Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

"Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo"

Nossa Senhora em La Salette

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus tibi.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

domingo, 4 de junho de 2017

Festa e Oitava de Pentecostes


Vem, ó Santo Espírito, Vibra do átrio célico, Teus doces clarões”.


CICLO DE PENTECOSTES: MISTÉRIO DA SANTIFICAÇÃO
2. Celebração: Festa e Oitava de Pentecostes
Pentecostes, palavra grega que significa “cinquenta dias”, é a comemoração da vinda do Espírito Santo sobre os Apóstolos, que se deu precisamente cinquenta dias após a Ressurreição do Senhor. Remonta aos tempos apostólicos ou de seus imediatos sucessores a festa de Pentecostes. Adquiriu importância bem mais acentuada no século IV, quando se introduziu o uso de conferir, na Vigília de Pentecostes, o Batismo e a Crisma aos catecúmenos que for qualquer motivo não tinham podido recebe-los no Sábado Santo.
O jejum das Têmporas, na semana de Pentecostes, conforme se estabeleceu no século V, estava em aberto contraste como caráter festivo do Tempo Pascal. Transferiu-se por isso, pouco mais tarde, para a semana sucessiva. São Gregório VII, porém, restabeleceu o antigo costume, fundindo os dois ofícios da Oitava e das Têmporas: nota-se o acentuado caráter festivo da Missa, com paramentos vermelhos, o Glória e o Alleluja, com a supressão do Flectuamos genua; e ao mesmo tempo o caráter penitencial das duas Lições da quarta-feira e das seis do sábado.
Comentário dogmático – Assim como a Páscoa era uma festa judaica que lembrava a saída do Egito, Pentecostes, cinquenta dias após, o era também e recordava a promulgação da Lei de Deus no Monte Sinai: era a festa de ação de graça pela colheita das primícias. No dia da Páscoa dosa judeus, Cristo ressurgiu dos mortos; no dia de Pentecostes, o Espírito Santo veio aplicar aos membros da Igreja os frutos da Redenção.
Desses dois fatos capitais da história do Cristianismo, ambos realizados no “primeiro dia da semana”, teve origem a consagração do domingo como Dia do Senhor.
Pentecostes lembra, portanto, três acontecimentos de excepcional importância: a descida visível do espírito Santo em forma de língua de fogo, para indicar a caridade que ele vinha acender no coração dos fiéis; a promulgação solene da lei cristã e do Evangelho, que foram anunciados aos homens por meio da palavra, simbolizada nas línguas de fogo; e o início ou as primícias da Igreja, que foram os três mil convertidos no primeiro sermão de São Pedro.
A Igreja é o Corpo Místico, do qual Cristo é a Cabeça, e do qual são membros todos os santos do céu, as almas do Purgatório e os que na terra possuem o caráter batismal. A alma desse Corpo Místico é o Espírito Santo que o vivifica, comunicando-lhe a graça, que é a vida divina merecida por Jesus em favor de seus fiéis.
A multíplice ação do Espírito Santo na Igreja e nas almas é indicada pelos diversos nomes que lhe são dados. Eis alguns entre muitos: o Consolador ou Paráclito, o Espírito da Verdade, o Dom de Deus, o Prometido do Pai, a Fonte da Vida, o Fogo, a Caridade, o Amor, o Hóspede Divino, o Refrigério e o Conforto das Almas.
Ensinamento ascético – Pentecoste não é simplesmente uma lembrança histórica. É uma realidade atual de todos os dias e momentos. A ação santificadora do Espírito Santo, que dez dias após a Ascensão do Senhor se manifestou visivelmente com prodígios e fatos extraordinários, renova-se continuamente nos corações. O Divino Hóspede vem morar em nós, para ajudar-nos, iluminar-nos e fortificar-nos. Cada aumento de graça santificante é uma como nova descida do Espírito Santo no íntimo dos fiéis.
Guardemo-nos, aconselha São Paulo, de “extinguir o Espírito Santo” em nós, o que acontece quando o expulsamos com o pecado mortal, ou lhe damos desgosto com o pecado venial e com a infidelidade a suas divinas inspirações.
Procuremos nutrir verdadeira e constante devoção ao Espírito Santo, na oração fervorosa e no recolhimento e união com Deus.
Esforcemo-nos por viver na humildade, isto é, na convicção de que sem Deus nada podemos. Apresentemo-nos ao Espírito Santo sempre acompanhados de sua Esposa Imaculada, a Virgem Santíssima.
Sejamos gratos ao Espírito Santo. Seja perene o nosso reconhecimento pelos inumeráveis e ininterruptos benefícios com que nos favorece.
Caráter litúrgico – Na Vigília, na Festa e durante a Oitava de Pentecostes usam-se paramentos vermelhos, que simbolizam as línguas de fogo que desceram sobre os Apóstolos e a caridade para com Deus, que os fiéis devem testemunhar com a própria vida cristã, e , quando necessária, com o próprio sangue, no martírio.
Em muitas igrejas da Itália e da França, introduziu-se, na Idade Média, o uso característico de lançar, do alto da cúpula, uma chuva de rosas vermelhas sobre a nave central, simbolizando a descida do Espírito Paráclito em forma de línguas de fogo. Dessa função, que se fazia durante o canto da Sequencia da Missa, teve origem o nome de “Páscoa das Rosas”, que no século XIII se dava às festa de Pentecostes. Em Roma a simbólica função antecipava-se para o domingo depois da Ascensão e se fazia no Panteão, onde nesse domingo o Papa celebrava.
Noutros lugares soltavam-se pombas no interior da igreja, para lembrar a primeira manifestação do Espírito Santo no batismo de Jesus. Durante a Missa, às vezes, ressoava a trombeta, como recordação das trombetas do Sinai e do fragor com que se manifestou o Espírito Santo no dia de Pentecostes.
DOMINGO DE PENTECOSTES
Duplo de I classe, com oitava – Param. vermelhos
Estação de São Pedro
Jesus, “elevando ao mais alto dos céus e assentando à destra do Pai”, difundi neste dia sobre seus filhos de adoção o espírito Santo prometido (Pref.). Foi a mais solene e a mais estrepitosa manifestação do Paráclito, o qual desceu em sua plenitude sobre os Apóstolos (Or., lição, Com.) que foram iluminados a respeito de todas as verdades, santificados pela graça e revestidos de força sobrenatural.
Na Missa e na Comunhão revivemos de modo invisível os frutos do Pentecostes. O Espírito Santo, descendo e nós com sua graça (Com.), arrefece os ardores das paixões, enche o coração de sua força e caridade (Pós-com.), lançando nele os germes de todas as virtudes.

Missal Romano Cotidiano Latim-Português – Edições Paulinas – 1959”

Nenhum comentário:

Postar um comentário