Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

"Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo"

Nossa Senhora em La Salette

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus tibi.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

quarta-feira, 11 de julho de 2018

É obra de caridade denunciar o escândalo e procurar afastá-lo.


"Quem nos dera poder ver, vivo em sua cátedra, o próprio São Pedro exterminando os ímpios com uma palavra de sua boca!"


São Bernardo de Claraval (1090–1153) foi o fundador da Abadia de Claraval, na Diocese de Langres (França). A fogosa carta abaixo foi enviada por ele a toda a Cúria Romana de seu tempo, increpando-a por dar apoio a autoridade eclesiástica indigna e sacrílega. O que escreveria ele em nossos dias, diante da grave crise que assola a Santa Igreja? Não usaria veemência ainda maior contra os eclesiásticos que ensinam e agem em aberta oposição ao ensinamento tradicional dela? Examine atentamente o documento, caro leitor, e escreva-nos emitindo a sua opinião.

A meus reverendos Padres, aos senhores Bispos e Cardeais da Cúria Romana, o Irmão Bernardo, Abade de Claraval, saudações e orações.

Todos nós temos o direito de escrever sobre os negócios que dizem respeito a todos, de modo que não receio incorrer em censura por presunção ou excessiva ousadia ao fazê-lo, como agora faço. Pois, embora seja o mais miserável de todos os fiéis, não deixo de ter muito presente no coração a honra da Cúria Romana. O pesar me consome, e de tal maneira me aflige a tristeza, que até a vida me pesa, porque vi a abominação na Casa de Deus. Sinto-me sem poder suficiente para remediar a tantos e tantos males, e não me resta outro recurso senão apontá-los aos que têm poder para tal, a fim de que os corrijam. Se o fizerdes, tanto melhor. Caso contrário, terei descarregado a minha consciência, e vós não podereis ter nenhuma escusa justa.

Não ignorais que o Papa Inocêncio II, de gloriosa e feliz memória, havia proferido sentença, de comum acordo convosco e com toda a Cúria Romana, dispondo que se tivesse por ilícita a eleição de Guilherme [para Arcebispo de York]; e que esta fosse considerada como sacrí­lega e real intrusão, caso o outro Guilherme, Deão da Igreja [de York], não declarasse sob juramento que seu homônimo era inocente de tudo quanto lhe imputavam. Também sabeis que esta disposição tinha muito mais de indulgência que de rigor. Guilherme mesmo, o acusado, havia rogado que lhe fosse concedida essa graça.

Prouvera a Deus se cumprisse o que havia sido disposto por mútuo acordo! Oxalá tudo quanto se fez contra isso fosse declarado nulo! O que aconteceu? O Deão não jurou, de modo algum, e apesar disto o outro se sentou na cátedra da pestilência. Quem nos dera ver outro Fineias (Números 25, 7) se levantar e investir de espada na mão contra esse fornicador!

Quem nos dera poder ver, vivo em sua cátedra, o próprio São Pedro exterminando os ímpios com uma palavra de sua boca! Muitos são os que vos clamam do fundo da alma, e vos pedem de todo o coração o castigo exemplar de tamanho sacrilégio.

Se não intervierdes prontamente, de modo a incutir medo aos demais e impedi-los de seguir tão nefando exemplo, eu vos afianço que, quanto mais tardar o remédio, mais grave será o escândalo de todos os fiéis. Receio que a própria Sé Apostólica perca grande parte de seu prestígio e se desautorize, caso não faça pesar sua mão sobre esse rebelde que calcou aos pés os seus decretos.

Mas que direi das cartas secretas e verdadeiramente tenebrosas que Guilherme se jacta de ter recebido, não do príncipe das trevas — oxalá assim o fosse —, mas dos próprios Príncipes Sucessores dos Apóstolos? Por isso, tão logo esta notícia chegou aos ouvidos dos ímpios, estes se puseram a fazer chacota das disposições da Sé Apostólica e a rir da Cúria Romana, a qual, após ter dado uma sentença pública, contradizia-se a si mesma, enviando às ocultas cartas que mandavam o contrário.

Que mais acrescentarei? Depois de tudo isso, se não perturba os fortes e perfeitos a visão do escândalo gravíssimo que é dado, eu a confio aos débeis e simples; se não sentis compaixão alguma pelos pobres Abades que foram chamados a Roma dos lugares mais longínquos da Terra; se não vos comove a ruína de tantas Casas religiosas que inevitavelmente perecerão sob a jurisdição desse opressor; e finalmente — para terminar por onde deveria ter começado — se não vos sentis animados sequer pelo zelo da glória de Deus, sereis indiferentes à vossa própria desonra, derivada direta­mente da vergonha que cairá sobre toda a Igreja?

Terá a malícia desse homem tanto poder que consiga impor-se a vós? Dir-me-eis talvez: o que faremos, se ele já recebeu a sagração, ainda que de modo sacrílego? A isto respondo que tenho por mais glorioso derrubar Simão Mago do alto do espaço do que impedir-lhe o voo. Por outro lado, em que situação vós deixareis todos os religiosos que creem não dever receber, em consciência, nenhum Sacramento de mãos tão manchadas de lepra? Inclino-me a crer que todos eles preferirão o desterro a entregar-se à morte; preferirão vida errante fora da pátria a permanecer nesta, tendo que comer os ali­mentos oferecidos aos ídolos.

Sendo assim, se a Cúria Romana vos forçar a ir contra a consciência e a dobrar os joelhos diante de Baal, que o Deus justo peça contas disso; quanto a mim, cito-vos ao juízo d’Ele perante aquela outra Cúria Celestial, que nenhum suborno pode corromper.

Para terminar, este vosso servo vos suplica, pelas entranhas misericordiosíssimas do Senhor, que se ainda arde em vossas almas algum zelo pela glória divina, tomeis em consideração os males que afligem a Santa Igreja. Ao menos de vós, que sois seus amigos, espero que ponhais todo o vosso empenho em impedir que se confirme coisa tão detestável e digna de execração.

(Obras Completas del Doctor Melifluo, San Bernardo, Abad de Claraval, trad. do Pe. Jaime Pons, S.J. — Ed. Rafael Casulleras, Barcelona, 1929 — vol. V, Epistolario, pp. 488-490, carta 236.)

Fonte: ipco.org.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de fazer seu comentário, leia: Todo comentário é moderado. Não serão permitidos comentários anônimos sem que contenha a identificação do autor. Comentários ofensivos contra a Santa Madre Igreja não serão aceitos. Comentários de hereges, de pessoas que se dizem ateus, infiéis, de comunistas só serão aceitos se estiverem buscando a conversão e a fuga do erro. De pessoas que defendem doutrinas contra a Verdade revelada, a moral católicas, apoio a grupos ou idéias que ferem, denigrem, agridem,cometem sacrilégios a Deus Pai, Deus Filho, Deus Espírito Santo, a Mãe de Deus, seus Anjos, Santos, ao clero, as instituições católicas também não serão aceitos.