Seja por sempre e em todas partes conhecido, adorado, bendito, amado, servido e glorificado o diviníssimo Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.

Nota do blog Salve Regina: “Nós aderimos de todo o coração e com toda a nossa alma à Roma católica, guardiã da fé católica e das tradições necessárias para a manutenção dessa fé, à Roma eterna, mestra de sabedoria e de verdade. Pelo contrário, negamo-nos e sempre nos temos negado a seguir a Roma de tendência neomodernista e neoprotestante que se manifestou claramente no Concílio Vaticano II, e depois do Concílio em todas as reformas que dele surgiram.” Mons. Marcel Lefebvre

Pax Domini sit semper tecum

Item 4º do Juramento Anti-modernista São PIO X: "Eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente" - JURAMENTO ANTI-MODERNISTA

____

Eu conservo a MISSA TRADICIONAL, aquela que foi codificada, não fabricada, por São Pio V no século XVI, conforme um costume multissecular. Eu recuso, portanto, o ORDO MISSAE de Paulo VI”. - Declaração do Pe. Camel.

____

Ao negar a celebração da Missa Tradicional ou ao obstruir e a discriminar, comportam-se como um administrador infiel e caprichoso que, contrariamente às instruções do pai da casa - tem a despensa trancada ou como uma madrasta má que dá às crianças uma dose deficiente. É possível que esses clérigos tenham medo do grande poder da verdade que irradia da celebração da Missa Tradicional. Pode comparar-se a Missa Tradicional a um leão: soltem-no e ele defender-se-á sozinho”. - D. Athanasius Schneider

"Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa (desde que não se falte à verdade), sendo obra de caridade gritar: Eis o lobo!, quando está entre o rebanho, ou em qualquer lugar onde seja encontrado".- São Francisco de Sales

“E eu lhes digo que o protestantismo não é cristianismo puro, nem cristianismo de espécie alguma; é pseudocristianismo, um cristianismo falso. Nem sequer tem os protestantes direito de se chamarem cristãos”. - Padre Amando Adriano Lochu

"MALDITOS os cristãos que suportam sem indignação que seu adorável SALVADOR seja posto lado a lado com Buda e Maomé em não sei que panteão de falsos deuses". - Padre Emmanuel

“O conteúdo das publicações são de inteira responsabilidade de seus autores indicados nas matérias ou nas citações das referidas fontes de origem, não significando, pelos administradores do blog, a inteira adesão das ideias expressas.”

04/08/2012

POR QUE A MISSA NOVA É MORTÍFERA?


Por Brother Michael Dimond
Santo Afonso disse: “O demônio sempre tentou, por meio de heréticos, privar o mundo da missa, tornando-os precursores do anticristo, que antes de qualquer coisa mais, tentará abolir e realmente abolirá o Sacrifício Santo da Missa, como uma punição pelos pecados dos homens, de acordo com a profecia de Daniel, ‘E força lhe foi dada contra o sacrifício perpétuo”. (Daniel 8, 12)

São Roberto Bellarmino disse: “Quando nós entramos em ornadas e limpas basílicas, adornadas com cruzes, imagens sacras, altares e lâmpadas acesas, nós mais facilmente concebemos devoção. Mas, por outro lado, quando nós entramos nos templos dos heréticos, onde não há nada exceto uma cadeira para pregar e um mesa para fazer uma refeição, nós nos sentimos entrando em uma sala profana e não na Casa de Deus”.

Tem sido incansável o Cardeal Dario Castrillon em dar conferências, entrevistas e sobretudo celebrações da Santa Missa Tridentina dando assim a conhecer a beleza e a riqueza da missa Tridentina como deseja o Santo Padre Bento XVI.
“De muitas partes da Igreja chega a pergunta: Que é o Motu Próprio Summorum Pontificum? Que quer conseguir o Papa ao promulgar espontaneamente, de sua própria vontade essa lei universal que é o Motu Próprio Summorum Pontificum?
A Igreja por mais de mil anos celebrou o rito chamado Missa de São Pio V. Esse rito trouxe unidade à fé chegou a ser a forma única pela qual a Igreja adorava a Deus, repetindo, no altar, de um modo incruento o Sacrifício da Cruz. Nossa fé católica ensina que a Santa Missa é o sacrifício da cruz. 

Foi no século IV que o Latim se tornou o idioma oficial da Igreja e a palavra “missa” foi introduzida. Isso foi introduzido provavelmente por Santo Ambrósio no Sacramentário Leonino (Papa São Leão em 450 DC) e o SacramentárioGelasiano (Papa Gelásio I em 498 DC). As partes essenciais do missal foram achadas ser quase as mesmas daquelas na Missa Tridentina. No ano 600 DC, o Papa São Gregório o Grande (590-604 DC) terminou seu Sacramentário Gregoriano, que é essencialmente a Missa “codificada” pelo Papa São Pio V em 1570.
A verdadeira Missa retorna aos tempos apostólicos; e foi “codificada”, solidificada, ou petrificada pelo Papa São Pio V em sua Bula Papal QuoPrimum Tempore em 14 de Julho de 1570. Papa São Pio V especificou o exato ritual da Missa “do e para” o Rito Romano. Somente essa Liturgia ou Ritual era pra ser usada desde aquele tempo até o fim dos tempos(para o Rito Romano). O Canon com a exceção de uma cláusula curta, inserida pelo Papa Gregório o Grande, permaneceu inalterado “... até 1962, quando João XXIII acrescentou o nome de São José ao Canon da Missa. Um total de 26 palavras foram acrescentadas ao Canon Tradicional pelos Papas São Leão (440-461) e São Gregório o Grande (590-604). Assim, como o Concílio de Trento exatamente expressa, o Canon é composto de muitas palavras do Senhor, a tradição dos apóstolos, e as instituições pias dos santos pontífices.
Na metade ao término da década de 60, Roma iniciou a Missa no vernacular e então, em 1970, Paulo VI nos deu um completo novo rito da Missa chamado “Novus Ordo Missae”. Não é sem motivo que os inimigos da Verdadeira Fé estão esculpindo uma “Novus Ordo Seclorum” (uma nova ordem mundial) que estabeleceria uma “Novus Ordo Missae” (uma nova ordem da Missa) para destruir a Igreja Católica Romana. Mesmo na forma original em Latim, a Missa Nova era má o suficiente, mas depois de ir para o vernacular, um desastre sobreveio, e as questões de validade foram justificadas. Um total de 35 orações ou aproximadamente 70% da Missa Tridentina foi trocado ou descartado.
Eis o que Paulo VI colocou no Missal Romano em 3 de Abril de 1969: #13 “Nós esperamos que o Missal será recebido pelos fiéis” e #15 “Nós desejamos que esses nossos decretos e prescrições possam ser firmes e efetivos”. Para impor uma lei o Papa deve tornar isso claro para a Igreja ou que está obrigando a Igreja a usar essa Missa Nova. Ele não fez isso. O que Paulo VI fez não tinha nada a ver com a indefectibilidade da Igreja ou a infalibilidade do Papa. Paulo VI disse em 19 de Novembro de 1969: “Esse Rito (Missa Nova) e suas rubricas relacionadas não são em si mesmos uma definição dogmática”. Paulo VI não fez e não poderia mudar o Rito Romano da Missa.
O propósito da Verdadeira Missa é o louvor e adoração do Deus Todo-Poderoso através do sacrifício de Cristo, que é o sacerdote invisível e vítima. A diferença entre a Missa Nova e a Verdadeira Missa é a diferença entre Caim e Abel. Nós somos contados: “O Senhor respeitou Abel e suas oferendas. Mas a Caim e suas oferendas, Ele não teve qualquer respeito” (Gn 4, 3-5). No início da história humana, os dois irmãos marcaram o padrão da observância da religião verdadeira e falsa por todos os tempos. Uma foi uma imolação em expiação de pecado, a outra meramente uma troca amigável de presentes entre o homem e Deus. Uma era aceitável, a outra não.
Arcebispo Bugnini foi um consultor na Sagrada Congregação da Propagação da Fé, e na Sagrada Congregação dos Ritos Santos. Ele foi também o presidente do Concilium que rascunhou a Novus Ordo Missae. O Arcebispo Annibale Bugnini foi um franco-maçom, iniciado na loja maçônica em 23 de Abril de 1963 (Registro maçônico da Itália datado de 1976), Monsignor Bugnini foi removido de seu posto no Vaticano quando isso se tornou público. E em vez de ser publicamente reprovado ou requerido renunciar de sua associação maçônica, ele foi apontado como Núncio papal no Irã.
O presidente desse Concilium foi o Cardeal Lecaro, um homem de quem Cardeal Bacci chamou “Lutero ressuscitado”.
Quando nós discutimos a Missa Nova nós devemos considerar os autores. Apesar de que Paulo VI era formalmente e juridicamente responsável, na prática foi composta pelo Concilium, que consistia de alguns 200 indivíduos, a maioria dos quais funcionava como periti (“teólogos experts”) durante o Concílio Vaticano II. O Concilium foi ajudado por seis ‘observadores’ (ministros) protestantes que desempenharam um gigantesco papel em desenvolver a Missa Nova. Paulo VI agradeceu-os publicamente pela sua assistência em reeditar em uma nova maneira textos litúrgicos, de forma que a lex orandi (a lei da oração) conformou-se melhor a lex credendi (a lei da crença). É necessária uma nova liturgia para uma nova religião. A Missa Nova é a lei nova da crença não-católica.
Julgando a Novus Ordo Missae (Missa Nova) em si mesma, em sua forma oficial latina, Cardeais Ottavani e Bacci escreveram a Paulo VI em 25 de setembro de 1969: “A Novus Ordo representa uma impressionante ruptura com a teologia católica da Missa, tanto inteiramente quanto em seus detalhes, como foi formulada na Sessão 22 do Concílio de Trento. Das 12 orações do ofertório no Rito Tradicional, somente duas são retidas na Missa Nova. E de interesse é o fato que as orações apagadas são as mesmas que Lutero e Cranmer eliminaram.
A proposição do Sínodo condena o seguinte em respeito da Missa: “por trazer de volta (a liturgia) a uma maior simplicidade de Ritos, expressando-a no idioma vernacular, pronunciada em voz alta”. Essas mudanças foram condenadas pelo Papa Pio VI como “imprudente, ofensiva aos ouvidos pios, insultante à Igreja, favorável às acusações dos hereges”.
No ofertório da Missa Nova o sacerdote diz precisamente as mesmas palavras que aquelas utilizadas na cerimônia judaica.Essas são as palavras: “Bendito seja tu, Deus de toda criação. Pois através de sua bondade nós temos esse pão para oferecer, fruto da terra e trabalho das mãos humanas que se tornará para nós o pão da vida. Esse vinho para oferecer, fruto da vinha e trabalho das mãos humanas que se tornará para nós nossa bebida espiritual”. É assustador pensar que o ofertório da Missa Nova é tomado palavra por palavra da refeição do feriado da Páscoa Judaica. Na Missa Nova os padres oferecem pão e vinho; porém, na Verdadeira Missa, o padre oferece a Vítima Imaculada. É uma blasfêmia oferecer para Deus pão e vinho.
Nas missas da Novus Ordo Requiem (a missa para os mortos) a palavra “alma” não é mencionada nem uma vez.
Paulo VI disse em 24 de maio de 1976: “O Novus Ordo foi promulgado para substituir a antiga, depois de madura deliberação e no intuito de preencher as decisões do Concílio.”
O Papa São Pio V definiu dogmaticamente e infalivelmente na Quo Primum que: “decretamos e ordenamos que a Missa, no futuro e para sempre, não seja cantada nem rezada de modo diferente do que esta, conforme o Missal publicado por Nós, em todas as Igrejas”.
O Decreto da Quo Primum foi irrevogável, e o Papa São Pio V chegou a declarar mais adiante na Quo Primum: “Se alguém, contudo, tiver a audácia de atentar contra estas disposições, saiba que incorrerá na indignação de Deus Todo-poderoso e de seus bem-aventurados Apóstolos Pedro e Paulo.” (14 de Julho de 1570).
Mas pode um papa mudar o que outro papa fez? Em matérias pastorais sim; em matéria de fé não! Quando nós falamos a respeito da liturgia nós estamos falando a respeito de fé. Quo Primum foi não uma disciplina. Lidava diretamente com fé e moral.
Declara a 7ª Sessão, Canon 13 do Concílio de Trento que: “Se alguém disser que os ritos aceitos e aprovados pela Igreja Católica, que costumam ser usados na administração solene dos sacramentos, podem ser desprezados ou sem pecado omitidos a bel-prazer pelos ministros, ou mudados em novos e em outros por qualquer pastor de igrejas — seja excomungado.”
Esse canon expressa muito claramente que o papa, que é o primeiro e pastor supremo não pode nunca mudar qualquer rito da Igreja Católica Romana. O Rito Romano foi fixado para sempre pelo Papa São Pio V na Quo PrimumPaulo VI tentou estabelecer um completo novo Rito Romano. Há somente um Rito Romano da Missa; não pode haver dois.
É indisputável que de acordo com os pronunciamentos anteriores da Igreja a Missa Nova é ilegal, e, portanto, não pode ser celebrada ou observada.
O assunto se há uma consagração válida na Missa Nova é uma outra questão que nós endereçaremos agora.
No decreto aos armênios no Concílio de Florença, expressa o seguinte: “todos esses sacramentos são dispensados de três formas, ou seja, pelas coisas relativas à matéria, pelas palavras relativas à forma, e pela pessoa do ministro conferindo o Sacramento com a intenção de fazer como a Igreja faz; se qualquer desses elementos está ausente o Sacramento não é realizado.”
As quatro principais coisas necessárias para uma celebração válida do Santo Sacrifício da Missa:
1.     Ministro: o celebrante deve ser um sacerdote validamente ordenado.
2.     Intenção: o celebrante deve ter a intenção de preparar o sacramento.
3.     Matéria: os elementos da Missa devem ser pão de farinha de trigo e vinho de uva, feitos sem aditivos.
4.     Forma: a própria forma (palavras) da consagração devem ser usadas.

De acordo com o Concílio de Trento, esses requisitos não podem ser alterados por ninguém, nem mesmo a própria Igreja, na medida em que eles foram estabelecidos por Cristo.
O Concílio de Florença, em 1442, declarou que as seguintes palavras devem ser usadas na missa para uma consagração válida: “Portanto as palavras da consagração, que são a forma desse sacramento, são essas: ‘Pois esse é meu corpo: pois esse é o cálice do meu sangue, do novo e eterno testamento, o mistério da fé: que deverá ser derramado por você e por muitos para a remissão dos pecados’
Lembre que nós estabelecemos que a declaração do Concílio de Florença claramente determinou as palavras de consagração que é a forma das palavras que devem ser usados para ter um sacramento válido. Mais adiante, Papa São Pio V declara emDe Defectibus Cap. 5, Parte 1: “Se alguém remover ou mudar qualquer coisa na forma da consagração do Corpo e Sangue, e por essa mudança de palavras, não significar a mesma coisa que essas palavras, ela não confecciona o sacramento”.
De acordo com esse decreto infalível, todas as missas que usam “todos” na consagração são inválidas.
Ninguém pode duvidar que a igreja do Vaticano II foi contra a tradição, contra os decretos dos concílios ecumênicos, e contra o Catecismo do Concílio de Trento, mudando a forma do sacramento da Santa Eucaristia. Não é uma matéria de debate se o papa tem o direito de fazer isso. Como o Papa Leão XIII (1878-1903) disse na Bula Apostolicae Curae: “A Igreja é proibida de mudar, ou mesmo tocar, a matéria ou a forma de qualquer sacramento.
O Papa Leão XIII declarou na Satis Cognitum: “Nada é mais perigoso do que os heréticos que, apesar de conservarem quase todo resíduo do ensinamento da Igreja intacto, corrompem-no com uma única palavra, como um pingo de veneno, a pureza e a simplicidade da fé que nós recebemos através da Tradição de Deus e através dos Apóstolos”.
São Tomás de Aquino declarou: “É claro que, se qualquer parte substancial da forma sacramental é suprimida, aquele sentido essencial das palavras é destruído; e conseqüentemente o Sacramento é inválido”. (Summa, III, Q, 60, Art. 8).
Lucas 16, 17: “Mais facilmente, porém, passará o céu e a terra do que se perderá uma só letra da lei.”
Mateus 5, 18: “Pois em verdade vos digo: passará o céu e a terra, antes que desapareça um jota, um traço da lei.”
Nosso Senhor Jesus Cristo não usou a palavra “todos” entre as coisas que disse em Mateus 26, 28. Ele usou a palavra “muitos”.
Santo Afonso nos conta: “As palavras pro vobis et pro multis (para você e para muitos) são usadas para distinguir a virtude do Sangue de Cristo desde seus frutos: pois o sangue de Nosso Senhor é de valor suficiente para salvar todos os homens, mas seus frutos são aplicados somente a um certo número e não a todos, e isso é sua própria falha”.
A Missa Nova é um sacrilégio porque é uma deliberada falsificação da Missa estabelecida do Rito Romano. A Verdadeira Missa foi dada de uma forma definida e imutável pelo Papa São Pio V, de forma que o sacrilégio pudesse ser evitado e condenado.
São Tomás de Aquino descreve um sacrilégio: “Em um sacrilégio, nós encontramos um tipo especial de deformação, em outras palavras, a violação de uma coisa sagrada por relacioná-la com irreverência.” (Summa, II, Q. 99, Art. 2)
Se a Novus Ordo Missae não é católica, então não pode satisfazer a obrigação de domingo de alguém, e seria uma grave pecado observá-la. São Tomás de Aquino declarou: “Falsidade em adoração exterior ocorre da parte do adorador e, especialmente, em adoração comum que é oferecida pelos ministros personificando a Igreja inteira. Pois mesmo que ele fosse culpado de falsidade que, no nome de outra pessoa, proferiria coisas que não lhe estão comprometidas, assim também o homem incorreria em culpa de falsidade se, da parte da Igreja, conferisse adoração a Deus de maneira contrária à estabelecida pela Igreja ou Autoridade Divina, e de acordo com o costume eclesiástico. Por conseguinte, Santo Ambrósio declara: ‘sem valor é aquele que celebra o mistério de outra forma como Cristo comunicou’”.
Papa São Pio X declarou na Pascendi Dominici Gregis: “Pois católicos em nada removerão a autoridade do Segundo Concílio de Nicéia, através do qual se condena aqueles que ousam, conforme novidades ímpias de algum tipo ou esforço pela malícia ou trapaça, abolir alguma das tradições legítimas da Igreja Católica”.
Novamente São Tomás declarou: “Alguns heréticos, por conferir sacramentos, não observam a forma prescrita pela Igreja; e esses não conferem nem o sacramento nem a realidade do sacramento.” (Summa III, Q64, Art 9)
Pois se a expressão apropriada que estabeleceu a forma de um sacramento é assim alterada, de modo que o significado essencial das palavras é mudado, então o sacramento é automaticamente tornado inválido. Um princípio básico da teologia sacramental é que “um sacramento duvidoso não é sacramento”.
Se a única igreja em uma cidade ocorrer de ser uma igreja protestante, um católico certamente não poderia observar as cerimônias dali. O mesmo se aplica à Missa Nova. Na medida m que não é uma missa católica, um católico não tem nada a fazer ali.
Como o Anticristo será tão mal porque ele clamará ser o verdadeiro Jesus e não ser, assim a Missa Nova é mal porque reclama ser a Verdadeira Missa e não é. A Missa Nova é uma deliberada falsificação da Verdadeira Missa, e uma cerimônia não-católica.É muito claro que de acordo com os ensinamentos da Igreja Católica Romana seria um grave pecado observar a Missa Nova.Isso é porque a Missa Nova é mortífera.

Extraído do blog: PEDRO DA VEIGA - http://pedrodaveiga.blogspot.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de comentar a postagem, leia: Todo comentário é moderado. Comentários sem a identificação do autor, sua origem via link ou que não tenha o nome de emitente no corpo do texto, podendo ser publicado se julgar o assunto tratado pertinente. Todo e qualquer comentário só será publicado se não ferir nenhuma das diretrizes do blog, o qual reserva o direito de publicar ou não qualquer comentário, bem como de excluí-lo futuramente. Comentários ofensivos contra a Santa Madre Igreja não serão aceitos. Comentários de hereges, de pessoas que se dizem ateus, infiéis, de comunistas só serão aceitos se estiverem buscando a conversão e a fuga do erro. De indivíduos que defendem doutrinas contra a Verdade revelada, contra a moral católica, de apoio a grupos ou ideias que contrários aos ensinamentos da Igreja, ao catecismo do Concílio de Trento, ferem, denigrem, agridem, cometem sacrilégios a Deus Pai, Deus Filho, Deus Espírito Santo, a Mãe de Deus, seus Anjos, Santos, ao clero, as instituições católicas, a Tradição da Igreja, também não serão aceitos. Apoio a indivíduos contrários a tudo isso, incluindo ao clero modernista, só será publicado se tiver uma coerência e não for qualificado como ofensivo, propagador do modernismo, do sedevacantismo, do protestantismo, das ideologias socialistas, comunistas e modernistas, da maçonaria e do maçonismo, bem como qualquer outro tópico julgar impróprio. Alguns comentários podem ser respondidos via e-mail, postagem de resposta no blog, resposta do próprio comentário ou simplesmente não respondido. Reservo o direito de publicar, não publicar e excluir os comentários que julgar pertinente. Para mensagens particulares, dúvidas, sugestões, inclusive de sugestões de publicações, elogios e reclamações, pode ser usado o quadro CONTATO no corpo superior do blog versão web. Obrigado! Adm do blog.