Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

03/03/2021

AS ESPADAS DO FIM DO MUNDO: À memória dos heróis de Cagayán

"Ronins eram samurais que haviam perdidos seus senhores (daimyo), viviam, às vezes, como mercenários ou mesmo como bandidos."

Do outro lado do mundo, nas Filipinas, em 1582, em Cagayán, aconteceu uma luta inusitada, provavelmente, a única na história, na qual estavam de um lado, a katana e de outro lado, o acero toledano. Cuidavam-se de duas escolas completamente diferentes da arte de guerrear, uma espanhola; outra, japonesa.

Nesta época, fins do séc. XVI, era o início da excelente colonização espanhola nas Filipinas, que transformou um povo descrente, portador de hábitos incivilizados, em católicos; cidades foram fundadas, universidades foram criadas, igrejas e mosteiros foram edificados, um barroco típico surgiu etc.

Porém, os japoneses faziam comércio e dominavam áreas costeiras das Filipinas, nessa ocasião, agindo como piratas; e normalmente, sempre abusavam das populações nativas, coisa infelizmente tradicional no Império do Sol Nascente, haja vista os abusos cometidos por eles contra os povos subjugados no contexto do Império Colonial Japonês, no qual, coreanos, chineses etc. sofreram brutalmente.

É importante dizer que estas barbaridades decorriam do paganismo e não pelo fato de serem japoneses, aliás boa parte deste povo recebeu bem a fé católica no séc. XVI (levada pelo apostolado de Portugal) e com bravura e martírio, os japoneses conversos enfrentaram brutal perseguição dos compatriotas de alma pagã.

Ronins eram samurais que haviam perdidos seus senhores (daimyo), viviam, às vezes, como mercenários ou mesmo como bandidos. Aliás, mesmo entre os samurais, houve os que abandonavam o bushido (código de honra), praticavam abusos, mudavam de lado nas guerras, faziam chantagens e agiam como mercenários ou ladrões.

Pois bem, em 1582, certos ronins piratas, por volta de 1.000, liderados por Tay Fusa atormentavam a costa filipina e como isto atrapalhava os objetivos dos espanhóis nas Filipinas, estes resolveram colocar os piratas para correr e impedir que voltassem.

Juan Pablo de Carrión, de 69 anos, foi encarregado desta missão, porém, conseguiu reunir apenas 40 ou 50 homens. Poderia enfrentar os japoneses com tamanha desproporção de forças? Como era de costume na Espanha, o número era ignorado.

Sucederam-se, então, batalhas no mar e em terra, precedida do grito de guerra: “Santiago”! Ambos os lados tinham espadas (a katana de um lado e o acero toledano de outro) e armas de fogo, os japoneses tinham arcabuzes portugueses.

Com melhor técnica, os espanhóis conseguiram, após várias manobras, derrotar no mar os japoneses, o que incluiu até invasão do barco inimigo por parte dos espanhóis. Nestes embates marítimos, muitos japoneses pularam no mar e se afogaram.

Na sequência, houve desembarque, os espanhóis montaram posição em terra e os japoneses, por volta de 600 homens, tentaram negociar rendição mediante indenização, mas isto foi recusado. Houve, então, uma luta de 600 contra 40! E impressionante, os espanhóis venceram! Os japoneses literalmente fugiram, mas os espanhóis foram atrás deles ainda derrubando alguns até a expulsão definitiva do território.

Sem dúvida nenhuma, uma vitória espetacular com alma da Reconquista.

Depois disto, os episódios de pirataria rarearam bastante e os japoneses só voltaram com força nas Filipinas, no contexto da Segunda Guerra Mundial.

O acero toledano venceu a katana, o catolicismo reinou, em mais um caso de sucesso da aliança entre a espada e a cruz. O Império onde nunca o sol se põe venceu o Império do sol nascente.

São Paulo, 6 de outubro de 2019

Marcelo Andrade

Fonte: https://floscarmeliestudos.com.br/as-espadas-do-fim-do-mundo/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de fazer seu comentário, leia: Todo comentário é moderado. Não serão permitidos comentarios sem a identificação do autor ou caso seja enviado sem a origem, só será aceito se, no corpo do texto, houver o nome completo do autor. Comentários ofensivos contra a Santa Madre Igreja não serão aceitos. Comentários de hereges, de pessoas que se dizem ateus, infiéis, de comunistas só serão aceitos se estiverem buscando a conversão e a fuga do erro. De pessoas que defendem doutrinas contra a Verdade revelada, a moral católica, apoio a grupos ou idéias que ferem, denigrem, agridem, cometem sacrilégios a Deus Pai, Deus Filho, Deus Espírito Santo, a Mãe de Deus, seus Anjos, Santos, ao clero, as instituições católicas também não serão aceitos. Reservo o direito de publicar os comentários que julgar pertinente.