Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

"Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo"

Nossa Senhora em La Salette

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus tibi.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

REPARAÇÃO CONTRA INDIZÍVEL SACRILÉGIO FEITO AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO


“Por reverência a este Sacramento, ninguém o toque, sem que seja consagrado”


Raphael de la Trinité

Ensinamento invariável da Igreja
O Concílio de Trento definiu com precisão que Nosso Senhor Jesus Cristo está presente por inteiro e em cada uma das partes do Santíssimo Sacramento.

O mesmo Concílio ensinou infalivelmente: “Se alguém nega que, no venerável sacramento da Eucaristia, o Cristo todo está contido em cada espécie, e em cada parte de cada espécie, quando separados, seja anátema”.

Nosso Senhor está presente até na menor partícula da hóstia consagrada, assim como na menor gota do vinho consagrado.

Assim, a reverência que temos para com o Santíssimo Sacramento exige que tomemos todas as precauções para que nenhuma partícula da hóstia – por menor que seja – esteja exposta ao risco de profanação, sacrilégio, ou forma de adoração indevida.

Por esse motivo, Santo Tomás de Aquino ensinou que “por reverência a este Sacramento, ninguém o toque, sem que seja consagrado”. Deixa bem claro, desse modo, que não só os vasos sagrados do altar são consagrados para este propósito santo, mas que também as mãos do sacerdote são consagradas para tocar este Sacramento. Afirma, pois, o Doutro Angélico que não é lícito a mais ninguém tocá-lo, a não ser para salvá-lo da profanação. (E S. Thomas de Aquino, Summa, III, Q. 82. Art. 3)

Essa suma reverência ao Santíssimo Sacramento, e até mesmo em relação às menores partículas, está visivelmente presente na Missa tradicional, a qual continha rubricas rígidas e expressas sobre este ponto:

1) A partir do momento em que o sacerdote pronuncia as palavras da Consagração sobre a Sagrada Hóstia, o padre conserva o indicador e o polegar juntos em cada mão. Se ele eleva o cálice, ou vira as páginas do missal, ou abre o tabernáculo, o polegar e o dedo indicador de cada mão estão fechados. Nada toque o polegar e o indicador, exceto a Sagrada Hóstia;

2) Durante a Sagrada Comunhão, o acólito segura a patena sob o queixo daqueles que recebem a comunhão, de modo que não haja risco de que alguma partícula possa cair no chão. Esta patena, após a distribuição da Comunhão, é limpa (por assim dizer) no cálice, de modo que se fique acobertado do risco de que nela possa ter ficado qualquer fragmento;

3) Em seguida, o padre raspa o corporal (pequeno pano de linho usado no altar) com a patena, e passa-o no cálice, de modo que,na eventualidade de que alguma minúscula partícula ainda reste, seja a mesma recolhida e consumida pelo sacerdote;

4) Imediatamente após, o sacerdote lava o polegar e o indicador sobre o cálice com água e vinho, e esta água e vinho são consumidos com reverência, para assegurar que a menor partícula da Hóstia Sagrada não seja suscetível a profanação.

A tradição da Exposição do Santíssimo Sacramento
"Eu sou o pão da vida. Os vossos pais comeram o maná do deserto e morreram. Este é o pão que desce do céu, a fim de que quem o comer não morrera" (Gv6:48).

A Igreja lançou raízes profundas nos povos e é inegável que a civilização cristã deitou benfazeja influência na Terra inteira.

No momento mesmo em que seria traído, no ápice de sua aparente derrota, Nosso Senhor Jesus Cristo obtinha a vitória, pois ali o Homem-Deus nos cumulou com o Sacramento do divino amor: “Isto é o meu corpo”, “Este é o cálice do meu sangue”.

Para enriquecer o culto sagrado e preservar o Sacramento da Eucaristia de abusos, profanações e sacrilégios, surgiram costumes, leis e normas. O que transparece em torno de tais normas?

O respeito, a compostura, o espírito de piedade e devoção, certo modo de agir e de ser que atestam a nossa fé e o nosso amor na Presença Real de Nosso Senhor na Hóstia consagrada. Tudo feito com precisão, dignidade e elevação, pois se trata do culto ao verdadeiro Deus. Exemplos de culto eucarístico são as genuflexões, os ricos e adornados sacrários, os ostensórios, os cálices, as ambulas e as tecas para levar a comunhão aos enfermos. Até mesmo as patenas, utilizadas para evitar a queda de hóstias e de seus fragmentos no momento da distribuição da comunhão as fiéis, segundo mencionamos há pouco.

Aspecto mais belo e tocante do culto divino é a bênção solene do Santíssimo Sacramento. Doze velas são acesas no altar, seis de cada lado do sacrário. A sagrada Hóstia é colocada num rico ostensório. O sacerdote usa paramentos solenes, como a sobrepeliz, a estola, o pluvial e o véu umeral. Ele sustenta o ostensório e traça grande cruz sobre os fiéis ajoelhados, e depois reza e canta hinos de adoração. Enquanto isso, um acólito com o turíbulo incensa o Santíssimo Sacramento, enchendo o ambiente com um aroma perfumado que acaba por dominar suavemente todo o recinto. Aquela fumaça branca e odorífica se impregna na igreja inteira, podendo ser sentida até fora do edifício da Igreja.

*** * ***

“Hoje os leigos podem manusear os objetos sacros, inclusive o ostensório...” – sofisma grosseiro...

Quadro de desolação e de ruína
Infelizmente, com o clima que hoje reina na Igreja — em que sacrilégios, profanações e sem número de escândalos grassam impunes — sobreleva, não poucas vezes, à vista da comunhão na mão e da atuação dos chamados 'ministros' leigos da Eucaristia, uma como que paródia da Verdade Divina, relativamente a Jesus-Hóstia. Sim, quantos haverá que ainda creem, com firme certeza, de que Nosso Senhor está verdadeiramente presente na Santíssima Eucaristia, e até mesmo em cada minúsculo fragmento?

Destarte, em razão do descaso e 'simplificações' com que é tratado o Santíssimo Sacramento (o que avulta, numa infinidade de locais), é uma comédia burlesca, que tantas vezes vem à tona, mediante inaceitável menos cabo de todos os recursos usados pela Igreja, durante séculos, a fim de salvaguardar a Hóstia do menor risco de profanação, indignidade, irreverência ou inconveniência, mesmo por parte dos fieis.

Nenhuma autoridade da Igreja, nem mesmo a mais elevada, pode dispensar um católico do dever de preservar TODA a reverência devida a Jesus Sacramentado. Qualquer que seja a autoridade da Igreja, no momento em que utiliza o seu poder para diminuir, seja como for, o resguardo e cuidado extremos no culto devido ao Santíssimo Sacramento, age em sentido contrário ao ensinamento da Igreja, não devendo, portanto, ser obedecida.

Com efeito, 45 anos atrás, a Comunhão na mão constituía algo impensável em igrejas católicas, salvo em casos muito especiais.
Por ventura, Deus muda?

O dever de prestar o culto devido ao Divino Sacramento, revestido de toda a reverência e cuidado, é impostergável, imutável e imprescritível.

De fato, uma das facetas mais assombrosas da 'autodemolição' da Igreja (a que se referiu Paulo VI, já em 1968) assume uma clareza protuberante nesses clamorosos abusos.

O “Anjo da Eucaristia”
As aparições de Nossa Senhora em Fátima (1917) foram precedidas por três Aparições que Lúcia, Francisco e Jacinta tiveram do Anjo de Portugal, ou da Paz. Por meio dos colóquios com o Anjo, a Providência predispunha as crianças para o momento em que Nossa Senhora lhes falaria.

Uma dessas Aparições foi descrita pela Irmã Lúcia nos seguintes termos: “Depois de termos merendado, combinamos ir rezar na gruta, que ficava do outro lado do monte. […]. Logo que aí chegamos, de joelhos, com os rostos em terra, começamos a repetir a oração do Anjo: ‘Meu Deus! Eu creio, adoro, espero e amo-Vos!’ Etc. Não sei quantas vezes tínhamos repetido esta oração, quando vemos que sobre nós brilha uma luz desconhecida. Erguemo-nos para ver o que se passava, e vemos o Anjo tendo na mão esquerda um cálice, sobre o qual está suspensa uma Hóstia, da qual caem algumas gotas de Sangue dentro do cálice.

Deixando o cálice e a Hóstia suspensos no ar, o Anjo prostrou-se em terra junto às crianças e fê-las repetir três vezes a oração: ‘Santíssima Trindade, Pai, Filho, Espírito Santo, ofereço-Vos o Preciosíssimo Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Jesus Cristo, presente em todos os sacrários da Terra, em reparação dos ultrajes, sacrilégios e indiferenças com que Ele mesmo é ofendido. E pelos méritos infinitos de seu Santíssimo Coração [de Jesus] e do Coração Imaculado de Maria, peço-Vos a conversão dos pobres pecadores’. Depois, levantando-se, deu a Hóstia a Lúcia, e o cálice, deu-o a beber a Francisco e Jacinta, dizendo: ‘Tomai e bebei o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo, horrivelmente ultrajado pelos homens ingratos! Reparai os seus crimes e consolai o vosso Deus’”.
As palavras do Anjo produziram profunda impressão nas três crianças, as quais, a partir de então, começaram a expiar pelos pecadores por meio de sacrifícios e de uma assídua vida de oração.

*** * ***

À vista disso, pergunta-se: será este o estado de espírito reinante na imensa maioria dos templos católicos de hoje, em todo o mundo?
Contraste aterrador!

Que restou da verdadeira piedade eucarística, na atmosfera empestada de um vírus pior do que o HIV, que é o vírus do modernismo, o qual, décadas a fio, corrói a vida das almas, na Igreja?

O apóstolo da Eucaristia e o dever de reparação
A esse respeito, leiamos os ensinamentos de São Pedro Julião Eymard, fundador da Congregação do Santíssimo Sacramento. Saibamos repetir, junto com ele: Salve, ó Maria, de quem nasceu Jesus-Hóstia!

Palavras do grande santo: “(...) Não foi Ela quem nos deu a Eucaristia? Foi o seu consentimento à Encarnação do Verbo no seu seio que iniciou o grande mistério de reparação para com Deus e de união conosco que Jesus realizou durante sua vida mortal e continua agora no Santíssimo Sacramento.

Sem Maria não poderíamos ir a Jesus, porque Ela O possui em seu coração: aí é que Ele encontra as suas delícias, e todos que quiserem conhecer as virtudes íntimas de Jesus, seu amor recôndito e privilegiado, devem procurá-los no Coração de Maria; os que amam esta boa Mãe encontram Jesus em seu coração tão puro(...).
“Mas, se pertencemos ao Filho, também pertencemos à Mãe; se adoramos o Filho, devemos honrar a Mãe, e somos obrigados, para entrar plenamente na graça de nossa vocação, e nela permanecer, a prestar um culto especial à Santíssima Virgem como Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento (...)”.
[Excertos do livro: Mês de Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento Meditações extraídas dos escritos do Bem-Aventurado(*) Pedro Julião Eymard, o fundador da Congregação do Santíssimo Sacramento, 1946
(*) Sua canonização se deu em dezembro de 1962]

Em face dos escândalos perpetrados nos ambientes católicos, saibamos reagir, com horror e indignação sem medidas, começando porclamar ao Céu: Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento, rogai por nós.

Fazei cessar, Senhor, a “abominação da desolação” (Mateus 24:15) que penetrou até no altar santo!

Usque quo, Domine? 
Exsurge, Domine, quare obdormis? 


Nenhum comentário:

Postar um comentário