Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

"Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo"

Nossa Senhora em La Salette

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus tibi.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Heresias I: judaizantes, gnosticismo, adocionismo, maniqueísmo e outras


"O homem não é Deus nem tem partícula divina. É absurdo argumentar isso. Não somos onipotentes, nem oniscientes, nem eternos."


Sermão para o 4º Domingo depois da Epifania
29.01.2017 – Padre Daniel Pinheiro, IBP
Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.
Ave Maria…
Nós temos hoje o Evangelho da tempestade acalmada. A barca em que está Jesus Cristo e seus discípulos significa a Igreja Católica Apostólica Romana. O mar é o mundo, no qual a Igreja se encontra, visível aos olhos de todos. Na tempestade agitada, podemos ver as perseguições que sofre a Igreja ao longo de toda a sua história.
A Igreja é perseguida de dois modos: pela violência externa, física. E aí temos os mártires, aqueles que aceitaram a morte para permanecerem fiéis a Nosso Senhor Jesus Cristo e à sua Igreja. Temos os mártires da antiguidade, os mártires no oriente, os mártires nas mãos dos muçulmanos, os mártires nas mãos dos protestantes e cismáticos, os mártires do comunismo na Espanha e na Europa do leste, os mártires do nazismo, os mártires do regime maçônico no México e tantos outros…
O outro modo de perseguir a Igreja é mais sutil e, em geral, perde mais almas: o erro doutrinário, as heresias. É delas que trataremos hoje. Alguns podem pensar que a Igreja, ao longo de sua história, viveu uma grande tranquilidade e que somente agora é que atravessa uma enorme crise e uma perseguição. Não é verdade. A Igreja, sendo o corpo místico de Cristo, é perseguida ao longo de toda a sua existência, a exemplo do próprio Cristo em sua vida pública. É muito útil conhecer algumas heresias ao longo dos séculos, para que não caiamos nelas novamente e para que melhor conheçamos a verdade. Os erros se repetem ao longo da história. Veja-se, por exemplo, a tentativa de conciliar práticas como a astrologia, entendida seja no sentido de prever o futuro seja como símbolo de forças que governam o mundo, com a religião católica. A adivinhação, pecado contra o primeiro mandamento, engloba querer prever o futuro ou conhecer coisas ocultas. Os erros se repetem com frequência, sob novas aparências.
Vejamos algumas dessas tempestades agitadas ao longo da história da Igreja. E também como, apesar de tudo, a Igreja continua a mesma na sua constituição e no seu ensinamento. Podemos tomar, primeiramente, o período que vai do ano 33 ao ano 325, ano do Concílio de Nicéia. A primeira heresia foi a heresia dos judaizantes, que afirmava a necessidade de se manter a lei mosaica, por exemplo, quanto à circuncisão, quanto aos alimentos, etc. Sendo a lei mosaica uma figura do Messias, praticá-la significa, ao fundo, que o Messias ainda não veio. Praticar a lei mosaica é negar que Cristo seja o messias. Heresia condenada no Concílio de Jerusalém, feito pelos apóstolos, no ano 49.
Em seguida, nos primeiros séculos do cristianismo, desenvolveu-se a heresia do gnosticismo, que diz existir uma religião externa para a pessoa comum e um conhecimento mais profundo, do qual essa religião é símbolo. Esse conhecimento seria reservado a alguns apenas. O gnosticismo afirma a divindade do homem, que teria em si uma partícula divina. Nessa heresia, trata-se de levar uma classe de homens superiores ao conhecimento da própria divindade, a reconhecer a própria identidade com Deus. Isso se faz por conhecimentos esotéricos e práticas esotéricas, reservados a alguns, por meios de simbolismos, por exemplo, astrologia, numerologia, hipnose, às vezes, e outras práticas. Gnosticismo que afirma também o dualismo, quer dizer, a oposição entre a alma e a matéria. A matéria é ruim. O espírito é bom. E afirma a existência de dois princípios equivalentes o bem absoluto e o mal absoluto. Quantos erros, mas bem presentes em nossa sociedade e que alguns tentam reavivar sob a roupagem de certa filosofia ou espiritualismo. Esse erro da gnose é o mais pérfido, o mais enganador e aquele que mais subiste ao longo da história, pois é realmente uma caricatura do cristianismo. O pecado original é o homem acreditar que é divino: “Se comerdes desse fruto, sereis como deuses, conhecendo o bem e o mal”, diz o demônio a Eva, que come o fruto, apesar da clara falsidade da proposição. O gnosticismo e seu erro de fundo, a gnose, é absurdo, é uma grande mentira, mas seduz os homens de diferentes maneiras, sobretudo pela sua pretensão de dar uma explicação inteligente, “filosófica” da religião. Philip Hughes, historiador da Igreja, diz que o gnosticismo não desapareceu ao longo da história e que não é fantasia que uma corrente subterrânea do gnosticismo persiste através dos tempos. E de tempos em tempos ela aparece sobre a terra com mais clareza.
A Igreja sempre se opôs e sempre se oporá a tudo isso. A verdade não é isso. O homem não é Deus nem tem partícula divina. É absurdo argumentar isso. Não somos onipotentes, nem oniscientes, nem eternos. Adquirimos, por exemplo, inúmeras perfeições ao longo de nossa vida. Deus já tem todas elas. Nosso Senhor Jesus Cristo e Sua Igreja nunca transmitiram um conhecimento escondido. O que vos é dito aos ouvidos, pregai sobre os telhados, diz Nosso Senhor. O verdadeiro conhecimento nos vem pela fé, pela doutrina ensinada pela Igreja católica. A matéria é boa, tendo sido criada por Deus e não se opõe ao espírito, mas auxilia a nossa alma, bastando ser bem ordenada. O mal absoluto não existe, ao contrário do que prega o gnosticismo. O mal é ausência de ser. O mal absoluto seria a total ausência de ser, quer dizer, não existiria. O demônio não é princípio equivalente a Deus ou quase equivalente, mas é uma pobre criatura, com grande capacidade, mas que nada pode fazer sem a permissão de Deus, que permite os males para que deles venham um bem superior, como permitiu o pecado original para que daí viesse a Encarnação do Verbo. Não somos deuses nem temos uma centelha divina em nós. Podemos participar e nos assemelhar a Deus pela graça santificante, mas nunca nos identificar com Ele ou nos deificar no sentido estrito, mas permanecemos inteiramente seres humanos, pobres criaturas. Não existe uma religião para a pessoa comum e uma outra reservada a poucos. A doutrina católica é uma só para todos.
Temos também a heresia do subordinacionismo, que afirma que o Verbo, a segunda pessoa da Santíssima Trindade, não é propriamente Deus, mas uma criatura excelente, intermediária entre Deus e o mundo, subordinada a Deus, donde o nome da heresia. Nega a divindade de Jesus Cristo e a Trindade das pessoas, ambas claramente afirmadas no Evangelho e confirmadas por Deus pelos milagres. Essa foi uma grave heresia que existiu ao longo dos séculos II e III.
Outro erro dessa época foi o Montanismo, uma heresia de fanáticos profetas (falsos), de iluminados e visionários que queriam independência quanto às autoridades eclesiásticas. Com pretensos êxtases e dons do Espírito Santo. Montano, em torno do ano 170, se dizia iluminado e movido pelo Espírito Santo. Esperavam o fim próximo do mundo, como muitos hoje. Entregavam-se a um rigorismo descabido: proibição de segundo casamento após a morte do cônjuge, aversão ao casamento pura e simplesmente, uma mortificação exagerada, irracional, proibição de se esconder nas perseguições, afirmação de que certos pecados não poderiam ser perdoados, a proibição de qualquer ornamentação para as mulheres. O erro da heresia é evidente: querer saber com precisão o fim do mundo, falsos dons recebidos do Espírito Santo, rigorismo infundado. Infelizmente, Tertuliano, que havia muito bem defendido a fé católica, deixou-se levar por esse erro grave. Ninguém está imune de cair, se não vigiar e evitar os perigos para a fé. Quanto se arriscam, por exemplo, aqueles que leem autores cheios de erros dizendo que levam em consideração somente o que é bom. Mas nem critério têm para saber o que é bom.
 Em seguida, a heresia do adocionismo, que afirma que Nosso Senhor Jesus Cristo não é o Filho de Deus segundo a natureza, ou seja, afirma que ele não tem a natureza divina, mas afirma que Cristo é somente filho adotivo de Deus, o filho adotivo mais perfeito, mas somente filho adotivo. Teodoto de Bizâncio sustentava essa gravíssima heresia no ano de 190. Paulo de Samósata, em torno do ano 260, professou esse mesmo erro. Ora, Cristo é verdadeiramente homem e verdadeiramente Deus. E, em Cristo, as duas naturezas se unem na pessoa divina do Verbo. De forma que Jesus Cristo é Filho de Deus segundo a natureza, tem a mesma natureza de Deus. É Deus de Deus, Deus Verdadeiro de Deus Verdadeiro. Não se pode dizer nem mesmo que Cristo é filho adotivo de Deus segundo a sua natureza humana, pois a filiação se refere à pessoa de Cristo e a pessoa de Cristo é divina. Nós é que somos filhos adotivos, pois não temos a mesma natureza que Deus, apenas podemos participar da vida divina pela graça santificante.
Outra heresia é o modalismo, professado por Sabélius, que viveu em torno do ano 200. O modalismo afirma que o Pai, o Filho e o Espírito Santo não são pessoas distintas, mas apenas modos de se manifestar da mesma pessoa divina, o Pai. Assim, não há três pessoas divinas e um só Deus, mas apenas uma pessoa divina, o Pai, que teria sofrido na cruz. Esse sofrimento de Deus Pai na cruz dá nome a uma variante dessa heresia, chamada de patripassionismo: o Pai e não o Filho teria sofrido na cruz. As duas heresias negam a divindade de Cristo e trindade das Pessoas.
Finalmente, nesse primeiro período das heresias, podemos considerar o maniqueísmo, que vem de Mani, nascido em 216, oriundo da Persa, mas formado também na Índia. Mani afirmava que as religiões eram complementares, chamava-se o “apóstolo de Jesus Cristo” e o intérprete de Buda. Unia as diferentes “tradições religiosas”, negando um princípio básico, que é o princípio de não contradição. O maniqueísmo é uma manifestação da gnose, que vai serpenteando ao longo da história, aparecendo com mais intensidade em alguns momentos, principalmente em momento de crise da sociedade, como o que vivemos hoje, por exemplo. Os princípios são basicamente os mesmos do gnosticismo que explicamos há pouco. O esquema é o mesmo: dois princípios equivalentes, um bom e outro mau. A oposição entre os dois princípios, sendo que o mau seria criador da matéria e o bom do mundo espiritual. O maniqueísmo afirma também o aprisionamento da partícula divina na matéria, o que é particularmente absurdo, como se a divindade pudesse ser presa por algo. Afirma a identificação com a divindade por meio de um conhecimento esotérico (às vezes tratado como um conhecimento de si mesmo), reservado a alguns e que pode ser atingido por certa filosofia, e por certas práticas como a astrologia, numerologia, e outras. Santo Agostinho deixou-se levar muito tempo por esse gravíssimo erro, pela aparente erudição de membros da seita, pela falaciosa ciência astrológica e outras ciências a que às vezes chamam de “tradicionais” (alquimia, por exemplo). Erro que vai combater vigorosamente depois de conhecer a Verdade, depois, então, de conhecer realmente Nosso Senhor Jesus Cristo e sua Igreja, a Católica. Muitos se deixaram levar por essas fábulas, apresentadas sob capa de erudição. Santo Agostinho diz que, em Roma, havia vários maniqueus ocultos entre os cristãos, por exemplo. Ainda hoje assim acontece: muitos se deixam levar por essas fábulas ou sob capa de erudição, de política ou filosofia, falsa, é claro.
Podemos ver, então, caros católicos, nesse primeiro período, o quanto a Igreja foi atacada pelos erros, pelas heresias. Heresias que queriam a manutenção da religião judaica, como se Cristo, no fundo, não fosse o Messias. Heresias que negavam a Santíssima Trindade, como o modalismo. Heresias que negavam a divindade de Cristo, como o adocionismo, o subordinacionismo. Heresia de certos falsos profetas, visionários e iluminados, com pretensos dons do Espírito Santo, que afirmavam a independência da autoridade, que afirmavam a impossibilidade do perdão de certos pecados e que professavam um rigorismo irracional. A gnose sob formas distintas, com suas práticas esotéricas. Desde sempre a Igreja permaneceu firme face a esses erros gravíssimos. Ela sempre afirmou a Trindade das pessoas divinas e a divindade e humanidade de Cristo. A Igreja sempre recusou qualquer forma de gnose e de esoterismo e suas práticas e ciências. A Igreja sempre recusou uma suposta religião oculta como base das diferentes religiões. E sempre continuará assim. Existe uma única religião verdadeira e que todos podem conhecer: a católica. Esses erros continuam sendo erros hoje. Ao longo dessas tempestades agitadas, com a Igreja, estava Nosso Senhor Jesus Cristo, não permitindo que ela se afastasse da verdade, mas assistindo a Igreja para que ela permanecesse fiel a Nosso Senhor Jesus Cristo em seus ensinamentos. E assim permaneceu a Igreja e assim permanecerá sempre: fiel, em seu magistério infalível, àquilo que Nosso Senhor Jesus Cristo ensinou. A Igreja não perecerá. E, mesmo sabendo disso, devemos rezar e pedir ajuda ao Senhor, face a tantos erros, vindos de todos os lados. Peçamos a ajuda de Cristo para que, permanecendo fiéis à Igreja Católica e à sua doutrina constante, não pereçamos nós.
Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.
Algumas fontes:
Santo Agostinho. Confissões.
Philip Hughes. História da Igreja Católica.
Pietro Parente. Dizionario di Teologia Dommatica.
Bernardino Llorca. Manuel de História Eclesiástica.
Richard M. Hogan. Dissent from the Creed. Heresies past and present.


Artigos relacionados:
Heresias IV: iconoclastia e heresia de Berengário de Tours
Heresias V: cátaros, fraticelli, Wycliffe e Hus

Heresias VI: Lutero


Nenhum comentário:

Postar um comentário