Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

"Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo"

Nossa Senhora em La Salette

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus tibi.

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

sábado, 3 de fevereiro de 2018

PODEMOS FAZER ALGO PELA SALVAÇÃO DE NOSSOS ENTES QUERIDOS?

Chegarás primeiro às sereias, que encantam a quantos homens vão a seu encontro. Aquele que imprudentemente se aproxima delas e ouve sua voz, já não volta a ver sua esposa nem seus pequeninos filhos rodeando-o, cheios de alegria, quando retorna aos seus lares; mas ele é enfeitiçado pelas sereias com seu canto harmonioso, sentado em um prado e tendo ao seu redor uma enorme pilha de ossos de homens putrefatos cuja pele se vai consumindo.(A Odisséia)


Tradução: Dominus Est
A mitologia menos infantil sobre as sereias as ilustra como seres perversos que atraíam os marinheiros com seus hipnóticos cantos, sussurrando entre suas melodias mensagens com um atrativo tão sugestivo para a vítima que não se podia resistir, se aproximando para ser devorados. Em “A Odisséia”, Ulysses advertiu seus marinheiros e, com tampões de cera, conseguiram esquivar seu perigo. Mas ele, querendo ouvi-las cantar, amarrou-se ao mastro de seu próprio navio para não ser pego, consciente de que seu poder sedutor e narcótico o faria inevitavelmente ir à direção delas.
Hoje em dia Satanás exerce sobre nós um poder sedutor, não similar, mas sim infinitamente mais poderoso. Suas “sereias” são numerosas: a televisão, os filmes, internet, a educação, os governos, a falsa espiritualidade … e nos cantam continuamente “venha, venha conosco fazer o que todos fazem e serás feliz”. No seu conjunto é um rolo compressor que é muito difícil escapar, e como se estivéssemos no barco de Ulisses sem tampões ou nós, vamos vendo com horror como a grande maioria dos nossos entes queridos vão caindo lentamente em seus braços.
Estes, por sua própria vontade, caem nas mãos do diabo, porque, não nos enganemos, ou se está nas mãos de Deus ou nas de Satanás, não há um estado intermediário de “boa pessoa” que não está nem com um nem com outro. E quando isso acontece, nos diz Santo Afonso Maria de Ligório, Deus acaba abandonando o pecador. E como Ele faz isso? Deixando-o cego e surdo à Luz divina, por isso vemos que essas pessoas deslizam como o óleo na água absolutamente tudo o que podemos dizer-lhes, ler-lhes ou ensinar-lhes. É como se eles tivessem uma armadura que os imuniza de Deus, e assim nos damos conta de sua dureza e cegueira. E é aqui que o diabo, que sempre tenta pescar em águas turbulentas, se aproveita e nos leva ao desespero: “não há nada a fazer“, “é um caso impossível“…
Mas podemos fazer algo por eles? Sim, oferecer nossos sacrifícios e orações. São somente essas coisas que poderiam permitir que Deus tenha piedade deles e lhes conceda a graça de deixar a cegueira e surdez para poder ouvir a sua mensagem, embora eles terão que aceitá-la livremente. Por isso é tão importante a vida de oração, a Santa Missa, a atividade de nossas freiras e monges contemplativos, apenas para dar alguns exemplos, na qual em seu anonimato permitem que outras pessoas perdidas tenham uma nova oportunidade. Quando muitos se convertem, por detrás há alguém que intercedeu ou ajudou com sua oração, na igreja militante, padecente ou triunfante.
Temos dois exemplos que nos inspiram nesta tarefa titânica, que entenderam que somente entregando sua vida sacrifício absoluto e expiação pelos outros obteriam de Deus a grande graça da conversão de seus entes queridos, que, por justiça, Deus não deveria dar porque eles próprios, por livre iniciativa, decidiram abandoná-lo.
Um exemplo admirável para nos inspirar é a da beata chilena Laura Vicuña, cujo pai morreu poucos anos depois dela ter nascido, que com somente 13 anos morreu depois de pedir a Deus que a levasse por alguma doença em troca da conversão de sua mãe, que vivia em união livre com um homem com quem ela não era casada. Não foi uma coincidência. Laura planejou e informou seu confessor, o padre Crestanello.
Depois de cair enferma e já no leito de morte chamou sua mãe, que se aproximou e Laura lhe disse: “Mamãe, há dois anos ofereci minha vida a Deus em sacrifício para conseguir que a senhora não vivesse mais em uma união livre. Para que se separe desse homem e viva santamente. Mamãe: antes de morrer, terei a alegria de seu arrependimento e de seu pedido de perdão a Deus e assim comece a viver santamente?”
“Oh, minha filha!  Exclama D. Mercedes, sua mãe, chorando. Então eu sou a causa de sua doença e sua morte? Pobre de mim! Oh Laurita, que grande amor você teve por mim! Eu te juro agora mesmo. A partir de hoje, nunca mais irei viver com esse homem. Deus é testemunha da minha promessa. Estou arrependida. A partir de hoje mudarei minha vida.”
Laura manda chamar o padre Confessor. “Padre, minha mamãe promete solenemente a Deus abandonar desde hoje aquele homem“. Mãe e filha se abraçam chorando.
A partir desse momento, o rosto de Laura se torna sereno e alegre. Sente que já nada a segura nesta terra. A Divina Misericórdia triunfou no coração de sua amadíssima mãe. Sua missão neste mundo já está cumprida. Deus a chama ao Paraíso.
Outro exemplo motivador é o de Isabel Lesseur, muito pouco conhecida, casada no século XIX com um notável ateu francês. Ela ofereceu sua vida por completo a Deus para obter a conversão de seu marido oferecendo penitências, uma doença muito dolorosa e, acima de tudo, um sofrimento espiritual indescritível por ver como seu amado vivia longe de Deus e foi retratado isso em seu extraordinário diário. Poucos dias antes de morrer profetizou a uma freira que seu marido se tornaria um sacerdote.
O sofrimento de Isabel chegou ao fim, ela expirou sem ver o marido convertido, mas morreu confiando em Deus. E assim foi, seu marido continuou em seu ateísmo e foi justamente passando por Lourdes, pois planejava escrever um livro para desacreditar as aparições, quando diante da Virgem na gruta sentiu algo que o transformou e renovou completamente, convertendo-se ipso facto. Isabel, finalmente, podia ver do céu a conversão de seu marido, que se tornou padre e foi um famoso pregador, Felix Lesseur.
Cristo diz no Evangelho que “não há amor maior do que aquele que dá sua vida por seus amigos“. Eles entenderam, e nós também devemos entendê-lo. Nunca esqueçamos que a conversão não é uma obra humana – só podemos colaborar, é uma Graça.
É aqui que está o verdadeiro amor, a verdadeira coragem, a verdadeira fé, pouco importa o que nos passe aqui, que nos insultem, se riem de nós, nos desprezem, os sacrifícios e decepções que sofremos se, finalmente, conseguimos colaborar na salvação de um dos nossos entes queridos. Poderíamos, inclusive, não vê-lo em vida, como Isabel Lesseur. Mas, que importa? A felicidade não é essa vida, mas sim vê-los na eternidade.
Jesus prometeu nos dar tudo o que Lhe pedimos e seja bom para a nossa alma. Confiemos Nele e nos ofereçamos em corpo e alma a Ele, porque todos nós temos alguém por perto por quem podemos nos oferecer em imolação.
Miguel Ángel Yáñez

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de fazer seu comentário, leia: Todo comentário é moderado. Não serão permitidos comentários anônimos sem que contenha a identificação do autor. Comentários ofensivos contra a Santa Madre Igreja não serão aceitos. Comentários de hereges, de pessoas que se dizem ateus, infiéis, de comunistas só serão aceitos se estiverem buscando a conversão e a fuga do erro. De pessoas que defendem doutrinas contra a Verdade revelada, a moral católicas, apoio a grupos ou idéias que ferem, denigrem, agridem,cometem sacrilégios a Deus Pai, Deus Filho, Deus Espírito Santo, a Mãe de Deus, seus Anjos, Santos, ao clero, as instituições católicas também não serão aceitos.