Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

"Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo"

Nossa Senhora em La Salette

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus tibi.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

terça-feira, 29 de maio de 2018

“Estarei convosco todos os dias”


“Os gentios imaginaram tantos deuses, mas não engendraram nenhum tão amoroso como o nosso Deus, que está tão perto de nós e com tanto amor nos assiste”.

Pe. David Francisquini

Jesus Cristo, que se imolou e se ofereceu a Deus Pai por nós no alto do Calvário, é o mesmo que diariamente se imola em nossos altares em oferenda a Deus por nossos pecados.  A fim de comemorar a presença real de Nosso Senhor na Eucaristia, a Igreja Católica instituiu a festa de Corpus Christi, celebrada sempre com beleza, suntuosidade e requinte. Em decorrência deste caráter sagrado, a procissão eucarística se reveste de elevação e nobreza.

A Eucaristia — ao mesmo tempo  e sacrifício, sinal distintivo e visível da graça — é o próprio Jesus Cristo que se dá em alimento enquanto se imola e se oferece a Deus Pai no sacrifício da nova Lei. A missa é o símbolo do que existe de mais alto, de mais sagrado, de mais perfeito, pois liga Deus aos homens, o Céu à Terra. Aquele mesmo Jesus que se encerrou no ventre materno de Maria se encerra nas nossas igrejas sob as espécies do pão e do vinho.

Nos Evangelhos, Cristo se autodenomina maná que desceu do céu, cordeiro que foi imolado, “o pão que darei é minha carne”. Como os judeus se escandalizavam com tais palavras, Jesus foi além: “Se não comerdes a carne do filho do Homem, não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós. Aquele que come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e Eu o ressuscitarei no último dia. Porque a minha carne é verdadeiramente comida, o meu sangue verdadeiramente bebida”.



Na consagração eucarística ficam apenas as aparências de pão e de vinho. Pode-se fazer uma comparação com o que se passa no interior de um ovo que se transforma em ave e, contudo, sua casca não muda, permanecendo a mesma. As substâncias de pão e vinho se transformam em corpo e sangue pelo mistério da transubstanciação que se opera na Consagração, permanecendo os acidentes do pão e do vinho. Daí a razão de Cristo estar presente todo inteiro, tanto na espécie de pão quanto na de vinho, mas o sacrifício está representado e retratado nas duas distintamente.

Foi tal a alegria de Cristo ao instituir a Eucaristia na última Ceia, segundo relata São Lucas, que Ele mesmo desejou comer com os discípulos o cordeiro pascal antes de padecer. “Digo-vos, pois, que não mais o comereis até que isto se realize no reino de Deus”. O júbilo do Divino Mestre na instituição da Eucaristia é surpreendente e repleto de unção.

Ele fica conosco nos altares dia e noite, nimbado pela luz de uma lamparina que Lhe faz companhia. Quem comunga a hóstia consagrada come a carne de Jesus Cristo. Assim o Filho de Deus encarnado fundamentou esta verdade: “O Pai que vive me enviou, eu vivo pelo Pai, assim também o que me comer viverá por mim. Este é o pão que desceu do Céu. Não como o maná que os vossos pais comeram e, contudo, morreram. Quem comer deste pão viverá eternamente”.

O pão e o vinho consagrados são um dogma para os cristãos, pois o pão se transforma em carne e o vinho em sangue. Aquilo que contemplamos pela fé supera a natureza, como afirma Santo Tomás, pois as espécies diferentes são apenas sinais que ocultam coisas exímias, esplêndidas, uma realidade que é o cume do amor de Cristo para conosco, que não nos deixa órfãos, porque está sempre conosco nesse sacramento divino.
Ao comungar, o justo e o perverso recebem vida e morte, pois ao consumir essa realidade transcendental e real, conseguem para si a eternidade feliz ou infeliz. Por isso São Paulo Apóstolo afirma que cada um deve examinar a si mesmo, ao receber a Eucaristia, pois quem comunga indignamente come ou bebe a sua própria condenação. E São Tomás continua dizendo que ao receber a Eucaristia, “morte do mau, vida do bom”, ele vê como a mesma comida produz efeitos contrários, isto é, vida e morte.

Ao fiel e digno comungante são reservados maravilhosos efeitos, como o aumento da vida na alma — a graça santificante — e a eterna bem-aventurança; purifica como o fogo; enfraquece as más inclinações como a ira, a inveja, a avareza, a deslealdade, apaga os pecados veniais. Como o sol que sobrepõe a aurora, a Santa Comunhão esparge luz e calor, e promove as graças atuais. Também aos enfermos é de grande e indispensável benefício, dando-lhes conforto, soerguimento e até a cura dos males de corpo e de alma.

Tão misteriosa é esta ação sacramental que o sacerdote, ao pronunciar as palavras da consagração sobre o pão e o vinho, empresta o seu aparelho fonador a Cristo, pois fala em nome de Cristo — in persona Christi, ou seja, como se fosse o próprio Cristo que estivesse pronunciando aquelas palavras que operam a transubstanciação. É um verdadeiro mistério de nossa santa Fé.

O que os olhos não veem, a fé nos declara como realidade, a presença real de Cristo, presente real e substancialmente em nossos altares. O Céu se liga à Terra como um sol que afasta as trevas da noite. Diz Santo Afonso: “Os gentios imaginaram tantos deuses, mas não engendraram nenhum tão amoroso como o nosso Deus, que está tão perto de nós e com tanto amor nos assiste”.

“Não há outra nação tão grande que tenha os seus deuses tão perto dela, como o nosso Deus está presente a todos nós” (Det. 4, 7). A Santa Igreja aplica com razão esta passagem do Deuteronômio à festa do Santíssimo Sacramento. “A eucaristia é um verdadeiro sol que ilumina a vida cristã. Não há nesta terra o que encante mais e anime tanto, nos cumule de esperança e de alegria que ter Cristo presente entre nós: ‘Eis que estarei convosco todos os dias, até à consumação dos séculos’”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de fazer seu comentário, leia: Todo comentário é moderado. Não serão permitidos comentários anônimos sem que contenha a identificação do autor. Comentários ofensivos contra a Santa Madre Igreja não serão aceitos. Comentários de hereges, de pessoas que se dizem ateus, infiéis, de comunistas só serão aceitos se estiverem buscando a conversão e a fuga do erro. De pessoas que defendem doutrinas contra a Verdade revelada, a moral católicas, apoio a grupos ou idéias que ferem, denigrem, agridem,cometem sacrilégios a Deus Pai, Deus Filho, Deus Espírito Santo, a Mãe de Deus, seus Anjos, Santos, ao clero, as instituições católicas também não serão aceitos.