Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

Nota do blog Salve Regina: “Nós aderimos de todo o coração e com toda a nossa alma à Roma católica, guardiã da fé católica e das tradições necessárias para a manutenção dessa fé, à Roma eterna, mestra de sabedoria e de verdade. Pelo contrário, negamo-nos e sempre nos temos negado a seguir a Roma de tendência neomodernista e neoprotestante que se manifestou claramente no Concílio Vaticano II, e depois do Concílio em todas as reformas que dele surgiram.” Mons. Marcel Lefebvre

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

“O conteúdo das publicações são de inteira responsabilidade de seus autores indicados nas matérias ou nas citações das referidas fontes de origem, não significando, pelos administradores do blog, a inteira adesão das ideias expressas.”

01/07/2022

Quem somos diante de Deus?

"Na sociedade em geral, perdeu-se a noção do sagrado e da eternidade, de forma que se busca a realização aqui neste plano terreno."

* Imagem: Vista em americanmind.org

Paulo Roberto Oliveira dos Santos

Recentemente, eu dizia a um conhecido que, de acordo com o Catecismo de São Pio X, um dos quatro pecados que clamam vingança dos céus é a relação sexual entre pessoas do mesmo sexo. E a razão pela qual esse é um pecado mais grave que a fornicação entre um homem e uma mulher é que esse é um pecado na natureza, e aquele, contra a natureza.

A pessoa com a qual eu conversava perguntou, em tom de espanto e reprovação, se por ser pecado, a pessoa homossexual deveria ficar só, eu respondi que, para evitar esse gravíssimo pecado sim, deveria. Deixei claro que não se tratava de violência de qualquer tipo, ou um cerceamento de direitos civis.

Após essa conversa, e ao relembrar outro diálogo, na qual uma pessoa disse que os homossexuais devem ter o direito de se amarem para serem felizes, fiquei pensando se a felicidade se resume a uma vida com um parceiro, um companheiro; ou ainda se o amor para um companheiro esgota a possibilidade de realização humana ou ainda se praticar o ato sexual é sinônimo de felicidade. Mas a questão mais evidente, neste caso é: pode alguém que vive em pecado viver em verdadeira felicidade, se pela sua situação de vida não agrada a Deus?

Ora, se a vida com um companheiro fosse sinal inequívoco de felicidade, nenhum padre ou celibatário poderia ser feliz ou se realizar; o mesmo ocorreria com as freiras, os monges, os viúvos, ou com qualquer pessoa que não tenha uma relação conjugal. Ao mesmo tempo, todas as pessoas que vivem relação conjugal seriam felizes, o que não ocorre.

Esse estado de coisas é um dos exemplos de como a era do antropocentrismo gerou o antropoexcêntrico, conforme Gustavo Corção. O ser humano busca qualquer forma de realização em aspectos materiais, em prazeres sensíveis. E uma das expressões atuais disso é o culto ao pecado.

A técnica, o desenvolvimento de tecnologias, o conhecimento científico e todo o discurso sobre esclarecimento, que pretendiam superar o que rotulavam como superstição e trevas, e que prometia suprir todas as carências e necessidades humanas, contribuiu com esse estado de coisas. O itinerário ideológico que consolidou o materialismo, o hedonismo, o tecnicismo convergiu com a consolidação de um ciclo cultural anticristão, na qual há sucessivas tentativas de refundação da sociedade em bases totalmente diferentes da constituição e ordenamento católico da sociedade.

Ao longo de vários séculos, várias ideias, contrárias ao Cristianismo, vem sendo inseridas no imaginário popular. Claro que a oposição do Demônio a Deus ocorre desde o início dos tempos e assim será até o fim, e claro que tal oposição também se dá desde a fundação da Santa Igreja. Mas na atualidade há uma crise de fé generalizada. Há revolta do homem contra Deus. Há recusa do amor de Deus para amar a si próprio. Ama-se qualquer coisa: pessoas, dinheiro, partidos, instituições, mas recusa-se a amar o Amor por excelência.

Na sociedade em geral, perdeu-se a noção do sagrado e da eternidade, de forma que se busca a realização aqui neste plano terreno. Isso não é novidade, mas deveria causar aversão em qualquer cristão, que deveria ter sempre os olhos voltados para a eternidade. Mas em função da crise de fé generalizada, que se manifesta também na Igreja – e de modo grave – mesmo cristãos buscam viver de modo convergente com as ideologias do momento, mesmo que para isso tenham que adequar-se a pressupostos éticos que ofendem a Deus. Daí que as pessoas se acham no direito de viverem na promiscuidade, no pecado, na idolatria, na vaidade, na revolta contra Deus. Daí que há pessoas que se escandalizam com as verdades eternas e com a oposição que deve ser feita ao pecado.

A pergunta que verdadeiramente importa ao católico não é qual profissão dá mais dinheiro ou mais status social; não é como está sua reputação e bom nome diante da sociedade; não é como anda seu alinhamento às novas ideias, por mais bonitinhas e limpinhas que aparentem; a pergunta mais importante para o católico é: quem eu sou diante de Deus?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de fazer seu comentário, leia: Todo comentário é moderado. Não serão permitidos comentarios sem a identificação do autor ou caso seja enviado sem a origem, só será aceito se, no corpo do texto, houver o nome completo do autor. Comentários ofensivos contra a Santa Madre Igreja não serão aceitos. Comentários de hereges, de pessoas que se dizem ateus, infiéis, de comunistas só serão aceitos se estiverem buscando a conversão e a fuga do erro. De pessoas que defendem doutrinas contra a Verdade revelada, a moral católica, apoio a grupos ou idéias que ferem, denigrem, agridem, cometem sacrilégios a Deus Pai, Deus Filho, Deus Espírito Santo, a Mãe de Deus, seus Anjos, Santos, ao clero, as instituições católicas também não serão aceitos. Reservo o direito de publicar os comentários que julgar pertinente.