Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Meu Senhor e meu Deus!


“A Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo não foi disposta para ser presenciada pelo povo em geral, mas apenas por algumas testemunhas previamente escolhidas

Pe. David Francisquini
Pode parecer surpreendente, mas a Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo não foi disposta para ser presenciada pelo povo em geral, mas apenas por algumas testemunhas previamente escolhidas, como os apóstolos e os discípulos.
Ao contrário da Paixão de Cristo, que, como afirma Santo Tomás de Aquino, foi manifestada a todo o povo e transcorreu numa natureza passível, mortal, conhecida de todos pela lei comum, como ele descreve em sua Suma Teológica.
Como a Ressurreição se operou para glória do Pai, não convinha por isso que fosse revelada a todos, mas somente àqueles que tinham a missão de difundir a Boa Nova por toda a Terra.
Não há prova tão convincente da divindade de Jesus Cristo quanto à sua Ressurreição gloriosa três dias depois de ter padecido e morrido na Cruz. A verdade da Ressurreição — sem a qual, segundo São Paulo, nossa fé seria vã — transparece nas páginas dos Evangelhos que narram o aparecimento de Jesus Cristo a seus discípulos, falando, comendo e bebendo com eles, além de oferecer seu divino Corpo para ser tocado, bem como mostrando o sinal dos cravos.
Os discípulos ficaram reluzentes de alegria e júbilo incontido. Não lhes restavam dúvidas de que Cristo ressurgira dos mortos. Mais ainda. Pode-se dizer que a Ressurreição foi gloriosa, pois Cristo não quis conviver com os seus fiéis discípulos como outrora, mas aparecendo-lhes de quando em quando, para não dar a entender que seu corpo era mortal, mas um corpo imortal.
Nisso, a verdade da Ressurreição apresenta um esplendor que nos confirma na fé e na esperança de podermos contemplar Jesus Cristo um dia no Céu. Na verdade, ao ressuscitar impassível, glorioso e com frequentes aparições, Ele quis certificar os seus discípulos dessa verdade sublime.
Cristo teve o cuidado minucioso de não induzi-los ao erro, acreditando que vivia como antes. Para isso aparecia-lhes de quando em quando, de maneira surpreendente e inusitada, pondo-se de repente entre eles estando fechadas as portas, ou então desaparecendo igualmente a seus olhos.
A psicologia do Salvador e a sua divina capacidade de ensinar tornaram sua didática muitíssimo superior à nossa, respeitando, contudo, o processo humano de aprendizado. Com efeito, Cristo procura ensinar seus fiéis discípulos a se guiarem pela fé, pela razão, pelo raciocínio, pela lógica, pela disciplina e pela coerência, constituindo uma verdadeira escola de formação.
Ele quis gravar em seus corações a verdade de que é verdadeiro Deus e Salvador do mundo. Não estabeleceu a escola das aparências, dos sentimentos, do ver para crer. Quis e quer assentar os alicerces da verdadeira doutrina, o luzeiro que enxota as trevas do paganismo.
Uma palavra surpreendente repreendeu Tomé, que havia dito que só acreditaria se tocasse a mão no lado e o dedo nas chagas do Mestre, ensinando com isso a todos os seus irmãos na fé. De fato, Jesus surge entre eles e manda Tomé tocar seu divino lado e suas chagas gloriosas. Tomé as toca e, em seguida, faz a sua profissão de fé exclamando: “Meu Senhor e meu Deus!”.
Jesus, por sua vez diz: “Tu, Tomé, creste porque viste. Bem-aventurados aqueles que não viram e creram”. Nosso Senhor ressalta a fé ao destacar a doutrina por meio do tato, o último dos sentidos do homem… Afinal, Tomé não havia acreditado em seus companheiros que lhe haviam dado a boa-nova da ressurreição de Cristo.
Somente no domingo, no mesmo dia da Ressurreição, Cristo apareceu cinco vezes, como narram os Santos Evangelhos: primeiramente, às santas mulheres no Santo Sepulcro; depois, ainda a elas, quando voltavam do Sepulcro; outra vez a Pedro; uma quarta vez aos discípulos de Emaús, e, por fim, a vários discípulos reunidos no Cenáculo, sendo que Tomé não se encontrava entre eles.
Antes de sua gloriosa Ascensão ao Céu, Nosso Senhor apareceu várias vezes a seus discípulos, inclusive a Tomé [pintura ao lado], que estava com eles, no Mar de Tiberíades e no monte da Galileia, para lhes indicar que Aquele mesmo Cristo que fora crucificado e tratado duramente pelo ódio lhes aparecera.
A escola de formação fundada por Jesus Cristo ficou gravada profunda e perenemente nas almas de seus discípulos, dando-lhes a esperança da vitória de Cristo na Terra, conquistando-a para o reino de Deus. Não há um lugar nesse Vale de Lágrimas onde não se tenha noção de que a Igreja Católica é a Igreja fundada por Jesus Cristo, a Arca da Aliança e Porta do Céu, que convida a todos a tomarem parte d’Ela.
Tal escola nunca foi, não é, jamais será a desse ecumenismo pós-conciliar banal, que confirma as pessoas no erro. Ao ressuscitar, Nosso Senhor disse a seus discípulos: “Ide por toda parte e pregai o Evangelho; quem crer e for batizado, será salvo, e quem não crer será condenado”. Portanto, a Ressurreição de Cristo vem manifestar a divindade e a indefectibilidade da Santa Igreja, fora da qual não há salvação.
No ato de fidelidade dos Apóstolos e dos discípulos do Senhor se assentam os fundamentos da Civilização Cristã na Terra. O esplendor e a grandeza dessa civilização, hoje quase em ruínas, conheceram o seu auge de glória na Idade Média. Outra civilização — mais esplendorosa, mais majestosa, mais hierárquica —, dar-se-á contudo com o Reino de Maria, profetizado em Fátima: “Por fim o meu Imaculado Coração triunfará.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de fazer seu comentário, leia: Todo comentário é moderado. Não serão permitidos comentários anônimos sem que contenha a identificação do autor. Comentários ofensivos contra a Santa Madre Igreja não serão aceitos. Comentários de hereges, de pessoas que se dizem ateus, infiéis, de comunistas só serão aceitos se estiverem buscando a conversão e a fuga do erro. De pessoas que defendem doutrinas contra a Verdade revelada, a moral católicas, apoio a grupos ou idéias que ferem, denigrem, agridem,cometem sacrilégios a Deus Pai, Deus Filho, Deus Espírito Santo, a Mãe de Deus, seus Anjos, Santos, ao clero, as instituições católicas também não serão aceitos.