Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

"Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo"

Nossa Senhora em La Salette

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus tibi.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

terça-feira, 26 de maio de 2015

Foi em Nova Orleans que... Nossa Senhora de Fátima chorou pelo mundo

Em 1972, uma imagem da Mãe de Deus verteu lágrimas na cidade hoje (Outubro/2005) arrasada pelo furacão Katrina. Aquele milagroso aviso não foi atendido. Aviso apenas para Nova Orleans? Não. Para o mundo todo!
Luis Dufaur

Imagem de Nossa Senhora
chora em Nova Orleans em 1972
Mais um alerta. Muitos deram de ombros. Já estavam acostumados a furacões... O Katrina exibia violência inusual: ventos de até 280 km/h. Mas, julgavam, tudo daria certo em Nova Orleans, a“cidade da música e da alegria” — leia-se a cidade do jazz que preparou o rock and roll, do vodu, dos festivais homossexuais que afrontavam a Deus.
O mais acintoso de tais “festivais” era o Southern Decadence (Decadência Sulista). Em 2004 contou com 125.000 participantes e durou uma semana, durante a qual foram praticados atos sexuais em lugares públicos, diante da polícia, da Prefeitura e da Câmara de Vereadores. A provocação foi filmada e a gravação entregue às autoridades. Estas não só não tomaram providências, mas fizeram propaganda encorajando mais uma semana de abominações para a edição de 2005 — a 34ª — e esperavam-se 150.000 participantes. Porém...

Profético pranto de Nossa Senhora

A primeira Southern Decadence fora em 1972. Naquele ano uma imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima verteu lágrimas miraculosamente em Nova Orleans. Pela cidade, sem dúvida, mas sobretudo pela humanidade.

A notícia percorreu o mundo. No Brasil, um diário paulista estampou impressionante foto (na página anterior). O Prof. Plinio Corrêa de Oliveira publicou então no mesmo jornal o artigo Lágrimas, milagroso aviso,(1) descrevendo as circunstâncias do fato sobrenatural. Desde 1972 muitos furacões passaram por Nova Orleans, mas nada aconteceu de especialmente trágico. E o aviso de Nossa Senhora foi sendo esquecido.

No mesmo período, muitos — e, aliás, incomparavelmente piores — furacões se abateram sobre a Santa Igreja Católica, soprados pela revolução progressista. Abateram-se também sobre a ordem temporal, sobre o nosso Brasil, atiçados pelo mesmo espírito de revolta e de imoralidade que anima o progressismo religioso.

Nova Orleans e o mundo fizeram questão de esquecer o “milagroso aviso”,afundaram na vidinha e na cegueira que precede a tragédia. Foi assim que estava marcada para este ano (2005) mais uma semana de passeatas e orgias homossexuais do“Southern Decadence” para o 31 de agosto naquela cidade. Porém, o Katrinachegou dois dias antes...
Colapso de uma grande cidade moderna
Enquanto escrevo, Nova Orleans — aglomeração de 1.500.000 habitantes, terceiro porto dos EUA — em parte está reduzida a escombros e vários de seus bairros continuam submersos. Não há energia elétrica, água potável, rádio, TV, telefone ou esgoto. Soldados, policiais, bombeiros e socorristas evacuam os últimos residentes. Temem-se epidemias favorecidas pelas águas pútridas onde se decompõem cadáveres, animais, plantas e toda espécie de objetos que até há pouco faziam o aconchego dos lares. É verossímil que a cidade fique deserta, em grande parte, durante um ano, mas vozes como a do presidente da Câmara se perguntam se é razoável reconstruí-la.(2)
O “The New York Times” comparou o desastre à destruição da antiga Pompéia e ao recente tsunami asiático.(3) O secretário geral adjunto para Assuntos Humanitários da ONU, Jan Egeland, classificou o Katrina como uma das piores catástrofes naturais da História, maior ainda que o tsunami “pela quantidade de casas destruídas e pelo número de pessoas afetadas ou deslocadas”.(4)

Inimagináveis cenas “de fim de mundo”

Após a tempestade, gangues armadas fizeram da cidade um cenário dantesco. Refúgios e hospitais viraram infernos, onde os flagelados eram ameaçados, roubados, assassinados, ou estupradas as mulheres. No hospital Big Charity o chefe dos cirurgiões, Norman E. Mc Swan Jr., dormia oculto num saco de lixo hospitalar no telhado da garagem, para não ser apanhado pelos criminosos.(5) No estádio Superdome houve até suicídio de um desesperado diante de 15.000 pessoas. Incêndios ocorreram um pouco por toda parte.
Os socorristas que chegavam de helicóptero eram recebidos à bala. Policiais e bombeiros abandonaram a assistência aos sobreviventes para conter os bandos de delinqüentes e saqueadores. O mito do homem sem pecado original, bom por natureza, foi mais uma vez desmentido e patenteou a sua hipocrisia. Exaustos e traumatizados, alguns policiais e bombeiros suicidaram-se. Espantosas e terríveis reações de um corpo social onde a Moral foi esquecida! Teria sido muito diferente em qualquer megalópole moderna posta em circunstâncias análogas?
144.000 km2 de áreas costeiras foram arrasadas pelo furacão. Em vastas praias de quatro Estados as ondas devastaram até 1.000 metros terra adentro. Para o governador do Mississippi, as ruínas de Gulfport, Waveland e Biloxi evocam um bombardeio atômico.(6) Em Biloxi, “paraíso” das casas de jogo e da dissolução moral, cassinos flutuantes foram jogados para o interior como se fossem simples rolhas, pelo mar em cólera.
Percepção de um castigo divino
A imprensa americana fez freqüentes alusões à dimensão bíblica da tragédia. O presidente do Conselho de Nova Orleans, Oliver Thomas, após ouvir uma comparação da situação da cidade com Sodoma e Gomorra, confidenciou: “talvez Deus vá nos purificar”.(7)
O Arcebispo D. Alfred C. Hughes saiu da cidade antes de o Katrina chegar. Hoje tenta reorganizar o seu clero e fiéis dispersos. Pela primeira vez desde 1725, deixou de haver Missa dominical em Nova Orleans.(8) As igrejas estão abandonadas, até mesmo a catedral São Luís.
Inacreditável o empedernimento homossexual
Apesar de tudo, adeptos do tal Southern Decadence quiseram realizá-lo, pouco se importando com o luto da cidade. Esquálidos magotes de provocadores homossexuais, lésbicas e travestis desfilaram em Bourbon Street, onde se amontoam lojas pornográficas, bares de nudismo e prostituição.(9) O mesmo anunciaram na cidade de Lafayette.
A par disso, a corajosa TFP americana propulsionou uma campanha de e-mails pedindo ao prefeito a interdição desse infame ato. O prefeito assim dispôs, mas duas dúzias de fanáticos, violando a norma municipal, realizaram um arremedo do Southern Decadence. Sócios e correspondentes da TFP de Lafayette rezaram em ato público de reparação a Nossa Senhora da Assunção, padroeira do Estado, atestando o vigor católico que subsiste em meio a esse ambiente de castigo.(10)

Uma reedição de Sodoma e Gomorra

“Sodoma e Gomorra”, sintetizou o jornalista português José Pacheco Pereira. “Esta catástrofe se tornou uma metáfora moral sobre o mal castigado. Quem conhece a sua Bíblia sabe de onde isto vem: do episódio de Sodoma e Gomorra. Deus, na sua absoluta ira, pune com o fogo as duas cidades viciosas. [...] É uma forma de justiça, não é?”(11)
Se isso afirmou um jornalista — a respeito do qual não consta que seja especialmente devoto — o que não deveríamos estar ouvindo dos púlpitos e das cátedras católicas?
Vasculhei a Internet à procura de qualquer exortação de algum alto prelado católico conclamando à penitência a propósito do Katrina, a fim de comunicá-la ao leitor. Apenas encontrei apelos humanitários à ajuda e à solidariedade aos flagelados, com as notas religiosas de praxe. Mais nada... Se o leitor descobrir exortação mais significativa de algum prelado católico, por favor, me envie. Terei imensa alegria em divulgá-la.
Nova Orleans e o mundo estavam avisados 
Neste contexto ressoam oportunas, hoje mais do que nunca, as palavras do Prof. Plinio no artigo acima mencionado, sobre as lágrimas vertidas por Nossa Senhora em Nova Orleans:
“O misterioso pranto nos mostra a Virgem de Fátima a chorar sobre o mundo contemporâneo, como outrora Nosso Senhor chorou sobre Jerusalém. Lágrimas de dor profunda, na previsão do castigo que virá.
“Virá para os homens de nosso século, se não renunciarem à impiedade e à corrupção. Se não lutarem especialmente contra a autodemolição da Igreja, a maldita fumaça de Satanás, que no dizer do próprio Paulo VI, penetrou no recinto sagrado. [...] Não é preferível — pergunto — ler hoje este artigo sobre a suave manifestação da profética melancolia de nossa Mãe, a suportar os dias de amargura trágica que, a não nos emendarmos, terão que vir?
“Se vierem, tenho por lógico que haverá neles, pelo menos, uma misericórdia especial para os que, em sua vida pessoal, tenham tomado a sério o milagroso aviso de Maria”.(12)

Notas:


1. “Folha de S. Paulo”, 6-8-1972.
2. “La Croix”, Paris, 9-9-2005.
3. “The New York Times”, 31-8-2005.
4. “Associated Press”, 1-9-2005.
5. “O Estado de S. Paulo”, 10-9-2005.
6. “MSNBC”, 31-8-2005.
7. LifeSiteNews.com, 1-9-2005, http://www.lifesite.net/ldn/2005/sep/05090111.html.
8. “The New York Times”, 5-9-2005.
9. LifeSiteNews.com, id. ibid.
10.http://www.tfp.org/what_we_do/index/louisiana_families_suffer.htm.
11. “O Público”, Lisboa, 8-9-2005.
12. “Folha de S. Paulo, 6-8-1972.
________

Notas:
1. “Folha de S. Paulo”,

Nenhum comentário:

Postar um comentário