Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

"Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo"

Nossa Senhora em La Salette

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus tibi.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

SE A CARIDADE MANDA AMAR OS PECADORES


"Odiai o erro, amai os que erram"

- Escreveu Santo Agostinho. Grande, sábia, admirável sentença. Entretanto, quantas aberrações, quantas traições, quantas capitulações vergonhosas se têm abusivamente cometido em nome dela!

Há pessoas cândidas — ou covardes — que imaginam as ideias como entes dotados de existência física própria e autônoma, os quais se incubariam misteriosamente nas pessoas. Segundo elas, pode-se mover guerra às ideias sem atacar as pessoas, mais ou menos como se pode combater a doença infecciosa sem atingir o doente, pois a guerra é tão somente contra o bacilo.

Este modo de ver, infelizmente muito generalizado em nossos dias, beneficia largamente nossos adversários, pois desarma toda a nossa reação.

A verdade e o erro não são algo de extrínseco ao espírito humano, como as fichas na gaveta de um fichário. A inteligência, pelo contrário, tende a assimilar este e aquela, por um processo que tem sido merecida e frequentemente comparado à digestão. Se alguém come pão ou carne, a digestão incorpora ao organismo uma parcela da substância desses alimentos, que ficam fazendo parte da pessoa. Analogamente, se alguém aceita uma doutrina, esta de tal maneira pode chegar a marcar sua personalidade, que se diria figurativamente que tal homem personifica aquela ideia. Como pretender destruir o pão já digerido por uma pessoa, sem ferir esta última em sua carne? E como se pode atacar uma ideia sem atingir em certa medida quem a personifica, quem ipso facto lhe dá vida, atualidade e possibilidades de difusão?

Não. A sentença de Santo Agostinho é de sentido óbvio. Ela preceitua que desejemos a humilhação e a derrota do erro, bem como a conversão e a salvação de quem erra. Ela recomenda que usemos, para com quem erra, de toda a suavidade possível. Ela não nos proíbe de utilizar, contra aquele que erra, uma justa severidade, quando isto se torna necessário para o bem da Igreja e a salvação das almas.
*** * ***
SE A CARIDADE MANDA AMAR OS PECADORES
Em artigo anterior (Ver "Catolicismo" Nº 34, de Outubro de 1953 ), prometemos apresentar a solução dada por S. Tomás de Aquino ao problema da legitimidade do ódio. Como lembramos, o romantismo generalizou entre nós brasileiros a falsa noção de que amar é sempre virtude, e odiar é sempre pecado.
S. Tomás nos mostra que, pelo contrario, o ódio pode ser por vezes um grave dever.

Orar e combater, essas são as ocupações do monge guerreiro, que consagrou toda a sua vida ao serviço da Igreja. Na oração, pede a Deus que o preserve, a si e aos justos, contra as investidas do demônio, do mundo e da carne; e que pelas vias da misericórdia reconduza à vida da graça os inimigos da Igreja. No momento do combate, extermina implacavelmente os ímpios para que não ponham a perder as almas resgatadas pelo sangue infinitamente precioso de Nosso Senhor Jesus Cristo. Amor e ódio são as duas virtudes de que o monge guerreiro é magnífico exemplo.
Publicando o próprio texto do Doutor Angélico ( Suma Teológica, IIa. IIae., a. 6 ), acompanhamo-lo de algumas notas destinadas a facilitar a aplicação dos princípios por ele ensinados, a casos concretos frequentemente verificados na vida quotidiana.
Para se aquilatar toda a importância deste texto, convém lembrar a autoridade de S. Tomás, não só enquanto teólogo máximo da Igreja, mas ainda como Santo, proposto à veneração e imitação dos fiéis.
Se os pecadores (1) devem ser amados (2) em razão da caridade (3).
Parece que, por motivo de caridade, não devem ser amados os pecadores:
1 - Com efeito, está dito nos Salmos ( Ps. 118, 13 ): "Odiei os iníquos". Ora, Davi tinha caridade. Logo, conforme a caridade, mais se deve odiar os pecadores do que amá-los.
2 - Ademais, "o amor se prova pelas obras", conforme diz S. Gregório na homilia de Pentecostes ( hom. 30 in Evang. ). Ora, os justos não praticam para com os pecadores obras de amor, mas obras que parecem ser de ódio, conforme aquilo dos Salmos ( Ps. 100, 8 ): "Pela manhã eu aniquilava todos os pecadores da terra". E o Senhor deu por preceito no Êxodo ( Ex. 22, 18 ): "Não suportarás que os maus vivam". Em conseqüência, segundo a caridade, não devem ser amados os pecadores.
3 - Além disso, é próprio à amizade que desejemos para os amigos o que é bom. Ora, os Santos, inspirados pela caridade, desejam o mal para os pecadores, conforme aquilo dos Salmos ( Ps. 9, 17 ): "Sejam precipitados no inferno os pecadores". Portanto, os pecadores não devem ser amados segundo a caridade.
4 - Acresce que é próprio de amigos alegrarem-se com as mesmas coisas e querer o mesmo. Porém a caridade não leva a querer o que querem os pecadores, nem a alegrar-se naquilo em que eles se alegram; antes pelo contrário. Portanto, não é conforme à caridade amar os pecadores.
5 - Por fim, é próprio dos amigos conviverem entre si, como se diz no livro VIII da Ética ( C. 5, n.3: S. Th. lect. 5 ).
Ora, não se deve conviver com os pecadores, conforme está escrito em II Cor. 6, 3: "Retirai-vos do meio deles". Logo, não se deve amar segundo a caridade, os pecadores.
— Porém, é em sentido contrário o que Santo Agostinho diz em I de Doct. Christ. ( cap. 30 ): "Amarás ao teu próximo", refere-se evidentemente a todos os homens. Ora, os pecadores não deixam de ser homens, pois o pecado não destrói a natureza. Logo, segundo a caridade, deve-se amar os pecadores.
— A esses argumentos respondo que se podem considerar nos pecadores dois aspectos: a natureza e a culpa. Segundo a natureza que receberam de Deus, são capazes de adquirir a bem-aventurança, sobre cuja comunicação se baseia a caridade, como ficou dito acima ( A.3; q.23, a. I, 5 ). E portanto, segundo sua natureza, os pecadores devem ser amados (4). Porém, sua culpa desagrada a Deus, e constitui impedimento para a beatitude. De onde, em razão de sua culpa, que os torna inimigos de Deus, devem ser odiados quaisquer pecadores, ainda que sejam pai, mãe, ou parentes, conforme S. Lucas 14, 26 (5). Devemos com efeito odiar nos pecadores o fato de que são pecadores, e amar neles o fato de que são homens, capazes de bem-aventurança (6). E nisto consiste amá-los verdadeiramente, conforme a caridade e por amor de Deus.
Ao primeiro argumento, pois, deve-se responder que o Profeta teve ódio aos iníquos enquanto iníquos, odiando sua iniqüidade (7), que é o que neles há de mal. É este o ódio perfeito, do qual o mesmo Profeta diz ( Ps. 138, 22 ): "Odiei-os com ódio perfeito". Pois pela mesma razão se deve odiar o que em alguém há de mal, e amar o que há de bom.
Por onde também este ódio perfeito pertence à caridade (8).
Ao segundo argumento responde-se que, como diz o Filósofo no livro IX da Ética ( C. 3, n. 3: S. Th. lect. 3 ): "Não devemos privar nossos amigos pecadores, dos benefícios da amizade, desde que haja esperança de que se emendem: porém mais se deve auxiliá-los a recuperar a virtude, do que o dinheiro que tenham perdido; tanto mais que a virtude é mais afim com a amizade do que o dinheiro (9). Mas, quando caem na mais profunda malícia e se tornam insanáveis (10) deve-se-lhes recusar um trato familiar de amigo. E portanto a pecadores tais, de quem mais se deve temer que prejudiquem a outros, do que se pode esperar que se emendem, a lei divina e humana manda que sejam mortos. — É o que faz o juiz, não por ódio deles, mas por um amor inspirado na caridade, amor este que prefere o bem público à vida de uma só pessoa. — Aliás, a morte imposta pelo juiz ao pecador é útil para este, pois se se converter lhe servirá de expiação para a culpa, e se não se converter porá termo à sua culpa tirando-lhe a possibilidade de pecar por mais tempo.
Ao terceiro se responde que as imprecações desse gênero contidas na Sagrada Escritura devem ser entendidas de três maneiras. Primeiramente, como prognóstico, e não como desejo: e assim se deve entender o “sejam os pecadores precipitados no inferno” no sentido de que “serão precipitados”. — Em segundo lugar, como desejo, de tal maneira que este não se refira à pena do homem, mas à justiça de quem castiga, conforme está escrito ( Ps. 57, 11 ): "Alegrar-se-á o justo quando vir a vingança". Pois o próprio Deus, quando pune, "não se alegra na perdição dos ímpios", como está dito no Livro da Sabedoria 1, 13, mas em Sua justiça: "pois Deus é justo, e ama a justiça" ( Ps. 10, 6 ). — Em terceiro lugar, enquanto o desejo se refere à eliminação da culpa, e não à pena (11). De tal maneira que os pecados sejam destruídos e os homens permaneçam.
Ao quarto argumento deve-se responder que amamos os pecadores, não porque queiramos o que eles querem, ou nos alegremos com o que os alegra: mas para fazer com que queiram o que queremos e se alegrem com o que nos alegra (12). Pelo que se lê em Jeremias 15, 19: "Eles se converterão a ti, e tu não te converterás a eles".
Ao quinto argumento responde-se que o convívio dos pecadores deve ser evitado pelos fracos, pois constitui para estes perigo iminente deixarem-se corromper. Quanto aos perfeitos (13), entretanto, cuja queda não é de se temer, é louvável que mantenham contato com os pecadores, para os converter. Assim, o Senhor comia e bebia com os pecadores segundo S. Mateus 9, 10-11. — Entretanto, o convívio dos pecadores deve ser evitado por todos, desde que signifique participação no pecado. Assim, está escrito em II Cor. 6, 17: "Retirai-vos do meio deles, e não toqueis no imundo", ou seja, a conformidade com o pecado (14).
NOTAS
(1) — S. Tomás trata, neste artigo, das disposições interiores que devemos ter em relação ao próximo. E para este efeito classifica os homens em dois grandes grupos, os justos e os pecadores. Como é obvio que devemos amar os justos, o assunto só dá margem a problemas no tocante ao amor que devemos ter aos pecadores.
Julgamos indispensável considerar, antes de prosseguir no estudo do texto do Doutor Angélico, a importância desta regra por ele estabelecida: o fato de alguém ser justo ou pecador influi a fundo na amizade que se lhe tem.
Como a isto se opõe o sentimentalismo brasileiro! Somos propensos a amar as pessoas porque nos tratam bem, porque nos são úteis, porque nos divertem, porque sua fisionomia nos agrada, porque estamos habituados há muito à sua companhia, porque são nossos parentes, etc., etc. E tal é em nosso ânimo o peso destas razões, que não tomamos na menor consideração um ponto essencial, que domina todo o assunto: esta pessoa é um justo ou um pecador?
Um mestre deve preferir os discípulos bem comportados, estudiosos, piedosos, a outros que, sem qualquer piedade, nem aplicação, nem disciplina, são exímios na arte de lisonjear e divertir os professores. Um pai deve preferir o filho bom, mas feio ou pouco inteligente a um filho brilhante, mas ímpio ou de vida impura. Entre os colegas, nossa admiração não deve ir para o mais engraçado, o de trato mais atraente, o mais rico ou o mais bem sucedido na vida, mas para o mais virtuoso. Não podemos dar a alguém o tesouro de nossa amizade sem saber se tal pessoa é, ou não, inimiga de Deus: o homem que vive em pecado grave é inimigo de Deus, e se amamos a Deus sobre todas as coisas não podemos amar indiferentemente os que O amam e os que O ofendem. O que diríamos de um filho que fosse amigo de pessoas que injuriam gravemente, injustamente, publicamente a seu pai? Pois é o que fazemos quando admitimos em nossa amizade apóstatas, fautores de heresia, gente desedificante, casais constituídos "no Uruguai", etc.
(2) — Amar não significa necessariamente sentir muita ternura, pois o verdadeiro amor reside essencialmente na vontade. Querer bem a alguém é querer seriamente para alguém tudo quanto segundo a reta razão e a fé lhe é bom: a graça de Deus e a salvação da alma primeiramente, e depois tudo quanto não desvie deste fim, antes a ele conduza. O amor se prova pelas obras. Pois se queremos seriamente o bem do próximo, externamos esta disposição de alma não só por palavras de afeto, e agrados - o que aliás é em si perfeitamente legítimo - mas ainda por meio de esforços e sacrifícios. Um tal amor deve ser votado também aos pecadores? É a questão de que trata aqui o Doutor Angélico.
(3) — A caridade é o amor de Deus acima de todas as coisas. A pergunta equivale pois a esta outra: uma vez que amamos a Deus sobre todas as coisas, devemos amar por amor de Deus os pecadores, que são Seus inimigos? 
(4) — A natureza humana é obra de Deus, e, pois, é boa. Logo, em tese, devemos amar a todos os homens, ainda os que não são capazes de mérito nem culpa como as crianças que não chegaram à idade da razão, os loucos ou débeis mentais de nascença, etc. Neste sentido, devemos amar - isto é querer o bem - aos pecadores, pois também são homens. Devemos pois desejar-lhes todo o bem, não porém do mesmo modo que aos justos, como adiante se verá.
(5) — O texto de S. Lucas diz: "se alguém vem a Mim, e não aborrece a seu pai e mãe, sua mulher e filhos, seus irmãos e irmãs, e ainda mesmo a sua vida, não pode ser Meu discípulo". É um engano supor que Nosso Senhor não ensinou o ódio. Há um ódio santo, que é uma virtude evangélica. Um amor que não gerasse ódio não seria amor. Com efeito, se amo alguém devo odiar aquilo que lhe traz, não bem, mas mal. E é este ódio santo, seus motivos, sua natureza, seus limites, que neste capítulo magnificamente se ensina.
(6) — Estas palavras constituem excelente comentário da norma de Santo Agostinho, tão sábia e contudo tantas vezes mal entendida: odiar o erro, amar os que erram ( Dilige Hominem, oderis vitium: Sermo 49,5 - P. L. 38, 323; Oderit vitium, amet hominem: De Civ. Dei, 1. 14, c. 6; Cum dilectione hominum et odio vitiorum: Epist. 211, 11 - P. L. 33, 962 ). Procura-se muito freqüentemente interpretar esta máxima como se o pecado estivesse no pecador à maneira de um livro numa estante. Pode-se detestar o livro sem ter a menor restrição contra a estante, pois embora uma coisa esteja dentro da outra é-lhe totalmente extrínseca. De onde se poderia odiar o erro sem odiar de nenhum modo o que erra. Ora, a realidade é outra. O erro está no que erra como a ferocidade está na fera. Uma pessoa atacada por um urso não pode defender-se dando um tiro na ferocidade, mas poupando o urso e aceitando-lhe o amplexo dos braços largamente abertos! São Tomás se exprime com uma clareza meridiana. O ódio deve incidir não só sobre o pecado considerado abstrato como também sobre a pessoa do pecador. Todavia não deve atingir toda essa pessoa: poupará sua natureza, que é boa, as qualidades que eventualmente tenha, e recairá sobre seus defeitos, por exemplo sua luxúria, sua impiedade ou sua falsidade. Mas, insistimos, não sobre a luxúria, a impiedade ou a falsidade em tese, mas sobre o pecador enquanto pessoa luxuriosa, ímpia ou falsa.
(7) — Vê-se que odiar a iniqüidade dos maus é o mesmo que odiar os maus enquanto são iníquos. Odiar os maus enquanto maus, odiá-los porque são maus, na medida da gravidade do mal que fazem, e durante todo o tempo em que perseverarem no mal. Assim, quanto maior o pecado, tanto maior o ódio dos justos. Neste sentido, devemos odiar principalmente os que pecam contra a fé, os que blasfemam contra Deus, os que arrastam os outros ao pecado, pois odeia-os particularmente a justiça de Deus. 
(8) — Não se trata de um ódio feito apenas de irascibilidade superficial. É um ódio ordenado, racional e, pois, virtuoso. Tal ódio "pertence à caridade". Assim, odiar reta e virtuosamente é ato de caridade! Como esta verdade chocaria um homem de "bom coração". 
(9) - Os pecadores são aqui divididos em duas categorias: os que dão esperança de emenda, e os que não dão. Aos primeiros deve-se odiar enquanto pecadores e amar enquanto homens, no seguinte sentido: 1) deve-se fazer todo o possível para que deixem o pecado; 2) mas enquanto perseveram no mal devem ser odiados.
Como é freqüente, na vida quotidiana, ouvir-se lamentar em termos cheios de compaixão uma pessoa que perdeu a fortuna. Seus amigos e parentes movem-se todos para a auxiliar a recuperar os haveres. E como é raro ouvir-se alguém lamentar com tristeza ainda maior que seu parente ou amigo tenha perdido a virtude! Como é psicológica a comparação do Santo Doutor!
Fazer tudo para que alguém recupere a virtude não é, nem pode ser palavra vã. É preciso aconselhar, insistir, falar com carinho, com simpatia, com severidade, é preciso sobretudo rezar e fazer penitência por aqueles que desejamos reconduzir à graça de Deus. Pois sem a oração e a penitência nada se consegue.
Às vezes, expomo-nos ao risco de perder a amizade de um pecador, à força de insistência. Desde que esta seja criteriosa, não nos atemorizemos diante deste sacrifício, que Deus saberá considerar. Uma das mais altas provas de afeto que podemos dar a alguém consiste em sacrificar sua amizade para auxiliar sua salvação. 
(10) — O pecador, em princípio, é sempre susceptível de emenda. Mas há pecadores tão aferrados ao mal que sua conversão só é de se esperar por uma graça muito especial. E como o muito especial é excepcional, evidentemente mais se deve recear que as almas nestas condições se percam, do que esperar que se salvem. E, de outro lado, é mais provável que arrastem outros ao pecado, do que se libertem das garras deste.
Estes pecadores continuam a merecer nosso amor, no sentido de que devemos rezar e sacrificar-nos para obter sua salvação, e não devemos deixar de os incitar à emenda. Mas não podemos ter com eles trato familiar e amistoso.
De resto, pelo mal que têm em si, e pelo risco a que expõem os inocentes, merecem a morte. O doutor Angélico dá disto a razão.
Até aí vai a severidade da doutrina da Igreja. E até aí vai também sua misericórdia. Pois aprovando a pena de morte quando justa, acompanha o condenado até o último momento, com suas preces, com as orações e sacrifícios das almas piedosas, e até de confrarias especialmente fundadas para tal. 
(11) - Quantas pessoas são incapazes de compreender que devemos desejar castigos para os pecadores que amamos - doenças, perseguições, pobreza - se este for o meio para os emendar e reconduzir à graça de Deus! 
(12) - O pecador quer o pecado, os ócios e larguezas que favorecem sua dissipação. Se odiamos o pecado e queremos a conversão do pecador, devemos desejar que lhe faltem todos os meios necessários para pecar. Assim, devemos apoiar todas as autoridades eclesiásticas, familiares, sociais, políticas, que trabalham por eliminar o que conduza os súditos ao pecado: má imprensa, mau radio, cinemas e teatros imorais, propaganda de doutrinas opostas à da Igreja, etc. 
(13) — "Enfermo" ou "fraco" é aqui o homem que por motivos especiais é particularmente sujeito ao pecado, e para quem constitui ocasião próxima o que para o comum das pessoas não o é. "Perfeito" é quem está em tal grau de virtude que arrosta obstáculos maiores que os do homem comum.
Em princípio, ninguém pode expor-se voluntariamente a ocasião próxima de pecado. E se em circunstâncias muito excepcionais uma pessoa reputada - não por si mesma, mas por um prudente diretor - especialmente forte arrosta riscos invulgares, é porque, no fundo para ela a ocasião de pecado não é próxima.
(14) — Deve-se evitar o convívio de pessoas de má vida, de costumes depravados, a freqüentação de lugares indecentes, pois nisto vai para quase todos uma ocasião próxima de pecado, e para todos uma coonestação do mal e um escândalo para os bons. 
Nossas figuras
O Clichê
Monumento funerário de D. Martim Vasquez de Arce, chamado o Donzel de Sigüenza, cavaleiro da ilustre Ordem religiosa e militar de Santiago da Espada - na Catedral de Sigüenza, Espanha - séc. XV.
As vinhetas
As quatro vinhetas originais continham dísticos que reproduzem algumas das palavras da Sagrada Escritura que exprimem ódio aos pecados:


Iníquos ódio habui - Odiei os iníquos ( Salmo 118, v.13 )
Mendaces, male bestiae - Mentirosos, bestas perversas ( Epístola de São Paulo a Tito, cap. 1, vers. 12 )
Ex patre diabolo estis - Sois filhos do demônio ( Evangelho de São João, cap.8, vers.44 ).
Increpa illos dure - Repreende-os com dureza ( Epístola de São Paulo a Tito, cap.1, vers.13 ).

Nenhum comentário:

Postar um comentário