Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

"Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo"

Nossa Senhora em La Salette

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus tibi.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Vergonha: clero cristão saúda e se prostra ao Islã

O Imã Sali Salem recita um verso do Alcorão na Igreja de
Santa Maria em Trastevere, Roma, em 31 de julho de 2016. 
“Sim, aqueles que dizem ‘Deus é o Messias, filho de Maria’, são ímpios” (Alcorão V, 72)”

GIULIO MEOTTI
Há uma propensão cada vez mais preocupante na Itália e na Europa como um todo.
Pela primeira vez em mais de 700 anos, canções islâmicas ressoaram na Catedral de Florença, Igreja de Santa Maria del Fiore. Sob a famosa Cúpula de Brunelleschi, melodias islâmicas acompanhavam as cristãs. A "iniciativa inter-religiosa" foi promovida uma semana depois do massacre bárbaro cometido por terroristas islamistas em Paris contra a redação da revista Charlie Hebdo, incluindo "Alcorão é Justiça" e outros "cânticos" dessa natureza.
Em seguida, um padre no sul da Itália enfureceu paroquianos por ter vestido a Virgem Maria com uma burca muçulmana no presépio de Natal da sua igreja. O pastor da paróquia dos Santos Joaquim e Ana em Potenza, Padre Franco Corbo, disse que ele tinha construído a creche especial "em nome do diálogo entre as religiões". Estas iniciativas inter-religiosas baseiam-se na eliminação gradual da herança ocidental-cristã em favor do Islã.
Outro padre na Itália também acabou com o presépio de Natal no cemitério local porque isso "podia ofender os muçulmanos". O Padre Sante Braggiè disse que não haveria manjedoura no cemitério no norte da cidade de Cremona porque isso podia irritar as pessoas de outras religiões ou aqueles cujos parentes não estão enterrados naquele local:
"Um cantinho do cemitério está reservado para as sepulturas muçulmanas. Uma manjedoura posicionada no campo de visão daquelas sepulturas poderia ser visto como falta de respeito para com os seguidores de outras religiões, ferir as suscetibilidade dos muçulmanos, assim como dos indianos e até mesmo dos ateus".
Em Rebbio, a paróquia italiana de S. Martin estava se preparando para o final da missa. De repente, Nour Fayad, uma mulher usando um véu subiu no púlpito e começou a ler os versos do Alcorão que anunciam o nascimento de Cristo. A iniciativa de Dão Giusto della Valle tinha o propósito de mostrar "um gesto para o diálogo".
Logo depois em Rozano, perto de Milão, o Diretor Marco Parma cancelou o concerto de Natal da escola: ele decidiu proibir as tradicionais festividades na escola Garofani, "para não ofender ninguém".
Em julho, pela primeira vez durante uma missa na Itália, um verso do Alcorão foi recitado no altar. Isso aconteceu na Igreja de Santa Maria em Trastevere, Roma, na cerimônia em memória do Padre Jacques Hamel que foi assassinado por terroristas do ISIS na França. Enquanto os católicos recitavam o Credo, um representante da mesquita de al Azhar do Cairo repetia discretamente uma "oração islâmica para a paz".
Provavelmente o clero católico está desorientado por causa do próprio Papa Francisco, que foi o primeiro a permitir a leitura de orações islâmicas e leituras do Alcorão nas dependências mais importantes do mundo católico. Isso aconteceu quando o Papa Francisco se reuniu com o já falecido presidente israelense Shimon Peres e o presidente da Autoridade Palestina Mahmoud Abbas na Cidade do Vaticano, um encontro concebido "para rezar pela paz no Oriente Médio".
Desde que foi eleito Pontífice, o Papa Francisco passou muito tempo em mesquitas. Ele visitou inúmeros lugares de culto islâmico no exterior, como por exemplo na Turquia e na República Centro Africana, além disso ele também desejava ser o primeiro Papa a visitar a Grande Mesquita de Roma.
Quando se trata de Islã o Papa abraça o relativismo religioso. Ele vem reiterando que a violência islamista é obra de "um pequeno grupo de fundamentalistas" que, segundo ele, não têm nada a ver com o Islã. Quando perguntado sobre o porquê dele não se pronunciar em relação à violência islâmica, o Papa respondeu: "se eu falasse sobre a violência islâmica, eu teria que falar sobre a violência católica", ainda que seria extremamente difícil neste momento encontrar sacerdotes, freiras ou outros católicos plantando bombas em algum lugar em nome de Jesus Cristo.
Essa propensão vai muito além da Itália. No Reino Unido o Bispo Harries sugeriu que a coroação do Príncipe Charles deveria ser aberta com uma leitura do Alcorão. Nos Estados Unidos mais de 50 igrejas, incluindo a Catedral Nacional de Washington, realizam leituras do Alcorão. O Presidente da Igreja Evangélica da Alemanha Bispo Heinrich Bedford-Strohm também pediu que o Islã fosse lecionado nas escolas estaduais. Há leituras da liturgia cristã nas mesquitas?
Esses shows inter-religiosos também parecem nos cegar frente às leituras mais preocupantes do Alcorão nas igrejas cristãs, como as que ocorreram recentemente na Hagia Sophia de Istambul: pela primeira vez em 85 anos muçulmanos turcos leram um texto islâmico dentro da igreja oriental mais linda da cristandade. O objetivo disso, conforme atestam os projetos de lei enviados ao parlamento da Turquia é claro: islamizar a igreja que vinha sendo usada como museu desde 1935.
O silêncio dos cristãos não é tão claro assim: como é possível que um número tão ínfimo de líderes cristãos tenham levantado a voz diante desse ataque sem precedentes contra um monumento cristão? Será que organizaram tantas leituras do Alcorão em suas próprias igrejas de modo que agora eles veem como algo normal converter uma igreja em uma mesquita?
Depois do ataque terrorista ocorrido em uma igreja na Normandia em julho passado, o clero cristão abriu as portas de suas igrejas aos muçulmanos. Este gesto foi recebido como um divisor de águas no relacionamento das duas religiões. Contudo, de uma população de seis milhões de muçulmanos que residem na França, somente algumas centenas de muçulmanos participaram. Será que esse comparecimento é realmente representativo da opinião pública islâmica?
Estes gestos de boa vontade podem parecer um benefício inter-religioso, mas na realidade são uma perda ecumênica. Não seria melhor para os dirigentes da Igreja Católica dar início a um diálogo sincero com as comunidades islâmicas, com base em princípios como reciprocidade (se vocês construírem mesquitas na Europa, nós construiremos igrejas no Oriente Médio), proteção das minorias cristãs do Crescente e repúdio à teologia da jihad contra os "infiéis"?
Para o clero católico que abriu a porta da Catedral de Florença ao Islã, os muçulmanos irão proximamente preconizar a remoção de uma pintura na basílica: "Dante e a Divina Comédia" de Domenico di Michelino. Para extremistas muçulmanos, Dante é culpado de "blasfêmia": ele incluiu Maomé em seu Inferno poético. O Estado Islâmico não faz nenhum segredo sobre a sua disposição de atacar o túmulo de Dante na Itália. Outros lugares que estão na lista do ISIS são: a Basílica de São Marcos em Veneza e a Basílica de São Petrônio em Bolonha, ambas retratam cenas da Divina Comédia.
Fantasia? De modo algum. A organização italiana de direitos humanos Gherush92 que aconselha órgãos das Nações Unidas sobre os direitos humanos, já pediu a remoção de Dante do currículo escolar, porque teoricamente ele é "islamofóbico".
Nessa nova "correção" inter-religiosa, somente o Islã ganha. Os cristãos têm tudo a perder.

(Imagem: captura de tela de vídeo do La Stampa)

Giulio Meotti
, editor cultural do diário Il Foglio, é jornalista e escritor italiano.
Publicado no site do Gatestone Institute.
Tradução: Joseph Skilnik

Nenhum comentário:

Postar um comentário