Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

Nossa Senhora ou João Paulo II


“Este estabelecimento do Santo Rosário de maneira tão miraculosa guarda certa semelhança com a maneira de que se serviu Deus para promulgar sua lei ao mundo no Monte Sinai”

Roosevelt Maria de Castro

O Rosário é uma oração que contém 150 Ave Marias, divididas em três Mistérios maiores e quinze Mistérios menores, orações iniciais com um Credo, um Pai Nosso, três Ave Marias e um Glória.

Rosário significa Coroa de rosas. A rosa é a rainha das flores e o Rosário a rainha das devoções. A cada Ave Maria rezada no Rosário, uma rosa entregamos a Nossa Senhora. Ele é meritório devido as meditações.

Sua origem remonta aos tempos apostólicos derivando de uma prática judaica da recitação dos 10 salmos, prática presente no Breviário Romano Tradicional.

Entre os cristãos que não sabiam ler, a reza de 150 Pai Nossos ou 150 Ave Marias, eram comuns em substituição aos 150 Salmos de Davi, em alguns locais o Santo Rosário é chamado saltério de Nossa Senhora.

Os Mistérios maiores são: Gozosos, Dolorosos e Gloriosos, que são subdivididos em Mistérios menores:
- Mistério Gozosos: Anunciação; Visitação; Natal; Apresentação no Templo e Reencontro do Menino Jesus
- Dolorosos: Agonia; Flagelação; Coroa de Espinhos; Carregamento da Cruz; Crucificação e Morte
- Gloriosos: Ressurreição; Ascenção; Pentecostes; Assunção de Maria e Coroação de Nossa Senhora

A recitação do saltério de Nossa Senhora é mais valioso que o saltério de Davi, pois o de Nossa Senhora tem como fruto o próprio Verbo, cada Ave Maria tem como fruto a encarnação do Verbo, as palavras do Anjo são as palavras da Encarnação, enquanto que os Salmos de Davi profetizam a vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo, fala de Nosso Salvador com vindouro.

O Santo Rosário é dividido em três partes, os grandes Mistérios, Gozosos, Dolorosos e Gloriosos, para honrar as três pessoas da Santíssima Trindade; para honrar a vida, morte e a glória de Nosso Senhor Jesus Cristo; para imitar a Igreja Triunfante, ajudar a Igreja Militante e trazer alívio a Igreja Padecente; para imitar os três grupos em que os Salmos estão divididos; as três vias de santificação, a via purgativa, a iluminativa e a via unitiva; três partes para nos dar graças em abundância durante a vida, paz na morte e glória na eternidade; e para simbolizar as três partes da Santa Missa: a Antemissa, do Intróito até o Credo (vida oculta e pública, Mistérios Gozosos); o Sacrifício, do Ofertório até a conclusão do Cânon com o Per Ipsum (vida dolorosa, Mistérios Dolorosos); e a Comunhão, do Pater Noster até o último Evangelho (vida gloriosa, Mistérios Gloriosos).

Os méritos do Rosário são incalculáveis, é a devoção que mais agrada a Nossa Senhora, é a oração mais perfeita depois da Santa Missa.

Temos também a terça parte do Rosário, comumente chamado Terço, composto por um grande Mistério, cinco Mistérios menores e 50 Ave Marias e também as orações iniciais.

Quando rezamos o Rosário meditamos todos os Mistérios maiores e menores, as orações iniciais, quinze Pai Nossos, 150 Ave Marias, um Glória e a oração de Fatima, “O meu Jesus, perdoai e livrai do fogo dos infernos, levai as almas todas para o céu e socorrei principalmente aquelas que mais precisarem”, entre os Mistérios Menores.

Se rezarmos o Terço, cada dia da semana fazemos um Mistério maior e cinco Mistérios menores assim divididos:
- Mistérios Gozosos: segunda-feira e quinta-feira;
- Mistérios Dolorosos: terça-feira e sexta-feira;
- Mistérios Gloriosos: domingo; quarta-feira e sábado

A origem
Apesar de ser uma devoção dos tempos apostólicos, o Santo Rosário como o conhecemos, foi recebido por São Domingos de Gusmão no século XIII, após três dias de meditação, orações, jejuns e penitências em suplicas para que fosse aplacado avanço da terrível heresia dos albigenses ou cátaros.

Após já em praticamente estado de coma, Nossa Senhora, que hoje invocamos como Nossa Senhora do Rosário, entregou a São Domingos de Gusmão o Rosário, com 150 contas, para ser usado contra os hereges, conseguindo com isso uma vitória contra a terrível heresia.

A heresia albigense ou cátara
Os cátaros eram maniqueístas e agnósticos, afirmavam a existência de dois princípios opostos o Bem e o Mal, presente em muitas doutrinas esotéricas.

Colocavam a matéria como má pois aprisionava uma partícula divina dentro de si, sendo a matéria criada pelo deus do mal e que essa matéria divina aprisionada era o deus bom. Todo o universo material seria maligno e o nosso Deus, Criador do Mundo, seria o Deus do Mal.

Como eram contra a matéria e tudo que a matéria produz, eram contra o matrimônio que procria, pois a procriação gera mais matéria, mas eram contra o sexo livre, desde que não procriasse. Ódio a figura materna, porque a mãe produzia matéria e que toda mulher grávida estava possessa, a mulher enquanto tal era fonte do mal.

Eram a favor do homossexualismo, pois não produzia matéria, a favor do suicídio, era vegetarianos e verganos, contra a vida e consequentemente contra o casamento.

Além da ameaça cátara havia a insatisfação dos cristãos, que reagiram de forma violenta contra esses hereges, que não excitavam em matar mulheres grávidas para impedir a geração de mais matérias.

O romantismo e o nazismo possuíam um catarismo em suas formações, muitos autores românticos confessavam admiradores dos cátaros e os nazistas deixaram influenciar por muitas ideias cátaras.

Hoje temos um ressurgimento dessa heresia, a nível intelectual e popular que tanto ameaça a nossa fé.

Em Fátima, Nossa Senhora voltou a insistir na devoção do Santo Rosário/Terço, pedindo a sua reza todos os dias e mandando acrescentar a oração de Fátima, que até então não existia e nem era utilizada no Rosário/Terço.

Mistérios Luminosos
Em 16 de outubro de 2002, João Paulo II em sua carta apostólica “Rosarium Virginis Mariae” onde lançou o Ano do Rosário, propôs um novo Mistério maior, Mistérios Luminosos ou Mistérios da Luz que, segundo João Paulo II, seria para “...reforçar o espessor cristológico do Rosário”; “...visa fazê-la viver com renovado interesse na espiritualidade cristã, como verdadeira introdução na profundidade do Coração de Cristo”; “Nestes mistérios, à excepção de Caná, a presença de Maria fica em segundo plano. Os Evangelhos mencionam apenas alguma presença ocasional d'Ela no tempo da pregação de Jesus (cf. Mc 3, 31-35; Jo 2, 12) e nada dizem de uma eventual presença no Cenáculo durante a instituição da Eucaristia. Mas, a função que desempenha em Caná acompanha, de algum modo, todo o caminho de Cristo”. (CARTA APOSTÓLICA ROSARIUM VIRGINIS MARIAE).

Mas o novo Mistério é apenas uma sugestão, deixando facultada a sua inserção no Rosário: “embora deixada à livre valorização de cada pessoa e das comunidades” (CARTA APOSTÓLICA ROSARIUM VIRGINIS MARIAE).

Mas, há problema em rezá-lo? R. Não.
Convém inseri-lo na meditação do Rosário? R. Não.
Por que? Respondendo rispidamente, a forma das 150 Ave Marias foi Nossa Senhora, a Mãe de Deus que o fez e o entregou para ser rezado assim. Em nenhuma aparição aceita ela Igreja em que Ela menciona o Rosário não fez nenhuma menção em acrescentar outros Mistérios ou que o Rosário estaria imperfeito.

Agora buscando outras explicações e motivos, incorporar outros mistérios ferem primeiramente, além do que expomos acima, a ordem, perde-se a sequência lógica, Gozosos, Dolorosos, Gloriosos, Luminosos, Dolorosos, Gozosos e Gloriosos.

O Rosário passa a ter quatro “terços” e não três, como sugere o título “Terço”, divisão exata das 150 Ave Marias.

Muitos que rezavam o Rosário diário, passaram a rezar somente um “terço” devido a extensão com quatro Mistérios ou passaram a substituí-lo por outras orações, como as da Divina Misericórdia de Faustina Kowalska, devoção promovida também por João Paulo II.

Todo significado do Rosário, o Saltério de Nossa Senhora, se perde se incorporado os Mistérios Luminosos (150 Ave Marias/150 Salmos; 03 partes para a Santíssima Trindade; 03 partes para a Vida, Paixão e Glória de Nosso Senhor Jesus Cristo; 03 partes para a vida espiritual; a correlação com a Santa Missa), fora ao fato de que ele assim foi dado por Nossa Senhora à São Domingos de Gusmão.

Hoje, além da não relação do Santo Rosário com a Missa, pois não há como fazer uma relação com a Missa Nova, muitos, inclusive dominicanos, dizem que, não são verdadeiras as histórias sobre Nossa Senhora ter dado o Santo Rosário a São Domingos, que não há ligação entre esse fato. Outros até aceitam que São Domingos difundiu o Rosário, mas não como foi dito, a narração sobre a entrega do Rosário à São Domingos não passaria de lenda.

Alguns fazem a ligação do Santo Rosário com um cordão budista por nome Mala ou ao Masbaha islamita, conhecido também por terço grego, que não passaria de uma imitação.

São Luis Maria de Monfort no livro Segredo Admirável do Santíssimo Rosário, não só afirma a entrega do Rosário a São Domingos, como ainda relaciona a sua entrega a entrega das Leis a Moises no Monte Sinai: “Este estabelecimento do Santo Rosário de maneira tão miraculosa guarda certa semelhança com a maneira de que se serviu Deus para promulgar sua lei ao mundo no Monte Sinai. São Domingos, iluminada pelo Espírito Santo e instruído pela Santíssima Virgem e por sua própria experiência, dedicou o resto de sua vida para pregar o Santo Rosário com seu exemplo e sua palavra, nas cidades e nos campos, antes grandes e pequenos, sábios e ignorantes, católicos e hereges” (São Luis Maria de Monfort – Segredo Admirável do Santíssimo Rosário).

Fontes:
Orlando Fedeli – Monfort Associação Cultural – Espaço do Leitor – 23/05/2002;
Blog Canção Nova – A Origem do Rosário de Nossa Senhora – 26/10/2016;
Guilherme Chenta – Monfort Associação Cultural – Por que não aos Mistérios Luminosos? – 02/09/2010;
Padre Daniel Pinheiro – Catecismo de Adultos Aula 20 – A Ave Maria e o Santo Terço – 06/08/2018
w2.vatican.va – Carta Apostólica Rosatium Virginis Mariae – 16/10/2002
Dom Gaspar Lefebvre - Missal Quotidiano dos Fiéis - 1964
Abbé A. Durand - O Culto Católico em suas cerimônias e em seus símbolos - 2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de fazer seu comentário, leia: Todo comentário é moderado. Não serão permitidos comentários anônimos sem que contenha a identificação do autor. Comentários ofensivos contra a Santa Madre Igreja não serão aceitos. Comentários de hereges, de pessoas que se dizem ateus, infiéis, de comunistas só serão aceitos se estiverem buscando a conversão e a fuga do erro. De pessoas que defendem doutrinas contra a Verdade revelada, a moral católicas, apoio a grupos ou idéias que ferem, denigrem, agridem,cometem sacrilégios a Deus Pai, Deus Filho, Deus Espírito Santo, a Mãe de Deus, seus Anjos, Santos, ao clero, as instituições católicas também não serão aceitos.