Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

O que é, afinal, religião?

“Abrirei os lábios, pronunciarei sentenças, desvendarei os mistérios das origens.” (Salmo 77, 2)

Introdução: Cristo desvenda os mistérios
É certo que o Antigo Testamento nos revela que Deus, outrora, falou a homens escolhidos por Ele, para que estes falassem, enquanto emissários, aquilo lhes era necessário conhecer.
Abraão, Moisés, Ezequiel, dentre outros, foram, nos tempos “preparatórios” e “precedentes” da “plenitude dos tempos” os emissários escolhidos dentre um povo que seria, futuramente, a cepa de onde viria Aquele que é, ao mesmo tempo, quem Se revela e o próprio conteúdo da revelação: O Messias. Deus então sela a Antiga Aliança (ou a primeira) com os patriarcas visando estabelecer com o povo judeu as bases necessárias para a vinda d’Aquele que revogaria a Antiga Aliança, estabelecendo a Nova, levando a Lei e os Profetas à perfeição.
O versículo 2 do salmo 77 refere-se a Cristo: Rei, Profeta, Mensagem e Redentor. A Verdade se revela a Si mesma na Pessoa Divina de Jesus Cristo. Ele, o Verbo, anuncia-Se e revela-Se a Si mesmo. Ele é quem desvenda os mistérios. O caminho a verdade e a vida capazes, com exclusão de todos os demais supostos caminhos, de religar a criatura decaída ao seu Criador.
Foi para isto que Jesus nasceu e viveu entre nós, segundo Sua inefável natureza humana. Para nos revelar os mistérios escondidos desde a criação do mundo e religar o que estava à deriva.
Conceito e etimologia da palavra religião
O conceito católico de religião (do latim religio), consiste no laço de piedade que cuja função é “religar” os seres humanos a Deus. Tal marco se define já no século III por Lactâncio, um autor destacado entre os primeiros cristãos que se tornou um conselheiro do primeiro imperador romano Constantino I. Lactâncio, portanto, rechaça a significação do termo religião cunhada pelo filósofo romano pagão Cícero (106–43 a.C.), que via na religião nada mais que uma virtude pessoal que caracterizava uma forma de fidelidade aos deuses.
Lactâcio, descortina o verdadeiro significado da expressão, fixando sua vinculação etimológica à palavra grega religio, o que foi chancelado posteriormente por Santo Agostinho, na obra “De vera religione”, onde o Santo Doutor reafirma interpretação de Lactâncio, estabelecendo em definitivo a relação existente entre religio e religar. Nada mais, portanto, conforme à Revelação e a Sã Doutrina.
Sendo assim, a religião não é uma opção, mas uma necessidade intrínseca da criatura racional, sem a qual esta não se realiza. Pelo contrário, vagueia sem propósito e perdida seguindo em direção ao nada.
Necessidade de religar-se a Deus Pai e Criador
Somente pela fé, dom gratuito de Deus, é possível aquilatar e dimensionar esta afirmação: a criatura humana tem necessidade de religar-se a seu criador.
Antes de mais nada é preciso fazer uma distinção, diferenciando dois verbos que parecem próximos, mas que na realidade não são: necessitar x precisar. Desse modo, quando digo que necessito de algo, estou afirmando que não posso “viver sem esse algo”, ao passo que, quando afirmo que preciso de alfo, estou afirmando que “esse algo me seria agradável, porém, dispensável”. Então é isso, não posso viver sem ter acesso aquilo que “necessito”, ao passo que, com relação ao que “preciso”, a carência é meramente circunstancial e não substancial. Ou seja, algo de que precisamos pode, hoje ou amanhã, ser dispensável.
Por outro lado – e aqui é o ponto central e “necessário” da argumentação -, quando contextualizo, no âmbito da fé e da salvação eterna das almas, a diferença de significado entre necessidade e precisão a distância entre os termos se agiganta. Ao afirmarmos, à luz da fé, que necessitamos religar-nos a Deus, estamos na verdade afirmando que “não podemos viver e se realizar enquanto criatura sem Ele”. Trata-se, portanto, de uma relação ineludível, inquebrantável, da qual não se pode escapar. Na verdade, quando São Paulo, ao afirmar que em Deus “nós somos, existimos e nos movemos”, descortina a verdade necessária acerca da inefável relação que existe entre o Pai e Sua Criação. Trata-se de uma relação, portanto, de dependência absoluta e não relativa.
Segundo o Pe. Reginald Garrigou-Lagrange, grande teólogo tomista, Deus Nosso Senhor É o Bem Absoluto e, por isso, detém, natural e sobrenaturalmente, Direitos Imprescritíveis, quer dizer, Eternos, sobre nós, Suas criaturas. Ele é o único “Pão” capaz de saciar a nossa fome no estado de termo. E foi exatamente isto que Nosso Senhor Jesus Cristo nos revelou.
Salvar-se, portanto, é religar-se a Deus através do Cristo e de Sua Igreja, sendo esta nossa meta enquanto viajantes neste mundo que passa.
Jesus Cristo funda o Reino de Deus na Terra: A Igreja Católica detentora da verdadeira religião.
Chegamos ao ponto no qual já podemos afirmar e definir o verdadeiro e católico significado da palavra religião, com todas as implicações práticas imagináveis à criatura humana.
Religião é religar-se a Deus, através de Seu Cristo, segundo as normas e as regras que, para além de um mero conjunto de preceitos estanques no tempo, repercutem na eternidade e, ao fim e ao cabo na plena realização das criaturas racionais. Portanto, o Anunciante da Verdade, que não se trata de um mero emissário, mas o próprio Rei, interessado primeiro na transmissão da mensagem, É Cristo Nosso Senhor. Este anúncio, que se inicia com a Revelação no Antigo Testamento, culminando, na plenitude dos tempos, com a Encarnação, a partir da qual Nosso Senhor inaugura e estabelece, ao mesmo tempo, a Nova e Definitiva Aliança.
Então, religar-se e imiscuir-se, por Graça de Deus, no Reino que Nosso Senhor fundou na terra. É amar o Rei, Seu Reino e as regras que fazem parte da dinâmica desse reino, trajando-se com as vestes certas, auxiliados pelos Sacramentos. Tudo em conformidade com nossa natureza e sua imutabilidade, que se revela através da Sã Doutrina, a qual, por reta razão exclui as “opiniões” humanas. Não se trata a verdadeira religião, portanto, de meros enunciados morais estanques e sem fundamento teológico-metafísico-racional. Aliás, o moralismo puro farisaico foi veemente e definitivamente condenado por Nosso Senhor.
Não se pode ir a Deus sem passar pelo Reino, em obediência ao Rei. Donde se pode afirmar que o subjetivismo pós-conciliar é agnóstico, não conhece e não aceita que há uma Verdade, mas antes, funda-se em experiências individuais, apartadas da Revelação, transformando as opiniões e sentimentos, impressões e subjetivismos em ferramental de suas temerárias especulações.
Enfim, A Verdadeira Religião consiste na adesão total – com todo coração, entendimento, alma, vontade e inteligência – à Sã Doutrina e aos Dogmas Imutáveis, posto que a restauração da natureza decaída somente se dará com o retorno, in totum, dessa mesma natureza ao projeto original de Deus Nosso Senhor, Amando-O, Conhecendo-O e Servindo-O, em contrapartida ao ato D’aquele que primeiro nos amou.
Por Frederico Silva – Leigo Católico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de fazer seu comentário, leia: Todo comentário é moderado. Não serão permitidos comentários anônimos sem que contenha a identificação do autor. Comentários ofensivos contra a Santa Madre Igreja não serão aceitos. Comentários de hereges, de pessoas que se dizem ateus, infiéis, de comunistas só serão aceitos se estiverem buscando a conversão e a fuga do erro. De pessoas que defendem doutrinas contra a Verdade revelada, a moral católicas, apoio a grupos ou idéias que ferem, denigrem, agridem,cometem sacrilégios a Deus Pai, Deus Filho, Deus Espírito Santo, a Mãe de Deus, seus Anjos, Santos, ao clero, as instituições católicas também não serão aceitos.