Moore”.
Mas foi só em 1863, durante a Guerra Civil dos EUA, que o caricaturista político Thomas Nast começou a desenhar o Santa Claus — ou Papai Noel, para nós —, como aparece agora, com o gorro vermelho, abundante barba branca e avantajado ventre.
Essa versão, no entanto, foi popularizada pela indigesta Coca-Cola, que o representou pela primeira vez num anúncio em 1920. E como essa rejeitável bebida difundiu-se por todo o mundo como símbolo da modernidade e da mentalidade hollywoodiana, também o Papai Noel se espalhou por toda a Terra[i].
Quem era São Nicolau
Nas épocas de fé, em que o espírito religioso ainda impregnava as festas natalinas, o nascimento de Cristo era precedido pela festa de São Nicolau de Mira, ou de Bari, no dia 6 de dezembro. Era nesse dia que o santo bispo dava presentes às crianças.
Na vida desse santo tão popular, é difícil saber o que é realidade e o que é legenda. Pois são tantos os fatos tão extraordinários que se contam a seu respeito, que, em alguns casos, se torna quase impossível separar o real do fantasioso.
Esse santo do século IV foi um dos mais venerados do Oriente, antes de o ser do Ocidente. E as legendas narrando maravilhas a seu respeito se difundiram por todo o mundo.
Nicolau nasceu por volta do ano 270 em Patara, opulenta capital da Lícia, na atual Turquia. Seus pais eram nobres, ricos e, sobretudo, piedosos.
O menino recebeu apurada educação religiosa e cívica. Na escola, evitava a companhia dos colegas perniciosos, só travando amizade com os bons e virtuosos. Crescendo, evitava os espetáculos perigosos, e domava seu corpo com vigílias, cilícios e jejuns.
Quando seus pais faleceram, Nicolau herdou uma grande fortuna. Mas considerou-se apenas administrador desses bens, cujos reais senhores se tornaram os pobres e os necessitados.
Bispo de Mira
Faleceu então o arcebispo de Mira. Os prelados da província e o clero elevavam fervorosas preces aos Céus, pedindo luzes para encontrar um digno sucessor. Como não chegavam a um acordo sobre a pessoa a escolher, por inspiração do alto, combinaram então que elegeriam bispo o primeiro cristão que entrasse na igreja no dia seguinte.
Ora, Nicolau tinha então se mudado de Patara para essa cidade, a fim de viver mais obscuramente. E pensou logo em visitar a igreja local. Assim, ignorando em absoluto o que fora combinado, franqueou bem de manhãzinha o umbral do templo, e foi logo apanhado e aclamado bispo. Embora resistisse, foi preciso ceder à vontade de Deus.
Desde então, “sua solicitude pastoral estendeu-se geralmente a todas as necessidades de seu povo. Cuidava dos pobres, dos doentes, dos prisioneiros, das viúvas e dos órfãos. Quando não podia assisti-los pessoalmente, fazia-os visitar e assistir por pessoas piedosas, a quem encarregava desses cuidados. Sua principal aplicação era conhecer as necessidades espirituais de seus fiéis e levar-lhes os remédios eficazes. [...] Pregava contra todos os vícios, e o fazia com uma eloqüência divina que o tornava vitorioso sobre todos os corações”[ii].
“‘Graças aos ensinamentos de Nicolau, a metrópole de Mira foi a única que não se contaminou com a heresia ariana, a qual ele rechaçou firmemente como se fosse um veneno mortal’, dizia São Metódio. O arianismo negava a divindade de Jesus Cristo. Do mesmo modo, São Nicolau combateu incansavelmente o paganismo”[iii].
Um biógrafo do santo, o arquimandrita (superior de um mosteiro na Igreja Oriental) Miguel, narra assim sua morte: “Havendo regido a Igreja metropolitana de Mira e embalsamado o país com o perfume de uma santíssima vida sacerdotal, trocou esta vida perecedoura pelo repouso eterno” por volta do ano 341[iv].
Túmulo de São Nicolau
Suas relíquias são preservadas na igreja de São Nicolau, em Bari, na Itália. E até hoje delas emana uma substância oleosa, conhecida como Maná de São Nicolau, que é altamente apreciada por seus poderes medicinais[v].
Com efeito, “em Mira se dizia que o ‘venerável corpo do bispo, embalsamado no azeite da virtude, transudava uma suave mirra que o preservava da corrupção, e curava os enfermos, para glória daquele que havia glorificado a Jesus Cristo, nosso verdadeiro Deus”[vi].
São Nicolau é muito venerado na Grécia e na Rússia, sendo o patrono de Moscou. Seu culto chegou à Itália quando mercadores italianos roubaram suas relíquias e as levaram para Bari em 1087. Daí seu culto chegou à Alemanha durante o reinado de Oton II (955-983), provavelmente porque sua esposa, Teófano, era grega. Nesse tempo, o bispo Reginaldo de Eichstaedt (+ 991) escreveu sua vida, que se tornou muito popular. São Nicolau tornou-se também o patrono de vários países da Europa, como Grécia, Rússia, Reino de Nápoles, Sicília, Lorena, e também de várias cidades da Itália, da Alemanha, da Áustria, da Bélgica, da Holanda e da Suíça.
Na Holanda ele é conhecido como Sinterklaas, sendo representado montado num cavalo branco, mitra sobre a cabeça e empunhando um báculo dourado. Ele cavalga sobre os telhados, acompanhado de seu escudeiro Pikkie, um mouro terrível que coloca num saco os meninos maus. São Nicolau visita as casas, perguntando: “Há aqui algum menino mau?” Todos respondem: “Não, Sinterklaas, aqui todos somos bons”. “Todos?” pergunta o bispo. “Sim, Sinterklaas”. Então o santo distribui bombons a todas as crianças. Quando há alguma que não se comportou bem durante o ano, em vez de bombom o santo dá-lhe um pedaço de carvão. O mesmo sucede no sul da Alemanha, onde ele é conhecido como Sankt Nikolaus.
Reações contra o Papai Noel
O Papai Noel comercializado não tem nada de cristão. Pelo contrário, é inteiramente pagão, tendo por isso se tornado tão popular numa época cada vez mais paganizada como a nossa.
Felizmente está ocorrendo em vários países, principalmente na Alemanha, uma sadia reação contra a intromissão do Papai Noel mercantilista nas festas natalinas, e um ressurgimento da tradição do Sinterklaas, cheia de encanto e inocência.
Esperemos que essa tão necessária reação apague esse clima mercantilista das festas de Natal contemporâneas e as transforme novamente na “noite feliz” em que nasceu o Salvador do Mundo para resgatar o gênero humano.



Notas:
[i] https://www.aciprensa.com/noticias/san-nicolas-o-santa-claus-6-diferencias-entre-el-santo-y-el-personaje-de-ficcion-47672/
[ii] Les Petits Bollandistes, Vies des Saints, Bloud et Barral, Libraires-Éditeurs, Paris, 1882, vol. XIV, p. 87.
[iv] Edelvives, El Santo de Cada Dia, Editorial Luis Vives, S.A., Saragoça, 1949, tomo VI, p. 369.
[v] Cfr. Michael T. Ott, Saint Nicholas of Myra, The Catholic Encyclopedia, CD Rom edition.


Nenhum comentário:

Postar um comentário